• Português

Conte-me mais sobre a igreja (11)

Uma versão editada dos
Princípios da Igreja no Novo Testamento de Arthur G. Clarke
Autorização concedida pela John Ritchie Christian Publications
Traduzido por R. David Jones

CAPÍTULO 11

AS FINANÇAS DA IGREJA

Tudo o que um crente possui realmente pertence ao Senhor. Na verdade 1 Coríntios 6:19-20 nos lembra que nós mesmos pertencemos a Ele. Não somos donos de nós mesmos - fomos comprados por um preço. Devemos usar nossas posses como bons administradores da graça de Deus (Romanos 12:1; Lucas 16:9-13; 8:5). Quando o rei Davi deu o ouro e a prata para a construção do grande templo de Deus em Jerusalém, ele disse: "tudo vem de Ti, e do que é Teu to damos” (29:14). Cinco vezes no Novo Testamento, dando aos outros é chamado de "graça". Dar é a resposta de um cristão à graça de Deus recebida na salvação.

No Velho Testamento, Deus pediu que os israelitas lhe dessem uma certa porção de suas posses por um motivo similar. Ele afirmou que os primogênitos de homens e animais, (Êxodo 13:1-2, 11:15), e os primeiros frutos da terra (Êxodo 22:29-30) eram Seus. O dízimo (o décimo de sua receita) era para ser dado a Ele, utilizado para o sustento da tribo de Levi, que tinha deveres especiais para fazer. Além de tudo isso, eram obrigados a dar certos sacrifícios e ofertas, enquanto outros poderiam ser dados de seu próprio "livre-arbítrio". Foi assim que os materiais e o trabalho para o tabernáculo do Senhor foram fornecidos (Êxodo 35-36).

Naqueles dias, tudo era exigido e os detalhes foram cuidadosamente controlados. Podemos tomar alguns princípios de contribuição daqueles dias do Velho Testamento, mas em nosso dia da graça a doação deve ser sempre livre e espontânea. Nosso padrão não pode ser inferior, já que nossos privilégios como cristãos são muito maiores.

A PROVISÃO FINANCEIRA DA IGREJA

Dar ao Senhor envolverá contribuir para os fundos da igreja local. Cada crente tem o dever de fazer isso. As instruções são encontradas em 1 Coríntios 16:1-3 e 2 Coríntios 8, 9. Lendo com atenção, você vai encontrar os seguintes pontos-chave.

1. Todos devem contribuir.

Espera-se que todos na igreja local contribuam ("cada um de vós" - 16:2). Aqueles que têm mais dinheiro podem ser capazes de dar com mais facilidade, mas todos devem dar alguma coisa. As igrejas da Macedônia deram da sua profunda pobreza (2), porque tinham primeiro dado a si mesmos ao Senhor (v.5). As mulheres que estavam com os discípulos do Senhor serviam com os seus bens e o Senhor ficou satisfeito em aceitá-los (Lucas 8:3). Aqueles que estão totalmente engajados na obra do Senhor não são excluídos da doação. Eles são como os levitas, que tanto recebiam dízimos como davam o seu próprio dízimo (Números 18:25-32). [1]

2. Todos não dão o mesmo.

A contribuição deve corresponder à capacidade de cada um (2 Coríntios 8:11-12; Atos 11:29) - "conforme tiverem prosperado" (1 Coríntios 16:2). Não existem leis sobre quanto. Mas Deus dá tão livremente e ricamente que Seus filhos devem ser liberais como Ele (Tiago 1:5; João 3:16; Romanos 8:32). Nosso Senhor se fez pobre para nos fazer ricos (2 Coríntios 8:9). Sua grande graça é um exemplo para todos nós (Romanos, 2 Coríntios 8:2; 9:11,13). Observe como o Senhor avalia o que é dado (Lucas 21:1-4), e como Ele promete recompensa (Lucas 6:38; 2 Coríntios 9:6).

3. Não se deve contribuir para impressionar os outros.

Nossa motivação deve ser o amor a Deus e ao homem (1 Coríntios 13:3; 2 Coríntios 8:8; 1 João 3:17-18; Gálatas 6:10). Devemos dar para a glória de Deus (1 Coríntios 10:31). No mundo, as listas de doações beneficentes são muitas vezes publicadas, começando com os nomes das pessoas que mais contribuiram! Não devemos contribuir a fim sermos admirados pelos outros. Isso deve ser feito em segredo (Mateus 6:1-4).

4. Deve-se dar com "boa vontade" e "alegria".

Devemos dar "sem má vontade" (2 Coríntios 8:3; 9:7) É muito importante que as nossas próprias dívidas sejam pagas e nossas famílias providas. Mas não devemos esquecer de dar a Deus o que Ele requer (2 Coríntios 8:20-21). Se temos ressentimento contra um irmão, devemos procurar a reconciliação antes de dar nossa oferta ao Senhor (Mateus 5:23-24).

5. A contribuição deve ser planejada.

O dinheiro deve ser posto de lado para dar ao Senhor, não dado sem consideração ou cuidado (1). Alguns crentes mantêm um fundo em casa para oferecimento ao Senhor. As doações podem ser feitas a partir deste fundo, sempre que o Senhor conduzir ou quando uma necessidade se torna conhecida. É melhor não se ver constrangido por um pedido de ajuda repentino (2 Coríntios 9:5). A contribuição normal para a coleta no primeiro dia da semana (1 Coríntios 16:2) está ligada à adoração na Ceia do Senhor. É interessante notar que, em Israel, o molho das primícias da cega era trazido ao sacerdote e no primeiro dia da semana era movido perante o Senhor junto com o holocausto de um cordeiro sem defeito (Levítico 23:9-21).

A ADMINISTRAÇÃO DAS FINANÇAS DA IGREJA

Os fundos recolhidos pela igreja local podem ser usados para prever as necessidades dos outros, como mostrado em Atos 11:29-30; Romanos 15:25-26; 1 Coríntios 16:1; Filipenses 4:15-16. A contribuição individual é indicada em 3 João v.5-7; Gálatas 6:6; Hebreus 13:16; 1 Timóteo 6:18; Atos 4:36-37.

As despesas normais do local de reunião da igreja precisam ser pagas. A Iluminação, o aquecimento ou refrigeração, os móveis e talvez aluguel e zelador devem ser compartilhados pelos crentes locais que deles se beneficiam. Este é um dever, ao invés de uma "oferta voluntária". Dar ao Senhor vai além desse dever.

O cuidado dos fundos da igreja deve estar nas mãos de mais de uma pessoa (Atos 6:3-6; 1 Coríntios 16:3-4; 2 Coríntios 8:18-21; 9:3-5). Isto espalha o peso da responsabilidade, elimina qualquer possibilidade de suspeitas cruéis, e aumenta a confiança dos santos. Esses irmãos, muitas vezes chamados de tesoureiros da igreja, servem nas coisas materiais, mas requerem qualificações morais e espirituais elevadas (Atos 6:3; 1 Timóteo 3:8-13). Também devem ser capazes de manejar e administrar questões de dinheiro. As Escrituras mostram que aqueles que contribuem devem estar habilitados para selecionar irmãos para cuidar das ofertas. Um relatório apropriado do que for recebido e distribuído deve ser fornecido a toda a igreja local em intervalos regulares, em relação a 1 Coríntios 14:40; 2 Coríntios 8:20-21.

A DISTRIBUIÇÃO DOS FUNDOS

No Novo Testamento, há exemplos de como os fundos da igreja podem ser utilizados, além de cobrir as despesas locais.

1. Auxílio aos crentes necessitados:

Leia textos como Romanos 12:13; 15:23-27; Gálatas 2:9-10;  Atos 2:44-45; 11:29-30; 24:17; 1 Coríntios 16:1-3; 2 Coríntios 8 e 9;  Provérbios 19:17. Sempre haverá oportunidade para dar aos pobres (Marcos 14:7). Compare as antigas instruções para Israel (Deuteronômio 15,7-11). Mas os que são preguiçosos ou descuidados não se qualificam para a ajuda (2 Tessalonicenses 3:10-11).

2. Sustento das viúvas carentes:

Atos 6:1-6 e 1 Timóteo 5:4-16 dão orientações nesse sentido. Nem todas as viúvas na igreja devem ser consideradas – elas devem ser carentes, não ter parentes capazes de sustentá-las, e ter pelo menos 60 anos de idade. Seriam mulheres de oração, confiando em Deus, e bem conhecidas por terem um viver piedoso e exercendo uma atividade útil.

3. Apoio aos servos de Deus

Paulo dedicou sua vida para servir a Deus. Ele se beneficiou com dádivas a partir da igreja em Filipos (Filipenses 4:15-19) e escreveu com gratidão sobre isso. Este tipo de apoio inclui os evangelistas (1 Coríntios 9:4-14), os mestres (Gálatas 6:6) e os anciãos que dão o seu tempo integral para pastorear e ensinar, se não tiverem fonte particular de renda (1 Timóteo 5:17-18). Mas Paulo também frequentemente trabalhou com suas próprias mãos para ganhar seu próprio sustento, enquanto servia a Deus. Ele fazia tendas (Atos 18:3). Muitas vezes ele fez isso para evitar que alguém o acusasse de motivos errados (2 Coríntios 11:7-12). Para a igreja de Éfeso, ele mostrou que era um exemplo de tal doação cristã (Atos 20:33-35). Em Tessalônica também ele trabalhou para evitar ser um fardo para os crentes, que eram pobres e que sofriam perseguição (1 Tessalonicenses 2:9; 2 Tessalonicenses 3:7-9). [2]

4. Outras causas nobres

Não devemos pensar que não devemos contribuir para outras causas dignas na sociedade que nos rodeia. Devemos "fazer o bem a todos" e recomendar o evangelho. Mas a "família da fé" sempre tem o primeiro lugar nas boas obras do povo de Deus (Gálatas 6:10; 1 Tessalonicenses 5:15). Além disso, em muitos casos, é preciso ter cuidado para não reagir exageradamente aos apelos emocionais por dinheiro.

Há vários resultados ao dar e recompensas por fazê-lo: 

  • É bem agradável ao Senhor (1 Coríntios 9:7; Hebreus 13:16; Filipenses 4:18).
  • Traz alívio aos santos necessitados (2 Coríntios 9:12).
  • Estimula os outros a fazerem esforços similares (2 Coríntios 8:1-2; 9:2).
  • Promove ações de graças naqueles que recebem (2 Coríntios 9:11-14).
  • Promove a oração para os doadores de bom coração (2 Coríntios 9:14).
  • Aumenta a capacidade para dar mais (2 Coríntios 9:8-10; Provérbios 11:24; Lucas 19:24-26).
  • Produz "fruto" para adicionar na conta do doador no céu (Filipenses 4:17; 2 Coríntios 9:10).

Além disso, há muita alegria em fazer a vontade do Senhor e em ajudar aqueles em necessidade. Temos promessas preciosas, como em Provérbios 11:24-25; Lucas 6:38. Podemos antecipar a aprovação do Senhor por uma mordomia fiel num dia vindouro, "Muito bem, servo bom e fiel" (Mateus 6:19-21;  25:24-30;  Lucas 16:9-13;  19:11-26;  2 Coríntios 9:6). 

Nota de rodapé 1

Somente as ofertas dos povos do Senhor, espirituais e materiais, são aceitáveis ​​para Ele. Quanto às pessoas não salvas, Deus apela para elas no Evangelho para receber Seus dons gratuitos, não para contribuir (Romanos 6:23). A salvação é obtida "sem dinheiro e sem preço" (Isaías 55:1). Não é apropriado fazer coleta de dinheiro em reuniões de pregação do Evangelho. Nem sequer é necessário anunciar: "Não tiramos coletas!" e chamar a atenção para isto. Ao enviar os Seus pregadores o Senhor lhes disse: "De graça recebestes, de graça dai." (Mateus 10:8).

A provisão financeira muitas vezes apresenta problemas para as igrejas da cristandade. Tais problemas não surgiriam se o padrão bíblico fosse seguido. Tudo será fornecido para a obra do Senhor se os cristãos reconhecerem o seu privilégio e aceitarem as suas responsabilidades conforme descritas acima. 

Apelar ao mundo para angariar fundos a fim de sustentar a igreja desonra a Deus. Os métodos mundanos e as organizações financeiras elaboradas não são necessárias. Não deve ser dado ao mundo qualquer motivo para acusar a igreja de ser um negócio para fazer dinheiro. 

Nota de rodapé 2

Os servos do Senhor não devem anunciar as suas necessidades pessoais. Pode ser fornecida informação, mas sem deixar pedidos de fundos implícitos. Os servos de Cristo esperam sustento só dEle. Ele irá mover os corações de Seu povo para atender às suas necessidades. Paulo e os outros apóstolos nunca solicitaram fundos para si mesmos, embora fizessem conhecer o sofrimento dos crentes carentes. O recebimento de contribuições deve ser devidamente reconhecido, de preferência por escrito. Se os fundos forem enviados para o benefício de outros, deve-se dar conta completa aos doadores. Isso é prestar conta de mordomia.

PARA ESTUDO ADICIONAL

  • O que é o dízimo? Você pode obter a resposta exata, comparando Gênesis 14:20 com Hebreus 7:1-8. Por que os dízimos não são mencionados em nenhum outro lugar do Novo Testamento?
  • Encontre alguns dos lugares no Novo Testamento onde a doação é chamada de graça. Por que é chamada uma "graça"?
  • Faça uma lista daquilo em que o dinheiro arrecadado em sua igreja local é utilizado.
  • Encontrar em 2 Coríntios 8-9 os principais princípios que devem nos orientar em contribuição.
  • Que diferença existe entre dar como indivíduo e contribuir para os fundos da igreja?
  • O que você pensa que as palavras do Senhor Jesus significam como estão escritas em Atos 20:35?

PONTOS PARA LEMBRAR

  • Os cristãos devem estar dispostos e prontos a dar aos outros.
  • Devemos em primeiro lugar entregar-nos a Deus, depois dar aos outros que precisam de nossa ajuda.
  • A contribuição deve ser confidencial e não feita para impressionar outras pessoas.
  • Contribuir para o sustento da igreja local onde se reune é um dever e um privilégio para cada um de seus membros.
  • Todos devem planejar para contribuir, mas todos não devem necessariamente dar o mesmo.
  • Em cada primeiro dia da semana, o dinheiro deve ser recolhido dos crentes que se reúnem na igreja local. Não se deve obter a contribuição de incrédulos.
  • Os fundos recolhidos de uma igreja local devem ser cuidados por pelo menos duas pessoas.
  • Os fundos devem ser distribuídos para as pessoas carentes apropriadas, sob a direção dos anciãos. Toda a igreja local deve ser informada regularmente sobre suas receitas e despesas.
autor: Bert Cargill.