Boletim dos Obreiros

Zacarias, o profeta

Zacarias é um nome encontrado várias vezes na Bíblia. Seu significado é um tanto obscuro, sendo compreendido como “Iah se lembra” ou “Iah é renomado”. Entre muitos que tinham esse nome mencionado na Bíblia, estão um rei de Israel, alguns nobres de várias tribos, oito levitas, e pelo menos dois profetas:

  • O que foi morto pelo povo com o consentimento do rei Joaz, citado pelo Senhor Jesus como o último de uma linha de profetas martirizados a partir de Abel (2 Crônicas 24:20-22 e Lucas 11:51). Era assim que o povo entendia porque 2 Crônicas é o último livro do Velho Testamento hebraico, e
  • O que profetizou no segundo e no quarto ano do reinado de Dario (520 e 518 a.C.). Este último é o autor da profecia que tem o seu nome, o penúltimo livro em nosso Velho Testamento. É a respeito deste profeta que vamos relatar a seguir.

Zacarias nos conta que era filho de Berequias e neto de Ido. Ido é aquele que voltou do exílio sob a liderança de Zorobabel e Josué no ano 536 a.C. com outros sacerdotes e levitas (Esdras 5:1, 6:14, Neemias 12:3,16): Zacarias era sacerdote bem como profeta e contemporâneo do profeta Ageu (Esdras 5:1, 6:14), portanto ainda jovem quando recebeu as profecias do SENHOR (Zacarias 2:4). Não se sabe ao certo como morreu, embora o “targum” declare que ele morreu como mártir.

As profecias lhe vieram quando havia motins e comoções em partes diferentes do império Persa, tendo já sido cumprida toda a profecia de Jeremias quanto ao cativeiro dos judeus na Babilônia pelo período exato de 70 anos (Jeremias 29:10).

Os que retornaram para a terra da Promessa estavam desanimados e deprimidos porque o SENHOR não havia ainda dado condições para que Jerusalém fosse restabelecida e o templo reconstruído, embora já tivessem feito o alicerce (Esdras 3:8-10; Zacarias 1:16). O altar dos holocaustos já fora reconstruído sobre a sua base e os holocaustos diários eram oferecidos regularmente (Esdras 3:2,3).

O povo estava apático e precisava ser despertado. O profeta Ageu foi o primeiro a exortar o povo, e 24 dias após iniciar o seu ministério o povo começou a trabalhar (Ageu 1:1, 1:15). Dois meses depois a palavra do SENHOR veio também a Zacarias, dedicando-se ele então a incentivar o povo para que terminasse o templo.

O livro das profecias de Zacarias se distingue por ser um dos que são mais difíceis de interpretar por expositores judeus, sendo considerado o mais messiânico de todos. A visão do livro e a profundeza do seu ensino são notáveis, sendo por isso considerado como o mais escatológico e apocalíptico de todo o Velho Testamento. Em vista da dificuldade, vamos procurar aqui fornecer algumas elucidações, já com a vantagem de se ter cumprida uma boa parte da profecia.

Zacarias recebeu a palavra do SENHOR dizendo que o povo devia se voltar para Ele, a fim de receber a Sua atenção, e que não repetisse o mesmo erro que os seus antepassados. Estes não haviam ouvido nem dado atenção aos antigos profetas quando foram exortados a se arrepender dos seus caminhos e das suas más obras e consequentemente haviam sido castigados, reconhecendo depois que o SENHOR havia feito o que os seus caminhos e práticas mereciam, conforme Ele prometera.

Depois ele trata de várias fases da vida espiritual da nação, e na última parte do livro (capítulos 9-14), o profeta revela acontecimentos futuros, ligados com a primeira vinda do Messias, a Sua rejeição, a Sua vitória final e o Seu glorioso reino. O sacerdócio seria purificado, e o reino gloriosamente estabelecido, depois da rejeição e subsequente vitória do Messias.

Zacarias teve oito visões, todas vistas na mesma noite e explicadas por um anjo:

  1. Os cavalos e os cavaleiros (1:7-17): Estando o mundo em paz, Deus planeja grande bênção para Jerusalém.
  2. Os chifres e os ferreiros (1:18-21): Os quatro grandes povos que subjugaram Israel (Babilônia, Pérsia, Grécia, Roma) seriam quebrados por Deus.
  3. Jerusalém medida (capítulo 2): Ela será engrandecida, protegida e glorificada por Deus.
  4. Josué, o sumo sacerdote (capítulo 3): Este é o Jesuá de Esdras 5:2. Representa o Israel pecaminoso, mas purificado e aceito por Deus, pela obra redentora do "Renovo" (o Messias).
  5. O Candelabro (capítulo 4): Representa o templo, que Zorobabel (Esdras 5:2) acabaria de construir, no poder do Espírito Santo ("azeite"). As duas "oliveiras" eram Josué e Zorobabel (veja também Apocalipse 11:3-12; 1:5; 3:14).
  6. O rolo volante (capítulo 5:1-4): A maldição da lei de Deus sobre o povo (Deuteronômio 27:15-26). 7.
  7. O efa volante (capítulo 5:5-11): o pecado - a idolatria e a impureza – levado para a Babilônia (veja Apocalipse 17:3-5).
  8. Os quatro carros (capítulo 6:1-8): Os juízos divinos sobre o mundo inimigo de Israel (veja Apocalipse 6:1-8).

Josué, o sumo sacerdote, é coroado simbolicamente (capítulo 6:9-15), profetizando a união do sacerdócio e da monarquia no “Renovo” (Isaías 11:1; Mateus 2:23; Jeremias 23:5). Sem dúvida alguma uma profecia já cumprida de Jesus, que descendeu de Zorobabel, da casa real de Davi (Mateus 1:12), feito por Deus o Sumo Sacerdote do povo remido, que é o verdadeiro Templo (Apocalipse 5:9-10).

A desobediência dos judeus nos tempos passados tem como figura o “jejum”, uma religião sem moralidade, nos capítulos 7 e 8. Deus ainda quer abençoá-los, prevendo-se a futura grandeza de Jerusalém.

Nos capítulos 9 a 14, encontramos profecias sobre Israel em sua luta contra os gregos e os romanos (as “nações”) e a vinda e a vitória do Messias, como seguem:

  1. A restauração de Israel: capítulos 9 e 10.
  2. A rejeição do Pastor, e o Anticristo: capítulo 11.
  3. A salvação de Jerusalém e o seu arrependimento: capítulo 12.
  4. O povo purificado, a vitória final na vinda do Senhor, e a glória milenar de Jerusalém:capítulo 13 e 14.

Achamos também nesta profecia oito referências ao Messias, nas seguintes passagens:

  1. A Sua morte para expiação do pecado: capítulo 3:8-9; 13:1. Veja também 1 Pedro 2:24; 3:18.
  2. A Sua tarefa de Construtor da casa do Senhor: capítulo 6:12. Veja também Mateus 16:18 e Efésios 2:21.
  3. O Seu domínio universal como Rei e Sacerdote: capítulo 6:13 e 9:10. Veja também Hebreus 5:9-10 e Filipenses 2:9-11.
  4. A Sua entrada em Jerusalém: capítulo 9:9. Veja também Mateus 21:5.
  5. As 30 peças de prata: capítulo 11:12. Veja também Mateus 27:9-10.
  6. As mãos traspassadas: capítulo 12:10. Veja também João 19:37.
  7. O Pastor ferido: capítulo 13:7. Veja também Mateus 26:31
  8. A Sua vida triunfante: capítulo 14:4-5. Veja também Apocalipse 19:11-16

Não é de surpreender a “dificuldade” que esta profecia apresenta aos comentaristas judeus, pois não faz sentido para quem não crê que o Senhor Jesus é o Messias. Mas Ele cumpriu perfeitamente as profecias que dizem respeito ao Messias de Israel. Note-se aqui a “sombra” da igreja de Cristo, mistério que somente seria revelado depois da rejeição do Messias pelo povo de Israel. A Sua igreja figura aqui como o novo templo, do qual Ele é o Sumo Sacerdote.

Esta é uma das mais encorajadoras e confortantes profecias para os que confiam no Senhor Jesus, mas que enfrentam o desânimo e a depressão por causa da direção acentuadamente incrédula e humanista do mundo em que vivemos agora. Esta profecia escrita vinte e cinco séculos atrás está se cumprindo fielmente e anuncia o maravilhoso destino dos que são fiéis a Deus.