• Português

Conte-me mais sobre a igreja (12)

Uma versão editada dos
Princípios da Igreja no Novo Testamento de Arthur G. Clarke
Autorização concedida pela John Ritchie Christian Publications
Traduzido por R. David Jones

CAPÍTULO 12

O DESENVOLVIMENTO E O DESTINO DA IGREJA

O Senhor Jesus disse: “Eu edificarei a minha igreja” (Mateus 16:18). Ele é o fundamento sobre o qual este grande edifício cresce e se desenvolve. Em Atos 2:47 lemos sobre pessoas sendo “acrescentadas à igreja”. Seu crescimento e desenvolvimento continuaram a partir de então até agora.

Ao considerar o desenvolvimento da igreja, devemos primeiro distingui-la de outras três coisas.

1.  A igreja e a cristandade são diferentes

Vimos no capítulo 1 que a igreja é composta só de crentes nascidos de novo. A cristandade, no entanto, é composta por todos aqueles que professam o nome de Cristo, de alguma forma religiosa, e se chamam de cristãos. Muitos deles podem não ter se arrependido e confiado em Cristo para a salvação pessoal. No mundo, ser “cristão” tem um significado muito mais amplo do que o que a Bíblia ensina.

2. A igreja de Deus e o reino de Deus são diferentes

A igreja está incluída no reino, mas não coincide com ele. A igreja começou no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu, e será concluída quando nosso Senhor Jesus retornar no arrebatamento.

O reino de Deus vai além da igreja. Ele tem três fases ou períodos:

  • A fase da introdução começou com a pregação de João Batista (Mateus 3:2) e a apresentação do Rei (4:17). Ela terminou com a rejeição do Rei pelo judeu (Mateus 12:14). Esta rejeição foi declarada claramente a Pilatos (João 19:15).
  • A fase de escondido ou mistério então começou (Mateus 13:11). Nosso Senhor delineou Sua história nas parábolas que contou em Mateus 13. Continua ao longo da presente época da graça até o retorno do Rei em glória (Mateus 25:31). Esta fase corresponde de perto com a cristandade, cujo progresso é definido nessas parábolas em Mateus 13:24-33.
  • A fase da manifestação futura começará quando o Rei retornar para assumir Seu reino pessoal em terra. Este período é conhecido como o milênio (porque vai durar na Terra por mil anos, Apocalipse 20:1-10). O reino foi predito pelos profetas do Velho Testamento, mas a igreja era um mistério ou segredo que estava escondido nos conselhos de Deus até a hora por Ele marcada para ser revelado (Efésios 3:3-11; Colossenses 1:24-29).

3.  A igreja e Israel são diferentes.

Israel era a nação escolhida por Deus na Terra. Deus lhe prometeu bênçãos terrenas em sua própria terra, e essas promessas serão cumpridas no futuro. Israel rejeitou o seu Messias e Rei prometido quando Ele veio ao mundo, e Deus colocou essa nação provisoriamente de lado. Agora Deus está chamando a Sua Igreja de todas as nações do mundo. Todas aquelas promessas de bênçãos terrenas dadas à nação de Israel não podem ser aplicadas à Igreja hoje. As bênçãos da Igreja são celestiais e espirituais (Efésios 1:3).

DESENVOLVIMENTO E PROGRESSO

O desenvolvimento da verdadeira Igreja ocorre de duas maneiras, externo e interno. Tudo é trabalho do Espírito Santo:

  • O desenvolvimento externo é principalmente pelo trabalho de evangelismo. Todos os crentes devem buscar alcançar outros com o Evangelho. Isto é o crescimento por expansão até se completar, descrito sob a figura de uma edificação com adicionamento de pedras (veja o primeiro capítulo desta série, e verifique 1 Pedro 2:4-5).
  • O desenvolvimento interno é principalmente através do trabalho de pastores e mestres na igreja. Cada crente deve também contribuir para isso usando os dons que lhe foram dados pelo Senhor. Este é o crescimento por consolidação até a maturidade, descrito sob a figura de um corpo (veja novamente os capítulos 1 e 8 desta série, e Efésios 4:15-16).

1. O progresso por evangelismo

Nosso Senhor Jesus Cristo é o Salvador de toda a humanidade (Lucas 2:29-32; 3:6; João 4:42; Romanos 1:5; 1 Timóteo 2:6-7). Ele encarregou os Seus discípulos a levar a mensagem do Evangelho a todo o mundo (Mateus 28:18-20; Marcos 16:15; Lucas 24:47). O plano divino é que todos os crentes sejam testemunhas (Atos 1:8).

Uma testemunha é alguém que declara o que viu ou ouviu pessoalmente, o que é da sua própria experiência e, portanto, sabe. Os primeiros discípulos foram especialmente escolhidos para serem testemunhas da morte e ressurreição de Cristo (Atos 1:22; 2:32; 3:15; 4:33; 5:32; 10:39-41; 13:30-31). Paulo também poderia testemunhar desses fatos (Atos 22:14-15; 26:16-18; 1 Coríntios 9:1). Hoje em dia os crentes são testemunhas em um sentido mais geral. Somos luzes neste mundo escuro, retendo a Palavra da Vida (Filipenses 2:15-16). As igrejas locais são também testemunhas como um todo. Os sete candelabros a que se refere Apocalipse 1:12, 20 mostram esse aspecto de testemunho.

Paulo escreveu para a igreja em Filipos e anotou três coisas que são essenciais para o seu testemunho (Filipenses 1:27-28):

  • Consistência – o que os nossos lábios dizem deve ser confirmado pelo modo como vivemos.
  • Cooperação – devemos estar unidos em nossos esforços.
  • Coragem – para enfrentar o perigo, pois temos opositores.

A igreja em Tessalônica tinha um testemunho assim. Foi um testemunho para o mundo e um exemplo para outros santos (1 Tessalonicenses 1:6-10).

O evangelismo não deve ser considerado como a responsabilidade apenas dos evangelistas talentosos. Em Atos, “evangelizar” era o trabalho de homens e mulheres crentes que estavam dispersos, devido à perseguição em Jerusalém (Atos 8:4). A palavra traduzida como “anunciando” aqui é “euaggelizo”. Em Atos 11:20 a mesma palavra ocorre, descrevendo um relato informal fora do Evangelho, como no versículo anterior. [1]

O propósito de Deus na presente época não é a conversão do mundo, como muitas pessoas imaginam. Ao invés disso, é como se encontra afirmado em Atos 15:14... ”Deus visita os gentios para tomar dentre eles um povo para o seu Nome”. Ele está chamando a Igreja de Cristo dentre as nações. Romanos 10:14-15 faz um grande desafio nesta matéria.

Nas Escrituras não lemos sobre qualquer organização elaborada de esforços de evangelização. Isso não é necessário (Atos 5:42). Simplicidade é a tônica da ordem divina para todas as atividades da igreja. Através do testemunho dos primeiros discípulos, houve progresso por adição e multiplicação (Atos 2:41-47; 5:14; 6:1,7; 9:31; 11:24).

2.  Os Evangelistas

Um “evangelista” não é apenas um pregador da Palavra, mas alguém que é especialmente dotado por Cristo para ganhar almas por meio do Evangelho. Ele se concentra no trabalho do Evangelho, no plantio de novas igrejas ou em trazer convertidos às já existentes (1 Coríntios 3:5-9). Ele não estabelece novos “grupos de convertidos” ou “círculos de igrejas”.

O verdadeiro evangelista deve ter zelo pelo Senhor, paixão pelas almas e clara compreensão do Evangelho. Embora identificado com uma igreja local e recomendado por ela (Atos 13:3), ele sai pelo mundo com a “palavra da reconciliação” (2 Coríntios 5:18-20). Como Felipe em Atos 8, ele está disposto a pregar a multidões ou a um único indivíduo, visitar uma cidade movimentada ou encontrar alguém numa estrada deserta. Felipe é a única pessoa na Bíblia chamado especificamente de evangelista (Atos 21:8), mas é evidente que Paulo era um (Romanos; 15:18-21) e Timóteo também (2 Timóteo 4:5).

O objetivo do evangelista é levar homens e mulheres a um relacionamento correto com Deus mediante a convicção do pecado e a conversão a Cristo. Seu objetivo principal é o de glorificar a Deus. Seu verdadeiro poder vem do Espírito Santo, que usa a Palavra de Deus para trazer a salvação (1 Pedro 1:23-25). Os apóstolos pregaram “a palavra”, “Jesus e a ressurreição”, “o reino de Deus”, “Cristo e este crucificado”, “o Evangelho” (boas-notícias). Apresentavam com clareza e simplicidade os fatos da morte e ressurreição de Cristo, com as razões para isso, como apresentadas em 1 Coríntios 15:3-4. Precisamos assegurar que a nossa pregação seja assim.

Dentro dos limites das Escrituras, as formas de apresentar o Evangelho devem ser adaptadas às condições variadas da sociedade. Em muitos lugares, as pessoas não salvas já não frequentam mais as “reuniões de pregação do Evangelho” semanais. Mas a Palavra de Deus não exige essa prática. Na verdade os mensageiros do Senhor nos primeiros dias seguiam Seu mandado de “ir” ao invés de esperar que as pessoas “venham” até eles. No livro de Atos, vamos encontrá-los visitando casas particulares, bem como edifícios públicos, sinagogas judaicas, até mercados gregos. Pregavam à beira da estrada e do rio, nas escolas e nos alojamentos, nas prisões e nos palácios, onde quer que pudessem obter uma audiência para as boas-notícias.

Nosso Senhor usou a ilustração da pesca para descrever o trabalho evangelístico. Alguns de Seus discípulos tinham sido especialistas neste tipo de trabalho antes (Marcos 1:16-20; Lucas 5:1-11). Usando um anzol ou uma rede, um pescador de sucesso tem que conhecer os hábitos dos peixes, os efeitos do tempo e das estações, e a isca apropriada para usar. Acima de tudo, ele deve ir para o lugar onde os peixes estão!

Alguns métodos modernos de evangelismo introduzem coisas que apelam ao desejo de novidade e emoção das pessoas. Os servos de Deus não devem copiar métodos mundanos que podem prejudicar gravemente a dignidade e a solenidade da mensagem do Evangelho. A emoção pode produzir “decisões”, mas estas nem sempre são verdadeiras conversões.

Também parece errado os pregadores passarem a maior parte do seu tempo entre as igrejas bem estabelecidas pregando o Evangelho quando há partes do país sem o testemunho de Deus, e muitos não ouviram o Evangelho. Isto poderia ser porque os irmãos locais não estão evangelizando a sua própria área e preferem que outros o façam em seu lugar. As igrejas devem incentivar o dom local e especialmente proporcionar oportunidade para os homens mais jovens se envolverem. O Senhor proverá amplos dons a uma igreja local para suas próprias necessidades - devemos desejar e suplicar por estes (1 Coríntios 12:31). Timóteo foi advertido a não negligenciar o dom que havia nele (1 Timóteo 4:14). Para um ministério local eficaz é necessário esperar em Deus e estudar a Sua Palavra. No entanto, é importante para as igrejas se lembrarem do apoio financeiro aos que fazem o trabalho em partes carentes de uma cidade ou em áreas remotas do país, bem como os missionários que trabalham no exterior.

3. Os missionários

A palavra “missionário” não ocorre em nossa Bíblia traduzida para o português, mas a ideia está lá. A palavra vem de “apóstolo”, que significa “aquele que é enviado”. Um missionário é aquele que tem uma missão de Deus e possui um dom que Deus pode usar em outra cultura ou país. Ele pode ser um evangelista, ou um professor da Palavra de Deus.

Não devemos fazer uma distinção artificial entre os servos do Senhor em diferentes locais, em nosso país ou no exterior. “O campo é o mundo” (Mateus 13:38) e cada trabalhador serve seu Mestre com o seu próprio dom e na sua própria esfera. O povo de Deus deve tentar cultivar uma visão mundial do testemunho cristão e não se tornar insular ou restrito - ver João 4:35; Mateus 9:37-38.

4. O Progresso por Edificação

O crescimento da igreja pela edificação (construção) de si mesma em amor é o tema de Efésios 4:1-16. Em Colossenses 2:19 o aspecto universal da igreja está em vista, e em 1 Coríntios 1214 é o aspecto local.

Para realizar esta edificação Deus providenciou um ministério que já descrevemos nos capítulos 7 e 8. Trata-se de anciãos e mestres, em particular e de uma forma pública. Mas se lermos outra vez em Efésios 4:11-13, iremos notar que os dons devem ser usados ​​para o aperfeiçoamento de todos os santos para fazer o serviço de Deus. Isto significa que todos os crentes como membros do Corpo de Cristo devem ser equipados dessa maneira, e também incentivados a cumprir a sua própria função para o crescimento do Corpo, até alcançar a plena maturidade.

O DESTINO DA IGREJA

A igreja tem um futuro maravilhoso e um destino eterno. Comparativamente poucos detalhes desse destino eterno foram revelados nas Escrituras, talvez porque a nossa capacidade de entender todos é tão limitada. O que a Palavra de Deus faz conhecido, no entanto, vai incentivar o povo de Deus durante as muitas provações da vida, e nos ajuda a ser fiéis em nosso serviço para o nosso ausente Senhor.

A verdadeira esperança da igreja é estar sempre com o Senhor como Ele próprio desejou (João 17:24). Isso acontecerá no Seu retorno pessoal nos ares (1 Tessalonicenses 4:17), como Ele prometeu (João 14:3). A igreja será sua companheira em Sua glória milenar e eterna (Romanos 8:17-18, 21; Apocalipse 19:7; 21:9; 22:5). O grande custo para o Senhor da nossa redenção (Atos 20:28) nos assegura a grande bem-aventurança do nosso futuro.

No plano divino, a igreja existe para a glória de Cristo (Efésios 1:9-10, 22-23). Como um todo ela tinha estado nos eternos conselhos da Divindade (Efésios 1:4; 3:1-13). Sua unidade completa não é visível na presente época, porque a igreja ainda não está completa. Essa associação visível com Cristo acontecerá no dia da Sua glória manifesta. Agora, no entanto, a unidade deve ser conhecida entre os crentes, tanto quanto a fidelidade à Palavra de Deus permitir (Efésios 4:3; João 17:21-23).

A igreja que foi concebida na eternidade foi criada na Terra na época atual. Através dela a sabedoria de Deus está sendo exibida aos anjos (Efésios 3:10; 1 Coríntios 11:10), e o testemunho de Deus é trazido aos homens como uma luz nas trevas do mundo (Apocalipse 1-3). Em última análise, a igreja irá mostrar a todos a grandeza da graça de Deus (Efésios 1:6; 2:7) e a grandeza da glória de Deus (Efésios 1:12,14; 3:21; 2 Tessalonicenses 1:10).

EVENTOS FUTUROS

A esperança imediata da igreja é a vinda do Senhor novamente. Poderá acontecer a qualquer momento - até mesmo hoje! Isso vai marcar a conclusão da igreja e terminar o seu período de testemunho na Terra. Leia Apocalipse 22:7,12,20.

  1. Quando lemos sobre a vinda do Senhor, devemos notar que a palavra traduzida “vinda” é parousia, o que significa mais precisamente “presença”. No Novo Testamento ela descreve um período de tempo em vez de um único evento (veja em Filipenses 2:12, onde é contrastada com um período de ausência). O período de “presença” de Cristo começa com a Sua descida nos ares (1 Tessalonicenses 4:15-17) e leva à manifestação da Sua glória brilhante quando destrói Seus inimigos e estabelece o Seu reino na Terra (2 Tessalonicenses 2:8).

  2. Para a igreja os seguintes acontecimentos virão, nesta ordem:
  • A ressurreição dos “mortos em Cristo” - eles “ressuscitarão primeiro” de seus túmulos (1 Tessalonicenses 4:16).
  • A transformação dos santos vivos que estão na Terra - “nós seremos transformados” (1 Coríntios 15:52; Filipenses 3:20-21).
  • O arrebatamento de toda a igreja a partir da Terra para encontrar o Senhor nos ares e entrar no Céu (1 Tessalonicenses 4:17). Talvez os santos do Velho Testamento também irão compartilhar essa experiência abençoada, embora não façam parte da Igreja, pois eles também pertencem a Cristo (1 Coríntios 15:23; Hebreus 11:40).
  • O exame de cada crente no “tribunal” de Cristo (1 Coríntios 4:4-5; 3:13-15; 2 Coríntios 5:10; Romanos 14:10). Nossas vidas e serviço para Cristo serão revistos e recompensados. Ele vai decidir sobre o lugar de cada um em Seu reino futuro, e não o futuro destino no céu ou no inferno.
  • A apresentação da Igreja de Cristo glorificada (Efésios 5:25-27; Judas vs.24-25). Compare o que aconteceu com Eva (Gênesis 2:22-23). Os ajustes finais feitos no tribunal são uma preparação essencial para isso.
  • A celebração das bodas do Cordeiro (Apocalipse 19:6-9; Efésios 5:32). Um “segredo” agora plenamente revelado é a relação que Cristo estabeleceu entre Ele e Sua igreja. O Céu é a verdadeira esfera da Igreja. Como o Corpo de Cristo, de todas as famílias no Céu e na Terra que derivam sua existência de Deus, ela é a que está mais próxima d’Ele. Como Noiva de Cristo, é a mais querida d’Ele (Efésios 5:25). Ela foi preparada de duas maneiras para a sua casa eterna: primeiro, a graça divina a equipou para isso (Colossenses 1:12) e depois sua ambição foi sua conformidade pessoal com Cristo (Apocalipse 19:8). A justiça divina é um dom para a Igreja (Romanos 3:21-22). A retidão pessoal (literalmente “justiças”) foi adquirida pelas suas obras (Apocalipse 19:8). A Noiva de Cristo prepara parte do seu vestido de noiva ela própria!
  • A manifestação com Cristo, na Sua vinda em glória (Colossenses 3:4; Romanos 8:19-23; 2 Tessalonicenses 1:10). Esta é a exposição pública para o mundo daquela relação entre Cristo e a Sua Igreja. Tendo compartilhado a Sua reprovação e rejeição na Terra, ela será então vista compartilhando a Sua glória e o Seu reinado como Filho do homem no reino milenar (2 Timóteo 2:12).
  • A glória milenar se seguirá. A Igreja estará associada com Cristo em Seu reino mundial (Apocalipse 20:4-6). Compare Atos 17:31; 1 Coríntios 6:2; Apocalipse 2:26-27; 5:10. A Igreja recebe e reflete a glória divina, com a sua beleza imarcescível e brilho inimaginável ​​durante o reino milenar (Apocalipse 21:11, 23-24).
  • Então será Glória Eterna. A igreja ainda aparece em eterna juventude e esplendor nupcial, inalterada após mil anos - Apocalipse 21:2 a mostra em seu estado eterno e a partir do v. 9 no estado milenar. Para aprender mais sobre o estado eterno, Apocalipse 21:1-8 deve ser estudado juntamente com 1 Coríntios 15:24-28, Efésios 3:21 e 2 Pedro 3:13.

A glória do Céu para todos os crentes, como indivíduos e como a Igreja, pode ser resumida em quatro frases.

  1. Nós O veremos (1 João 3:2).
  2. Vamos estar com Ele (1 Tessalonicenses 4:17; João 14:3; 17:24).
  3. Seremos semelhantes a Ele (1 João 3:2).
  4. Vamos servi-Lo (Apocalipse 22:3).

Nota de rodapé 1

As principais palavras traduzidas “pregar” são: “euaggelizo”, que significa anunciar as boas-novas, enfatizando a natureza da mensagem; “kerusso”, proclamar como um arauto, enfatizando a autoridade da mensagem; e “kataggello” proclamar, que enfatiza como a verdade é apresentada aos ouvintes.

 PARA ESTUDO ADICIONAL

  1. Distinga entre a igreja e o cristianismo, o Reino, e Israel.
  2. Quais são as duas maneiras em que a Igreja desenvolve e cresce?
  3. Na igreja local, o crescimento numérico e o crescimento espiritual são ambos desejáveis. Como surgiu cada um?
  4. Em Apocalipse 22, há três versículos diferentes em que o Senhor diz: “Venho sem demora!” Encontre-os e note como cada um deve nos afetar agora.
  5. Escreva os diferentes eventos que se seguirão à vinda do Senhor para a Sua Igreja.
  6. Descreva o estado eterno da Igreja, o mais detalhadamente possível.

 PONTOS PARA LEMBRAR

  1. A Igreja está sendo edificada sobre o fundamento do Senhor Jesus Cristo
  2. A Igreja cresce continuamente ao longo desta época de graça até que esteja completa.
  3. Quando as pessoas são salvas elas se tornam parte da Igreja que é o Corpo de Cristo. Elas são como pedras adicionadas a um edifício.
  4. O desenvolvimento e crescimento da igreja local são importantes, numericamente e espiritualmente. São necessários o evangelismo ativo e a sã doutrina para obter sucesso.
  5. Quando o Senhor Jesus voltar, a igreja estará completa e será arrebatada para o céu.
  6. A futura esperança da igreja nos anima a sermos fiéis agora.
autor: Bert Cargill.