Boletim dos Obreiros

O arrependimento

Joel 2:11-17


O versículo 11 deixa claro que o exército inimigo poderoso descrito nos primeiros versículos deste capítulo era um instrumento de julgamento proferido pelo SENHOR ao Seu povo. Era a Sua voz, o Seu exército, e o Seu arraial e este é o Seu dia grande e terrível de vingança - e ninguém podia suportá-lo.

Esta é a terceira vez que Joel mencionou o Dia do SENHOR: "E quem o poderá suportar?" Confere bem com o que o Senhor Jesus disse: "E se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias." (Mateus 24:22).

Agora vem a pergunta: O que pode um pecador fazer em uma situação como esta? O SENHOR mesmo dá a resposta através do Seu profeta: "Convertei-vos a mim de todo o vosso coração”. Deus estava dizendo ao Seu povo, cujos corações estavam afastados d’Ele: "Arrependei-vos e voltai para mim". A palavra “converter” significa arrepender-se, sinceramente reconhecer o erro dos seus caminhos e desejar novamente servir e obedecer ao SENHOR seu Deus.

A sinceridade do seu arrependimento, "de todo o vosso coração", que só Deus pode ver, se manifestaria por uma atitude de abnegação - "jejum", e profundo pesar - "choro” e “pranto”. Não era para ser um gesto externo a fim de chamar a atenção dos outros: "e rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes" (era comum naqueles dias rasgar a própria roupa como prova da dor, mas era proibido aos sacerdotes pela Lei Mosaica).

Alguns dos atributos maravilhosos de Deus são mencionados aqui:

  • Magnânimo: ou misericordioso, Ele dá generosamente, mesmo para aqueles que não merecem.
  • Compassivo: tem pena dos que estão em falta com Ele.
  • Tardio em irar-se: retém o castigo dando tempo para arrependimento.
  • De grande benignidade: generoso, oferece as melhores coisas.
  • Ele se arrepende do mal: leia o que segue:

A palavra original traduzida por “arrepende” é “nâcham”, que significa “suspira de pena”, implicando uma mudança de pensamento. Mas outro dos atributos de Deus, não mencionado aqui, é que Ele é imutável, significando que nunca muda. Não há nenhuma razão para mudar: afinal, Ele é eterno, Ele sabe o futuro desde o passado infinito e está a realizar a Sua sublime vontade. Como então explicar o Seu arrependimento do mal? Atribuir a Deus o arrependimento é um dos termos antropomórficos encontrados na Palavra de Deus.

A Bíblia usa termos antropomórficos (traços físicos e emocionais humanos) com relação a Deus, para que possamos melhor compreendê-Lo dentro da nossa capacidade limitada pela experiência que temos no mundo. No entanto, temos que lembrar que Ele é Espírito e não tem um corpo físico limitado como o nosso.

A Bíblia diz, por exemplo, que "... Seus olhos passam por toda a terra..." (2 Crônicas 16:9), para podermos entender que Deus está ciente de tudo. Também diz: "Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das Suas mãos" (Salmo 19:1), não deixando em dúvida que Ele Se envolveu em toda a criação e nada surgiu por acaso. No tema da vinda do Filho de Deus para salvar o homem do pecado, lemos “... e a quem se manifestou o braço do Senhor?" (Isaías 53:1), e com esta curta frase Ele nos espanta ao compreendermos assim o grande esforço que Lhe custou, maior ainda do que foi o de criar todo o nosso universo.

Certas emoções humanas também são atribuídas a Deus, como: “Então se acendeu contra Moisés a ira do Senhor” (Êxodo 4:14), e "... acendeu-se a ira do Senhor contra o povo..." (Números 11:33) como se Ele estivesse sujeito a mudanças bruscas de humor. Na realidade, Deus está sempre irado com os desobedientes: não é a raiva ou petulância a que estamos acostumados a ver em nós, mas é uma ira permanente contra toda a maldade, pecado e rebeldia contra os Seus justos, santos e eternos propósitos.

As Escrituras também nos dizem que Deus é amor, que Deus ama a Sua criação e que Ele perdoa o pecador arrependido que se volta para Ele pedindo misericórdia. Quando a Bíblia diz que Deus Se arrepende, isso não significa que Ele cometeu algum engano. Ele dá opções às pessoas: o pecador (isso somos todos) que conscientemente continua a pecar afrontando a Deus, será um dia julgado e receberá o castigo que lhe é devido em consequência da Sua ira; mas se o pecador se arrepender e se converter, como explicamos acima, Deus também vai "arrepender-se", ou seja, em Seu amor vai cessar a Sua ira, e lhe poupar a sentença (tendo cumprido a justiça com o sacrifício vicário de Cristo na cruz por ele). Quando a Sua Palavra é rejeitada, as pessoas estão perdidas. Mas quando se voltam para Ele, Ele sempre vai salvá-las, independentemente de quem são.

Deus nunca muda: Ele é sempre magnânimo, sempre compassivo, sempre tardio em irar-se, tão benigno a ponto de sempre Se dispor a perdoar o pecador arrependido que pede misericórdia. Quando um pecador se arrepende e se volta para Ele, Deus diz, com efeito: "Você estava para ser julgado por mim, e eu ia condená-lo, mas agora que você voltou-se para mim, não vou julgá-lo. A punição já foi tomada por outro em seu lugar".

O versículo 14 começa com a pergunta "Quem sabe?", lembrando-nos que ninguém pode torcer o braço de Deus e dizer: "Eu fiz a minha parte agora o Senhor faça a Sua!" Não estamos em condições de reivindicar alguma coisa de Deus, como certas pessoas parecem equivocadamente pensar hoje; temos de confiar n’Ele, crendo que cumprirá a Sua boa vontade, e devemos receber, agradecidos, as bênçãos que Ele concede graciosamente para nós.

Se o povo de Israel se arrependesse e voltasse para Deus, talvez Deus não apenas os salvaria da destruição pelo exército que se aproximava, mas também os deixaria ficar novamente no campo e na vinha, de modo que tivessem uma oferta de bebida e uma oferta de carne para trazer para Ele.

No início deste capítulo houve um comando para tocar a trombeta e soar o alarme por causa do exército que se aproximava. Outro comando agora foi dado para tocar a trombeta, desta vez para declarar um jejum santo e convocar uma assembleia geral. Deviam jejuar em arrependimento e vir diante de Deus em assembleia solene, a fim de serem santificados ou dedicados ao SENHOR seu Deus como Seu povo.

As palavras para pregar/evangelizar/anunciar têm o mesmo sentido que tocar a trombeta. A trombeta do Novo Testamento é a mensagem do Evangelho ao mundo, um aviso de perigo, arrependimento, salvação e santificação. A congregação é hoje a igreja de Cristo, composta por todos os que creem n’Ele, desde o tempo dos apóstolos.

Em Israel, naquele tempo, todos deviam vir, do mais velho ao mais novo, as famílias inteiras inclusive as criancinhas de colo. O noivo e a noiva, preparando-se para as bodas do seu casamento e absorvidos pelos preparativos em antecipação à alegria do seu matrimônio, eram também obrigados a deixar tudo para se unirem ao resto do povo, dedicando-se ao SENHOR em primeiro lugar.

Os sacerdotes, que ministravam perante o SENHOR, e cuja função era agir como mediadores entre Deus e o povo, deviam agora cumprir essa obrigação com vigor renovado. Deviam chorar por eles próprios e também pelas pessoas que serviam, e orar: “Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que as nações façam escárnio dele. Por que diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?”. Pouco depois desta profecia ser escrita Israel foi espalhado através do mundo, até hoje.

Apesar de agora ter um território e um governo e uma bandeira, os judeus ainda estão sujeitos às nações do mundo. Continuam a ser censurados por praticamente todos os povos, com poucos amigos, uma clara indicação de que esta profecia ainda não foi cumprida.

O SENHOR Deus de Israel foi que deu Seu único Filho para ser o Salvador, não só dos judeus, mas de todo o mundo. Ele nasceu de uma mulher judia, um descendente do rei Davi. Pela fé n'Ele, milhões de gentios agora conhecem o Deus de Israel como o verdadeiro Deus e O servem.

Mas os judeus como uma nação continuam rejeitando Jesus de Nazaré como o Messias, e assim se recusam a aceitar a paz com Deus que Ele trouxe para o mundo. Sem um templo e sacerdócio estão privados dos meios para servi-Lo, ainda mesmo da maneira ordenada através de Moisés. Estão longe de seu Deus.

Somente através de reconhecer seu erro num reavivamento da sua fé, vindo em seguida o arrependimento sincero e submissão a Jesus Cristo, tendo-O aceito como seu Messias, Salvador e Senhor, é que poderão se reconciliar com Deus. Isso está previsto para acontecer após o arrebatamento da igreja de Cristo, quando o número total dos gentios nela tiver sido alcançado (Romanos 11:26), tanto assim que serão judeus os missionários que levarão o Evangelho até aos confins da terra (Apocalipse 7).

Ao salvar, milagrosamente, os judeus dos seus inimigos, Deus mais uma vez mostrará ao mundo que Ele é realmente verdadeiro, que os judeus são o Seu povo, e que Ele é poderoso para salvá-los.