• Português

Semeadura

“Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento”

1 Coríntios 3:6

Os meios de comunicação estão se tornando imensamente mais numerosos e eficientes, e as viagens mais fáceis e baratas do que eram décadas atrás, de forma que o conhecimento que temos das regiões do país e do exterior também tem crescido consideravelmente. É assim mais fácil hoje do que era antigamente verificar, com a ajuda de estatísticas, onde o testemunho evangélico existe e é mais intenso, e onde não existe ou é muito débil.

O desejo de todo o crente é que o testemunho do Evangelho exista e seja forte por toda a parte do globo. Oxalá assim fosse! Quase dois milênios após o início da igreja de Cristo, constatamos que são poucos os lugares onde podemos considerar que o seu testemunho é forte, seja qual for o critério adotado para avaliá-lo.

Mas isso não é surpreendente, pois o próprio Senhor Jesus nos disse “… estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7:14), “Porfiai por entrar pela porta estreita, porque eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão” (Lucas 13:24).

Ele nos ensinou através da parábola do semeador (Mateus 13:19-23) e Sua explicação, que a pregação da Palavra nem sempre surte o efeito desejado:

  1. Pode não ser entendida (por não querer compreender), quando então vem o maligno e arrebata o que foi semeado no coração de quem ouviu;
  2. Pode ser recebida logo com alegria, mas apenas superficialmente e por pouco tempo, pois sucumbe com as provações. É o que acontece com muitas “conversões” forçadas por um ambiente emotivo e longos apelos;
  3. Pode ser ouvida, mas não é efetiva, pois é dada prioridade aos cuidados deste mundo e à sedução das riquezas.

O Evangelho somente pode resgatar e transformar almas em “boa terra”, isto é, quando a Palavra é ouvida e voluntariamente compreendida, o que não é apenas ser “entendida”, mas absorvida por completo e posta em prática com sinceridade (Lucas 8:15).

O semeador nesta parábola é aquele que prega a Palavra do Reino (Mateus 13:19), ou seja, o Senhor Jesus como em outra parábola que se segue (Mateus 13:37). Por analogia, também os que pregam o Evangelho são semeadores.

A realidade aqui ensinada ficou bem evidente no ministério do Senhor Jesus ao povo de Israel: apesar da qualidade das Suas mensagens, da qual o povo se admirava pois “ensinava com autoridade e não como os escribas” (Mateus 7:28,29), e dos sinais convincentes que fazia, ao final eram poucos os que estavam ao Seu lado, e Ele foi rejeitado pela nação.

O Senhor disse aos Seus discípulos e estas foram as Suas últimas palavras ao ascender ao céu “… recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (Atos 1:8).

De fato, após o batismo pelo Espírito Santo da pequena igreja em Jerusalém no dia de Pentecostes, depois da ascensão de Jesus Cristo, os discípulos pregaram o Evangelho com grande coragem, enfrentando a oposição dos líderes religiosos, e houve milhares de conversões. A semeadura parecia estar finalmente dando resultados positivos, alcançando boa terra. Muitos haviam vindo de outros locais e outros países, e levaram a mensagem com eles em suas próprias línguas, assim podendo espalhar as boas novas, aumentando a sementeira.

Até onde o Evangelho chegou no tempo dos primeiros discípulos não sabemos ao certo. Teriam eles realmente ido até aos confins da terra? Existem tradições antigas, sem confirmação histórica, de que teriam ido até ao norte da Europa, e mesmo até à Índia e à China. É mais provável que a expressão do Senhor “até aos confins da terra” significa que não há qualquer povo na terra que não deva ser alcançado pelo testemunho cristão.

O testemunho evidentemente não é limitado a uma equipe, por exemplo, aos onze apóstolos e os outros discípulos presentes naquela ocasião. Eles podiam dar testemunho daquilo que presenciaram pessoalmente de Cristo, e temos ainda hoje o testemunho de alguns deles, escrito nos quatro evangelhos, traduzidos em quase todos os idiomas existentes no globo terrestre, e distribuído a quase todos os povos, apesar da grande oposição encontrada pela ação do diabo.

Aqueles primeiros pioneiros já foram para a presença de Deus dezenove séculos atrás e hoje ainda é necessário que a Palavra seja semeada, como Paulo escreveu em Romanos 10:12-17: “… um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam a paz, dos que anunciam coisas boas! Mas nem todos obedecem ao evangelho; pois Isaías diz: ‘Senhor, quem creu na nossa pregação?’ De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.”

O pregador, o evangelista, o que anuncia o Evangelho, é enviado. Para ser enviado é necessário que seja primeiro escolhido e em seguida chamado. Ninguém pode ser escolhido, chamado e enviado por si próprio. Quem escolhe, chama e envia é o Senhor Jesus (João 15:16, 1 Coríntios 1:26, Atos 1:8).

Todo crente deve ser uma testemunha do Evangelho. O testemunho pessoal é parte integrante da vida cristã. Nossa missão principal agora, como foi desde que o Senhor enviou Seus onze discípulos dizendo “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15), é semear a Palavra de Deus: e este é o trabalho de cada crente! Tomemos cuidado, em nossas orações, para não pedirmos que Deus mande outros para fazer o trabalho que nós próprios deveríamos estar fazendo.

Podemos cumprir perfeitamente a nossa tarefa de sementeira, sem ver sequer uma alma convertida, como reconheceu Isaías. Fracassamos? Não! O semeador da parábola lançou a sua semente por toda a parte - não escolheu aonde caía! Também nós não podemos prever se a Palavra que distribuímos será bem ou mal compreendida, e se resultará em aceitação e conversão.

O apóstolo Paulo teve a experiência de ter plantado, enquanto outro, Apolo, teve o privilégio de regar. Tanto um como o outro eram servos conforme o Senhor concedeu a cada um, mas o crescimento veio de Deus. Não é importante saber quem está plantando, ou quem está regando, mas se Deus o está usando, demos a Deus o louvor pelo resultado do seu trabalho.

Cada um de nós não vai até os confins da terra para dar o nosso testemunho - mas podemos prover para o sustento dos que vão, ou para um programa de rádio que irradia a mensagem do Evangelho, ou mesmo para a impressão e distribuição da Bíblia feitos por associações de irmãos na fé.

Temos que reconhecer que Deus usa muitos servos. Eles podem estar fazendo o Seu trabalho de maneiras um pouco diferentes, mas nem por isso devemos ir ao ataque contra os que o fazem de maneira diferente de nós. Existem métodos diferentes, mas se Deus os está usando, eles são cooperadores conosco no trabalho de Deus.

Deus deseja que todos se salvem, e o Seu Espírito dirige os obreiros na sementeira. Não nos cabe a função de dirigir os obreiros, como muitos gostam de pensar - não nos compete estimular ou “mandar” obreiros para irem a esta ou aquela região, para este ou aquele país. Deus sabe melhor. As estatísticas são superficiais e o Espírito Santo não precisa delas para colocar os servos de Deus onde mais convém.

“Ora, aquele que dá a semente ao que semeia e pão para comer também multiplicará a vossa sementeira e aumentará os frutos da vossa justiça” (2 Coríntios 9:10).

autor: R David Jones.