• Português

Ilustrações

Até que ponto é válido o uso de ilustrações nos sermões,
mesmo sendo estórias fictícias?

Se realmente não aconteceram, não estaríamos usando mentiras para ilustrar verdades?
Uma ilustração, no sentido da pergunta, é um exemplo que se usa para esclarecimento ou comentário. Poderia também ser a elucidação de um texto por meio de estampa, figura, desenho, gravura ou imagem, mas não é este o aspecto que se deseja considerar.

O uso de ilustrações é muito útil para ajudar na compreensão de um ensino ou mensagem, ou para enfatizar algum aspecto deles, e é comumente feito em sermões com essa finalidade.

Para verificarmos até que ponto é válido, vejamos primeiro como são usadas as ilustrações na Bíblia, pois encontramos abundantes ilustrações nos livros do Velho e do Novo Testamentos.

As ilustrações bíblicas abrangem o que se vê na natureza, os acontecimentos históricos, e narrativas alegóricas que transmitem uma mensagem indireta, ou preceito espiritual ou moral, por meio de comparação ou analogia, chamadas parábolas.

Nos livros de Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares (chamados poéticos) encontramos os seguintes tipos de ilustração:  

  • paralelismo emblemático, em que se dá uma figura de linguagem na primeira linha para ilustrar o conteúdo da segunda (Provérbios 11:22, 42:1, etc), e
  • figuras literárias para se fazer comparações. Estas comparações tomam a forma de símiles (Salmo 5:12, Cantares 2:3a, etc), metáforas (Salmo 84:11, Cantares 4:12, etc), antropomorfismos, em que se atribui a Deus ou a seres espirituais formas, comportamentos e pensamentos característicos do ser humano (Salmo 11:4, etc), ou mesmo dos animais (Salmo 91:4), e as prosopopéias, em que palavras e sentimentos humanos são atribuídos a seres inanimados, a animais, etc (Salmo 96:11,12, Provérbios 8:12).

De uma forma mais ampla, toda a história da humanidade e do povo de Deus encontradas no Velho Testamento servem como ilustração para compreendermos melhor o relacionamento entre Deus e a humanidade, os caminhos de Deus e a natureza humana. Lembremos alguns dos inúmeros casos: ·

  • O sacerdócio, o tabernáculo, os rituais, (os sacerdotes que apresentam as ofertas prescritas na Lei) “servem num santuário que é cópia e sombra daquele que está nos céus, já que Moisés foi avisado quando estava para construir o tabernáculo: ‘Tenha o cuidado de fazer tudo segundo o modelo que lhe foi mostrado no monte” (Hebreus 8:5 - NVI).
  • A destruição de Sodoma e Gomorra e das cidades circunvizinhas que se corromperam para ir após outra carne (o homossexualismo) são exemplos para os que vivem impiamente (2 Pedro 2:6, Judas 1:7).
  • A provocação do povo de Israel no deserto, que os impediu de entrar na terra prometida (Hebreus 3:7-11).
  • A aflição e a paciência dos profetas que falaram em nome do Senhor (Tiago 5:10).

O Novo Testamento também é rico em exemplos que são úteis como ilustrações: o apóstolo Paulo é uma ilustração da misericórdia e da longanimidade de Cristo (1 Timóteo 1:16); também é uma ilustração do crente fiel e trabalhador, enfrentando todas as vicissitudes por amor de Cristo (Filipenses 3:17); os membros da igreja de Tessalônica ilustravam a eleição de Deus, tendo recebido a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo, sendo imitadores de Paulo e do Senhor (1 Tessalonicenses 1:7).

O nosso supremo Mestre, o Senhor Jesus, usou muito de parábolas, das quais nada menos que trinta e três se encontram nos Evangelhos. Ilustram ensinos sobre o Reino de Deus, o serviço e a obediência, a oração, a vizinhança e a humildade, a riqueza, explicam o Evangelho no que diz respeito ao amor de Deus, e a gratidão, e advertem sobre o futuro no que concerne à Sua volta e o julgamento de Deus.

Em sua grande maioria as parábolas ditas por Ele não são necessariamente fatos históricos, mas concernem situações possíveis de acontecer, assim ilustrando verdades paralelas. Ele explicou aos seus discípulos que enunciava seus ensinos por parábolas para que os que queriam ouvi-Lo pudessem entender os mistérios do Reino dos céus (Mateus 13:10-17).

Encontramos também parábolas no Velho Testamento, como a que Natã usou para despertar no rei Davi a consciência do seu pecado (2 Samuel 12:1-4), a de Jotão (Juízes 9:7-15) e muitas outras.

Concluímos, portanto, que estórias fictícias assim como fatos verídicos podem ser usados como ilustrações para esclarecimento, como nas parábolas. Não nos é lícito, no entanto, para efeito de uma ilustração ou qualquer outro motivo, contar uma estória, ou repetir algo que ouvimos de origem duvidosa, dando a entender que é um fato verídico. Se forem usadas como ilustração, sua origem fictícia, ou duvidosa, deve ser deixada bem clara ao auditório.

Dado o grande volume de ilustrações que nos são fornecidas pela própria  Palavra de Deus, geralmente não é necessário fazer uso da nossa imaginação ou procurar em outra fonte o material para ajudar a elucidar o ensino bíblico. Se nos limitarmos às ilustrações das Escrituras Sagradas, evitaremos o risco de ilustrar mal ou incorretamente o que elas ensinam.

Finalmente, melhor do qualquer ilustração verbal ou escrita, somos exortados a ser exemplos, ou ilustrações vivas aos demais, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza, em boas obras, na incorruptibilidade doutrinária, na gravidade, na sinceridade, em linguagem sã e irrepreensível (1 Timóteo 4:12, Tito 2:7). Façamos disto a nossa prioridade.

autor: R David Jones.