• Português

A História da Criação (12)

Da versão original Creation´s Story
Publicada pela John Ritchie Ltd., Escócia
Versão em português autorizada pela Editora A Verdade
www.editoraverdade.com.br 

CAPÍTULO 12

A Terra – um Planeta sem Igual

O mundo, este planeta chamado Terra, é simplesmente um lugar sem igual, um planeta excepcional entre todos  os  outros  no  sistema  solar,  um  mundo excepcional entre mundos sem-fim pelo espaço. Ele é excepcional e único em, pelo menos, dois aspectos. O primeiro e melhor destes é que o próprio Filho de Deus veio aqui, nascido numa humilde manjedoura em Belém, morrendo numa rude cruz no Calvário, para realizar o grande plano de salvação de Deus. Ele "veio ao mundo para salvar os pecadores" (I Timóteo 1:15), para oferecer vida eterna. A segunda característica única é de como apenas a Terra oferece um ambiente que é perfeito para conter e sustentar a vida física.

Embora tenhamos considerado muitas mudanças que aconteceram durante e depois do grande dilúvio, essas modificações afetaram principalmente a estrutura da superfície, a topografia, geografia e geologia, em vez das suas propriedades fundamentais, desenhadas por Deus. Já temos visto que os Seus atos de criação em Gênesis 1 foram numa sequência ordenada, convergindo no ponto em que o homem poderia tomar o seu lugar em um mundo já em funcionamento, o qual ele poderia desfrutar e cuidar dele e que supriria todas as suas necessidades de alimentação, alojamento, paz e beleza. E, mesmo com a entrada do pecado no mundo, a verdade é que essas condições estritas e rigorosas para a existência da vida continuam a ser encontradas na Terra e em mais lugar nenhum! As Escrituras ensinam claramente que Deus desenhou o mundo para ser habitado pelo homem (Isaías 45:18; Atos 17:26). Também sabemos que a bênção do homem foi planejada "antes da fundação do mundo" (Efésios 1:4). Sendo assim, Deus desenhou, fundou e formou esse planeta único, tendo o homem em mente desde o princípio.

A história da criação é escrita por todo o universo, sendo revelados e entendidos mais detalhes conforme o tempo passa. Mas, para nós, claramente e com especial relevância, é a parte da maravilhosa história escrita nas estruturas e nas propriedades do nosso próprio planeta Terra. Quem tenha estudado esse fascinante assunto chegou à conclusão de que a Terra é realmente um lugar sem igual, perfeitamente adequado para a vida e para o homem. Muitas teorias descabidas e confusas sobre como isso aconteceu têm sido propostas. Uma série de acidentes, umas quantas coincidências e uma medida de "sorte" (e estou parafraseando um livro recente, baseado na ciência!) é o que nos dizem que foram os responsáveis! A ideia de um "desenho inteligente" é rejeitada ferozmente, embora isso seja tão evidente, das maiores às menores estruturas que são exploradas.

Condições para Vida

A vida é muito frágil, embora a tomemos como um dado adquirido. A sua existência depende de que muitas condições físicas estejam completamente certas, por exemplo, temperaturas entre cerca de 0 e 40 °C, e os valores fundamentais de gravidade e das forças nucleares sendo os que são. Ela também depende da disponibilidade de certos químicos, por exemplo, a água e o oxigênio, e que igualmente outros estejam ausentes ou em quantidades muito pequenas, por exemplo, cianeto e monóxido de carbono. De igual maneira, existem formas de radiação que são absolutamente essenciais para toda a vida na Terra, ou seja, a luz "visível" e algumas infravermelhas, mas outras são letais, como raios-x e radiação ultravioleta profunda.

Nos próximos capítulos, iremos olhar para a maneira singular na qual todas essas condições se interligam no nosso planeta e em mais nenhum outro lugar, como Deus desenhou tais maneiras na matriz do mundo, como as condições no universo são "perfeitamente adequadas " para a vida. Isso tem sido exposto em detalhe por Paul Davies, um físico moderno, que chamou a essa condição "O Enigma dos Cachinhos Dourados".

O Sol

As temperaturas da superfície da Terra são governadas principalmente por dois elementos: a energia emitida pelo Sol e  a distância que estamos dele. Se o Sol fosse mais quente, ou se a Terra estivesse mais perto do astro, toda a vida se queimaria. Se ele fosse mais frio, ou a Terra mais distante, toda a vida se congelaria.

O Sol é uma estrela cuja energia é gerada do seu interior, de onde átomos de hidrogênio se combinam para formar átomos de hélio, numa temperatura à volta de 15 milhões de graus centígrados. A temperatura da sua superfície é de cerca de 5.500 °C. As estrelas variam em tamanho, desde um décimo até mais de cem vezes o tamanho do Sol, e as suas temperaturas variam entre 3.000 e 40.000°C (demonstrado pelas suas cores - de anãs vermelhas a gigantes branco-azuladas). Entre estas, o Sol é uma estrela amarela de tamanho médio (diâmetro de cerca de 1.392.000 Km, 109 vezes o diâmetro da Terra, 745 vezes a massa de todos os planetas juntos). Estando na distância correta de cerca de 150 milhões de quilômetros do Sol, a Terra recebe a quantidade correta de radiação dessa estrela de tamanho correto para alcançar as temperaturas corretas na qual podemos viver - tudo perfeitamente combinado!

O Sistema Solar

O Sol oferece um   ponto de ancoragem para todo o sistema solar de oito planetas maiores rodando à sua volta numa direção contrária ao movimento do relógio, enquanto eles também rodam sobre os seus próprios eixos. Existem quatro planetas internos, de Mercúrio a Marte, relativamente pequenos, densos e rochosos, e quatro exteriores, de Júpiter a Netuno, que são enormes esferas de material gasoso de baixa densidade. Planetas mais próximos do Sol são muito mais quentes, e aqueles mais distantes, muito mais frios. A nossa distância de um gerador gigante de energia eficiente e limpa chamado Sol é exatamente correta, e a energia vem livremente pela vasta distância envolvida, levando, de fato, 8,3 minutos para chegar até nós. "Nada se esconde ao seu calor” (Salmo 19:6). O nosso Deus "faz nascer o seu sol sobre maus e bons" (Mateus 5:45).

Planetas mais próximos do Sol orbitam-no mais rapidamente - um ano em Mercúrio é cerca de um quarto do nosso ano (enquanto o seu "dia" dura por 58 dos nossos dias). Planetas mais distantes orbitam o Sol mais lentamente - o ano de Netuno equivale a 165 dos nossos anos (o seu dia leva 16,1 horas). Entre os planetas, a Terra ocupa a sua posição singular dada por Deus entre Vênus e Marte, com até o comprimento de anos e dias adequados com o nosso ciclo de vida.

Outros fatores ajudam a manter a temperatura conforme precisamos. Primeiro, o período de 24 horas para a Terra rodar sobre o seu eixo é exatamente certo. Períodos mais longos dariam noites extremamente frias e dias muito quentes; períodos mais curtos iriam desestabilizar os padrões do tempo e fazer os gases da atmosfera dispersarem-se pelo espaço. Também, por causa de o eixo da Terra não estar no ângulo direto aos raios do Sol, mas inclinado por 23,5 graus, o influxo de energia é espalhado por uma área maior a norte e a sul do equador. As estações são assim alongadas, e regiões com demasiado calor ou frio na Terra são minimizadas.

Assim como os planetas orbitam o Sol, eles tracejam um caminho elíptico. Alguns, como Mercúrio, o mais próximo do Sol, ou Plutão (planeta anão), mais distante, têm elipses muito alongadas. Mas a órbita da Terra é quase circular. Se ela fosse muito alongada (mais espremida), então por alguns meses do ano a Terra estaria mais perto do Sol, tornando-se muito quente, seguida de meses muito mais frios, quando a Terra estivesse mais distante. Tais extremos que ameaçam a vida não acontecem por causa da órbita praticamente redonda da Terra ao redor do Sol.

A Atmosfera

Ainda outro fator que tem um grande efeito na temperatura é o tamanho e a composição da atmosfera - um cobertor isolante que ajuda a reter o calor (efeito estufa).

Atmosferas em outros planetas são muito diferentes: a de Mercúrio é tão fina que as temperaturas oscilam entre -170 e 400 °C, conforme o calor é facilmente perdido ou ganho; a de Vênus é muito espessa, composta por dióxido de carbono, com nuvens compostas de 80% ácido sulfúrico. Ela retém tanto calor que a temperatura é de 475 °C.

A composição da nossa atmosfera é governada pela força gravitacional da Terra, que também governa a mobilidade de tudo na sua superfície. Por exemplo, se a gravidade fosse muito inferior, o oxigênio, o nitrogênio e o vapor d'água necessários para a vida iriam escapar-se para o espaço, sobrando apenas argônio e dióxido de carbono. O efeito protetor da atmosfera também seria reduzido, tanto para a retenção de calor como para a prevenção de danos devida aos raios cósmicos. Por outro lado, se a gravidade fosse muito mais forte, a densidade do ar e a pressão iriam aumentar, e as formas de vida de todos os tipos iriam necessitar de muito mais músculo e força esqueletal para mover e sobreviver.

Os fatores gravitacionais governam a força de atração da Terra em tudo, especialmente da Lua, o nosso vizinho celeste mais próximo. A sua atração afeta as marés dos oceanos, e os seus tamanhos são importantes. Demasiada maré provocaria instabilidade da costa; muito pouca iria prejudicar a reciclagem de nutrientes e poluentes.

O equilíbrio de cada fator responsável pela Terra ser uma casa apropriada para o homem e também para incontáveis formas de vida é realmente um claro indicador da sabedoria e do desenho do Criador. Podemos dizer com convicção e louvor, "Que variedade, SENHOR, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas. Eis o mar vasto, imenso..." (Salmos 104:24-25).

autor: Bert Cargill.