Boletim dos Obreiros

O resultado da fé

HEBREUS 11

Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem”: esta declaração não é uma definição de fé, mas uma afirmação do seu poder e alcance. Há uma ênfase especial sobre a palavra “é”; isto marca a realidade da fé, e a confirmação desta é introduzida pelo "porque" do versículo 2: “Porque por ela os antigos alcançaram bom testemunho”.

A palavra gregahupostasis, aqui traduzida fundamento”, também é traduzida como "pessoa" (1:3) e “confiança” (3:14), e pode-se entender também como “substância”. Isso é o que a fé faz com as coisas que se esperam: a expectativa torna-se realidade. A palavra "substância" é o exato equivalente em português dehupostasis. A palavra grega elegchos, traduzida “prova”, é só encontrada aqui no Novo Testamento, e denota o resultado de uma prova; não é simplesmente uma convicção do fato que coisas invisíveis existem, mas são realmente o resultado da experiência na vida do crente. Este é o trabalho do Espírito Santo, invisível, mas habitando nele. A fé aceita o que Deus declara e vê a prova.

Os “antigos” (os heróis dos tempos do velho testamento), receberam aprovação divina por causa da sua fé e o Espírito Santo nos dá testemunho deles em sua Palavra:

  • “Venceram reinos”, como Josué, os juízes (que eram também líderes militares), Davi etc.
  • Praticaram (ou melhor, forjaram) a justiça”, esforçando-se a praticar a justiça eles próprios e a vigorosamente levar outros também a fazê-lo, incluindo limitar-se a fazer apenas o que é certo e justo numa vida de santidade.
  • Alcançaram promessas”, o que pode significar tanto fazer convênios com Deus, como no caso de Abraão, Moisés, Davi e Salomão, como usufruir o cumprimento deles, demonstrando assim a confiabilidade da Palavra de Deus.
  • “Fecharam a boca dos leões”, lembrando-nos as experiências de Daniel (Daniel 6:22), Sansão (Juízes 14:5-6) e Davi (1 Samuel 17:34-35).
  • Apagaram a força do fogo”, como no caso dos três amigos de Daniel que foram lançados na fornalha de Nabucodonosor, mas escaparam ilesos.
  • Escaparam ao fio da espada", Davi escapou de ataques mal-intencionados de Saul (1 Samuel 19:9-10), Elias escapou do ódio homicida de Jezabel (1 Reis 19:1-3), e Eliseu fugiu do rei da Síria (2 Reis 6:15-19).
  • Da fraqueza tiraram forças, tornaram-se poderosos na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros”. Muitos símbolos de fraqueza são encontrados nos anais da fé. Eúde, por exemplo, era canhoto; no entanto, ele matou o rei de Moabe (Juízes 3:12-22). Jael, um membro do "sexo frágil", matou Sísera com uma estaca da tenda (Juízes 4:21). Gideão usou jarros de barro frágil para derrotar os midianitas (Juízes 7:20). Sansão usou a queixada de um jumento para matar mil filisteus (Juízes 15:15). Todos eles ilustram a verdade que Deus escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar os fortes (1Coríntios 1:27). Eles se tornaram valentes na batalha. A fé dotava os homens com força além do que era natural e permitiu-lhes superar perante o que parecia insuperável. Puseram em fuga os exércitos estrangeiros. Embora muitas vezes subequipados e em grande desvantagem, os exércitos de Israel levaram a vitória, para a confusão do inimigo e o espanto de todos os outros.
  • As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos”, como a viúva de Sarepta (1 Reis 17:22-24) e a sunamita (2 Reis 4:34).
  • Alguns foram torturados, “não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição”: receberiam livramento se renunciassem ao Senhor, mas preferiam morrer e ser ressuscitados para a glória celeste do que viver aqui como traidores de Deus. O verbo gregotumpanizoaqui traduzido como “torturado” significa espancar até a morte (tumpanonum tambor, batido com uma baqueta), ou esticar em cima de uma roda de tortura. O sentido é geral, ou seja, causar qualquer tipo de tortura. A "ressurreição melhor" significa melhor do que a ressurreição daqueles mencionados antes, que foram vivificados apenas para morrer de novo. Pode, no entanto, indicar que a sua ressurreição iria resultar em uma maior felicidade e recompensa do que se tivessem evitado o sofrimento.
  • “Outros experimentaram escárnios e açoites, e ainda cadeias e prisões”: Por causa da sua fidelidade a Deus, Jeremias suportou todas estas formas de punição (Jeremias 20:1-6; 37:15). José também foi preso, porque preferiu ser castigado a pecar (Gênesis 39:20).
  • Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao meio; morreram ao fio da espada”: o Senhor Jesus declarou aos escribas e fariseus: “...para que sobre vós (eles e seus antecessores)caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até o sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que mataste entre o santuário e o altar” (Mateus 23:29-35). A tentação era de abandonar a sua fé e negar o seu Deus. Segundo a tradição dos judeus, Isaías foi serrado ao meio a mando do rei Manassés. O profeta Urias foi tirado do Egito e trazido ao rei Jeoiaquim, que o matou a espada, e lançou o seu cadáver nas sepulturas da plebe (Jeremias 26:22).
  • Andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados”: alguns que escaparam da morte eram necessitados, aflitos e maltratados; por falta de roupas eram obrigados a se cobrir com peles de ovelhas e de cabras, vagando assim sobre os desertos e montanhas, em covas e cavernas da terra.
  • O mundo não era digno deles”: Esta declaração expressa a apreciação divina. O mundo julga que os que são verdadeiras testemunhas de Deus não são dignos dele, mas Deus inverte a comparação. O mundo despreza os que se separam dele e dos seus costumes. O mundo será um dia forçado a reconhecer que Deus está certo. Para o restante do versículo 38 veja, por exemplo, 1 Reis 18:4.

Deus fez com que a perfeição desses heróis não se completasse sem nós. Eles nunca gozaram de uma perfeita consciência quanto ao pecado; e não gozarão da perfeição total dos seus corpos até o retorno do Senhor ao Seu povo (Isaías 26:19, Daniel 12:2, Apocalipse 20:4). Então eles gozarão a perfeição da glória da ressurreição de que nós já estaremos desfrutando como membros da igreja de Cristo arrebatada para encontrar o Senhor no ar (1 Tessalonicenses 4:13-18).

Os santos do Velho Testamento não receberam ainda o cumprimento da promessa, não apenas da futura bênção terrena, mas daquilo que ainda receberão em seu novo corpo de ressurreição e de glória. Só podemos admirar suas provas tremendas e seus triunfos emocionantes, suas façanhas extraordinárias e a sua resistência! Eles viveram antes da Cruz e nós vivemos a glória da Cruz. Como se comparam as nossas vidas com as deles? Este é o desafio convincente de Hebreus 11.

A fé nos exercita a mente com discernimento, por exemplo, permitindo-nos compreender a verdade do relato da criação encontrado na Bíblia. Deus, o nosso Criador, é a única testemunha de que dispomos de como o universo veio a existir e pela fé confiamos em Sua Palavra: sabemos como tudo aconteceu por causa da nossa fé no que ela nos conta. A concepção da existência de Deus como Espírito antes da matéria, e de Ele ter dado origem a esta pelo Seu simples comando, está além do domínio da razão humana e de qualquer demonstração científica. Simplesmente aceitamos por um ato de fé que a matéria não tem origem em matéria, mas foi originada pelo Espírito divino (João 4:24).

Entendemos pela fé. O mundo diz, "Ver para crer." Deus diz, "Crer é ver". Jesus disse para Marta, "Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?" (João 11:40). O apóstolo João escreveu, "Estas coisas vos escrevo, a vós que credes...  para que saibais..." (1 João 5:13). Em questões espirituais a fé precede a compreensão. Os mundos foram originados pela Palavra de Deus. Deus falou e surgiu a matéria. Isto concorda perfeitamente com a descoberta do homem que matéria é essencialmente energia. As coisas que vemos (matéria), não foram originalmente feitas de coisas visíveis. O fato da criação, conforme relatado brevemente no primeiro capítulo da Bíblia é impecável. Nunca foi e nunca será melhorado.