• Português

Conte-me mais sobre a igreja (3)

 

Uma versão editada dos
Princípios da Igreja no Novo Testamento
de Arthur G. Clarke
Autorização concedida pela John Ritchie Christian Publications
Traduzido por R. David Jones


CAPÍTULO 3

O BATISMO

O Novo Testamento nos fala sobre duas ordenanças que devem ser observadas na igreja. Há apenas duas - o Batismo e a Ceia do Senhor. Vamos considerá-las a seguir:

O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO SOBRE O BATISMO

  • O batismo foi ordenado pelo Senhor Jesus. Na Grande Comissão registrada em Mateus 28:19-20, nosso Senhor enviou os Seus servos para ir a todas as nações do mundo para "fazer discípulos, batizando-os e ensinando-lhes...". Todas essas três ações caminham juntas e são igualmente importantes. Compare o que está escrito em Marcos 16:15-16, onde crer e ser batizado estão ligados entre si.
  • Os apóstolos praticaram o batismoAo lermos o livro de Atos, descobrimos que estes mandamentos de nosso Senhor são sempre seguidos. Leia em Atos 2:41; 8:12, 36-38; 9:18; 10:34-43; 16:13-15,30-34; 18:8. Sempre aqueles que creram foram batizados. Em todo o Novo Testamento você nunca lê sobre crentes que não foram batizados.
  • Apenas os crentes eram batizados. Todos os crentes professos eram batizados logo após a conversão. Nenhum dos incrédulos foi batizado. Mas há sempre a possibilidade de uma falsa profissão de salvação por isso pode ser aconselhável obter evidência de verdadeira conversão antes de batizar alguém. Um batismo muito apressado pode se revelar como um obstáculo ao progresso espiritual de um convertido se não houver certeza disso.
  • O método de batismo é por imersãoOs exemplos de batismo registrado nas Escrituras mostram claramente como uma pessoa deve ser batizada - veja Atos 8:38; João 3:23 . Também é mostrado pelo sentido da palavra "batizar". Ela vem do verbo grego “baptizo”, ou “bapto”, que significa "mergulhar" ou "imergir" (Lucas 16:24; João 13:26). Estas palavras nunca significam aspergir ou derramar.
    O batismo simboliza a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo (Colossenses 2:12). Por isso, deve envolver a imersão na água e a ressurgência a partir dela. Aspergir alguns grãos de terra sobre um cadáver ou mesmo despejar uma quantidade de terra sobre ele não pode ser descrito como um enterro! Da mesma forma aspersão ou derramamento de água sobre uma pessoa não pode ser corretamente chamada de batismo. A Palavra de Deus não reconhece diferentes métodos de batismo.
    As palavras a serem ditas no batismo são claramente dadas em Mateus 28:19. São "em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Estas instruções devem ser observadas até o "fim dos tempos" (v. 20).
  • O significado do batismo é simbólicoAo ser batizado, um crente é verdadeiramente e publicamente identificado com Cristo.
    A posição do crente diante de Deus é "em Cristo", uma nova criação (2 Coríntios 5:17). Deus vê o crente como tendo compartilhado a morte, o sepultamento e a ressurreição de Cristo. O "velho homem" (a natureza de Adão que todos nós possuímos) foi julgado, condenado e crucificado com Cristo (Gálatas 2.20; 5.24). Foi enterrado fora da vista de Deus, e o crente é agora visto como um "novo homem", "ressuscitado com Cristo" (Efésios 2:5-6; Colossenses 3:1). Isto é apropriadamente simbolizado no batismo na água.
    Ao ser batizado, o crente confessa publicamente que aceita como Deus o vê, e declara a sua decisão de viver de acordo com isso. Assim, um crente deve estar andando diariamente em "novidade de vida". Nós nos consideramos mortos para o pecado e vivos para Deus, rendendo os membros do nosso corpo como instrumentos de justiça (Romanos 6:3-13).

IDEIAS EQUIVOCADAS SOBRE O BATISMO

  • A aspersão infantil – Vimos que a aspersão não é verdadeiro batismo. Sua origem é uma prática antiga pagã. A aspersão de crianças (às vezes chamado de batismo) está relacionada com o que é chamado de "regeneração batismal". Esta ensina que através desta cerimônia uma criança (ou adulto) torna-se "um filho de Deus, membro de Cristo e herdeiro do reino dos céus". Isso é perigoso, porque, infelizmente, muitos põem a sua confiança em uma cerimônia em vez de confiar no Senhor Jesus Cristo para obter a salvação.
  • O batismo da família – Tem sido ensinado que batizar os membros da família quando ainda muito jovens os eleva a uma posição especial de privilégio e bênção. Aqueles que fazem isso o comparam com o rito da circuncisão judaica sob a Antiga Aliança. Mas esta não é uma comparação exata. Era o nascimento natural que determinava a nacionalidade de um judeu. Este então foi acompanhado por esse sinal distintivo de relacionamento. Da mesma forma, é o novo nascimento que traz um crente para família de Deus, e, em seguida, o batismo é o sinal público do mesmo. A circuncisão não faz um judeu (pois é praticado em outros países), e batismo não faz um cristão (Atos 8:13; 1 Coríntios 10:1-6; Romanos 2:28-29). Exemplos de famílias batizadas são mencionadas ou estão implícitas em Atos 10:44-48; 16:14-15, 29-34; 18:8. Mas não se pode assumir que as crianças foram incluídas nisso. As pessoas nestas famílias tinham idade suficiente para "ouvir a palavra", "crer" e "alegrar-se" na salvação, para que pudessem ter idade suficiente para ser batizados como crentes.
  • O batismo é desnecessário? – Algumas pessoas dizem que o batismo é agora desnecessário, e que o batismo com o Espírito Santo é o único batismo necessário. Eles certamente esquecem que o nosso Senhor o ordenou especificamente para todos os Seus seguidores. Atos 10:45-47 registra a conversão de Cornélio e um grupo de seus parentes e amigos. Depois de uma clara evidência de que eles haviam recebido o Espírito Santo, Pedro ordenou que todos eles fossem batizados em água. Era necessário.
  • O rebatismo é desnecessário? – Se uma pessoa foi aspergida ou imersa antes da conversão, é necessário ainda outro batismo depois dela? Atos 19:4-5 mostra que é. As perguntas de Paulo àqueles discípulos de João Batista mostraram que eles não tinham um conhecimento completo e experiência da salvação, embora João os tivesse batizado. O ensino de João não poderia ter incluído todos os fatos e os resultados de morte, sepultura, ressurreição e ascensão de Cristo, seguido do envio do Espírito Santo. Ao ouvir e crer no Evangelho completo dos lábios de Paulo, eles foram batizados no (ou ao) nome do Senhor Jesus. Batismo sempre segue conversão.

ALGUNS TEXTOS MAL ENTENDIDOS 

  •  João 3.5 Quando o Senhor se refere a "nascer da água e do Espírito" Ele pode ter se referido a Ezequiel 36:24-27 e 37:1-14. Ali Ezequiel mostra que a aplicação de "água" e da operação do Espírito Santo eram ambas necessárias para o renascimento de Israel como uma nação sob os termos da Nova Aliança. Nicodemos, "o mestre em Israel" (João 3.10), teria entendido assim. O Senhor lhe explica que a entrada no reino de Deus é feita sobre a mesma base. Água significa a aplicação da Palavra de Deus em Seu Evangelho a uma alma para a salvação (1 Pedro 1:23, 25; Tito 3:5; Efésios 5:26). O batismo não é uma parte do novo nascimento. A água nunca pode lavar os pecados (Hebreus 9:22). Somente o sangue de Cristo pode fazer isso (1 João 1:7). Compare com 1 Coríntios 6:11.
  • Atos 2.38 A partir das palavras deste versículo: “Arrependam-se e sejam batizados... para remissão dos pecados", alguns ensinam que o batismo é essencial para a salvação. Eles não levam em conta as muitas passagens bíblicas que ensinam que a salvação é pela fé em Cristo somente, usam Atos 22:16 e Marcos 16:16 equivocadamente para apoiar este erro. Na primeira parte de Marcos 16:16 o batismo está ligado a crer como sendo a confissão pública de fé habitual. Mas, na segunda parte, para escapar do julgamento pelo pecado, o batismo não é mencionado: é necessário apenas "crer".
    Em Atos 2:38, o comando é especificamente para os judeus daquela época. Isso pode ser visto pelo que Pedro disse - observe as palavras, "varões israelitas" e "que toda a casa de Israel saiba" (vs. 22, 36). Ele usou palavras semelhantes em 3:12; 4:10; 5:30-31; 7:2,51. Esses judeus foram acusados diretamente pela crucificação de Cristo - observe a repetição frequente de "vós" em 2:23; 3:13-15; 4:10; 5:30 e 7:52. Os gentios não são diretamente responsabilizados pela crucificação de Cristo, pois a palavra "eles" (os judeus) é usada quando chegamos a Atos 10:39. Esta abordagem para os gentios é seguida em todo o resto de Atos e continua até os dias atuais.
    Vemos também em Atos 2.38 que a ênfase está no arrependimento daquele pecado terrível de rejeitar e crucificar o Messias. Aqueles que se arrependeram e foram batizados, dissociaram-se publicamente daquele grande pecado nacional e mostraram a sua lealdade a Jesus como Messias. De forma semelhante Saulo de Tarso foi chamado a renunciar publicamente sua hostilidade a Cristo e Seus seguidores (Atos 22:16).
  • 1 Coríntios 1:13-17 Paulo não batizou os convertidos em Corinto - outros o fizeram. Isto não foi por não ser importante, mas sim para evitar o surgimento de orgulho e de um espírito partidário. É um bom exemplo para ser seguido pelos pregadores quando possível. Os crentes não eram convertidos de Paulo, mas de Cristo. Compare com João 4:2.
  •  1 Coríntios 15.29 O que significa ser "batizado pelos mortos"? Este versículo está num capítulo sobre a ressurreição e dá uma das provas da ressurreição. Ele não se refere a algumas pessoas serem batizadas em nome de outros cristãos que não tinham sido batizados quando morreram. É algo que se refere a convertidos recém-batizados. Eles eram como jovens soldados corajosos prontos para assumir os lugares de guerreiros que tinham caído em batalha, particularmente aqueles que tinham morrido como mártires. Eles foram batizados "no lugar de" ou "em sucessão a" (huper) esses outros. Se não houvesse ressurreição tal coragem seria inútil. Nada poderia ser alcançado por ela, seja nesta vida ou na próxima.
    Outra maneira de entender essa frase é que, se não há ressurreição, então o batismo é uma cerimônia sem sentido. Satisfaria apenas os interesses de (huper) um monte de pessoas mortas, agora mortas espiritualmente e que em breve estarão mortas fisicamente, sem esperança de ressurreição.
  • 1 Pedro 3:20-21Como é que "o batismo nos salva?" A arca de Noé no Antigo Testamento e o batismo no Novo Testamento são ilustrações paralelas da maneira de Deus salvar pela fé. Noé e sua família se entregaram à arca e foram levados de forma segura através do julgamento. Eles foram separados da velha criação e encontraram uma nova aliança com Deus em um mundo "novo". Quando um crente confia no Salvador, a sua experiência espiritual é semelhante. Ele é salvo das antigas associações. "As coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo" (2 Coríntios 5:17).

OUTROS BATISMOS

O batismo cristão deve ser cuidadosamente distinguido de outros batismos mencionados no Novo Testamento. Alguns destes envolvem água, mas outros são simbólicos.

  • O batismo de Cristo (Mateus 3:13-17) – Este O marcou como o verdadeiro Messias (João 1:31-34). Ao submeter-Se ao batismo Ele Se identificou com o povo de Deus, especialmente aqueles que tinham dado ouvidos à Palavra de Deus: "Ele cumpriu toda a justiça". Embora o batismo do Senhor Jesus nos dê outra boa razão porque os crentes devem ser batizados, devemos lembrar que o Seu batismo foi por um motivo diferente.
  • O batismo de João Batista (Mateus 3:1-12)Foi uma confissão de arrependimento para "remissão dos pecados" para preparar as pessoas para a vinda do Messias. Através do sangue de Cristo derramado na cruz a "remissão dos pecados" estaria disponível para aqueles que n’Ele confiam. A missão de João era exclusivamente dele (Malaquias 3:1; João 1:33).
  • O batismo dos discípulos (João 3:22,26 com 4:1-2) – Esse batismo significava a confissão que Jesus era o Messias prometido, e um compromisso de segui-Lo. Mas nem todos os que foram batizados continuaram a segui-Lo (João 6:66; 7:31).
  • O batismo do sofrimento (Marcos 10:38-39; Lucas 12:50) – Nosso Senhor se refere aqui à Sua imersão na experiência profunda da cruz, no juízo divino que Ele suportou em nome de Seu povo crente. As mortes posteriores de Tiago e João foram diferentes, mas estes apóstolos sofreram em comunhão com o seu Senhor.
  • O batismo do Espírito Santo (João 1:33; Marcos 1:8; 1 Coríntios 12:13) – A promessa do Senhor registrada em Atos 1:8 foi cumprida no dia de Pentecostes (Atos 2:1-4). Os crentes foram naquela ocasião ajuntados (batizados) a uma entidade espiritual, uma "corporação" chamada de “corpo de Cristo”, como vimos no Capítulo 1 desta série.
    Quando cada crente individualmente confia no Salvador, ele é selado para Deus pelo Espírito Santo (Efésios 1:13). O Espírito vem habitar nele (Romanos 8:9, 11), sendo isso o penhor (a garantia) da herança que virá no futuro (Efésios 1:14; 2 Coríntios 1:22; 5:5). Ao mesmo tempo esse crente é batizado no único "corpo" pelo Espírito (1 Coríntios 12.13). Após a experiência inicial de conversão não existe tal coisa como um "segundo" batismo posterior ou do Espírito. No entanto, cada crente pode muitas vezes necessitar de se tornar "cheio do Espírito Santo" (Atos 2:4 com 4:3; 13:5; Efésios 5:18).
  • O Batismo de Fogo (Mateus 3:11; Lucas 3:16) – Isto se refere ao julgamento futuro como demonstrado claramente nos textos seguintes (compare com Mateus 13:42,50; 2 Tessalonicenses 1:8). Não se refere a Pentecostes nem à experiência individual do cristão.

PARA ESTUDO ADICIONAL

  • Leia Atos 8:26-40 e descreva brevemente como o etíope foi salvo. Agora descreva como ele foi batizado. O que ele confessou antes de ser batizado?
  • Em 1 Coríntios 10:1-2, lemos sobre o batismo dos israelitas. O que significa "batizados em Moisés"?
  • É possível que alguém que foi batizado na maneira correta não seja nada cristão? Leia Atos 8:13-24.

PONTOS PARA LEMBRAR

  • O batismo é importante para todo crente em Cristo. Batismo leva apenas alguns segundos, mas influencia toda a vida para Deus.
  • É obediência à ordem clara do Senhor.
  • É uma confissão pública do senhorio de Cristo. É como um soldado vestindo seu uniforme depois de se alistar - o uniforme não faz dele um soldado, mas o torna evidente para todos.
  • É a identificação do crente com Cristo, um símbolo da sua morte, sepultamento e ressurreição com Cristo. Assim anuncia o desejo de viver para o Senhor e servi-Lo na terra.
  • É uma proclamação do Evangelho – o batismo demonstra a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo, que é a base do Evangelho (1 Coríntios 15:1-3).
autor: Bert Cargill.