Boletim dos Obreiros

Desde o princípio

 

Do nada, em meio à escuridão, criou Deus os céus e a terra (Gênesis 1:1), O nosso Deus criou um único planeta onde a vida seria possível com uma atmosfera adequada para o ser humano, animais e plantas. Um mundo tão maravilhoso com tudo que precisávamos para sobreviver, inclusive um homem para manter, desenvolver e governar os seres viventes. Porém, Ele quis testar aquele homem com uma ordem somente: “De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comerdes, certamente morrerás” (Gênesis 2:16-17). Como sabemos, o livre arbítrio foi dado ao ser humano e o inimigo sabendo disto se aproveitou. Conversou com a mulher questionando: ‘Foi assim realmente que Deus disse?’ O resultado desta conversa foi a queda da humanidade com a entrada do pecado no mundo. O inimigo, muito astuto, utilizou as palavras de Deus de maneira que distorceu a verdade transformando-a em uma mentira enganosa. Esta é a fórmula ou princípio que ele sempre usa para enganar o homem, até hoje!

Quando as Escrituras dizem uma realidade que não é aceitável por alguém, ouvimos a alegação que ‘não é bem assim, que isso era só para o povo antigo e não se aplica hoje’ etc. As Escrituras são verdadeiras, amados irmãos, porventura seria assim que deveríamos tratar a Palavra de Deus? Teríamos o direito de modificá-la, escolhendo o que é para hoje como queremos? Temos de pensar sinceramente se somos cristãos ou somente religiosos. A fé sem a prática é morta.

Indo um pouco mais além nas Escrituras, ao estudarmos sobre liderança, encontramos Moisés que foi escolhido por Deus, não por outro homem, para guiar o Seu povo para a terra da promessa. Mas ele enfrentou muitas batalhas com pessoas que achavam que tinham o mesmo direito de liderar o povo de Deus como ele. Olhando de perto, descobrimos como Deus resolveu cada situação de formas diferentes, usando serpentes abrasadoras, a terra se abrindo e tirando a vida daqueles rebeldes e andando no deserto por 40 anos sendo que todo o percurso duraria cerca de somente dois anos. Deixar de seguir o caminho do Senhor, ou duvidar da Sua Palavra e direção, sempre nos trará atrasos e resultados não muito agradáveis. Ouvindo a voz daqueles que não foram chamados por Deus, sempre acarretará muitos erros, dificuldades e tristezas.

Saul foi escolhido como rei, porque o povo quis ser igual aos outros povos de outros países. Israel então, sendo liderado por um homem, na primeira batalha foi mandado por Deus que acabasse com os amalequitas, porém desobedeceu e ainda tentou colocar a responsabilidade sobre os homens que tinham trazido os animais com a desculpa de sacrificá-los (1 Samuel 15:10-21). Parece com Adão e Eva, não é? Depois Saul quis buscar ajuda de uma mulher que era do maligno e ele mesmo sabia que não era da vontade do Senhor a sua aproximação com ela (1 Samuel 28:3-15). Quando seguimos os caminhos humanos, sempre começamos a cair, indo atrás daquilo que não tem valor perante o Senhor.

Tirando Saul do trono, nosso Deus pôs um homem que tinha um coração alinhado com o d’Ele. Foi escolhido Davi que realmente colocou o Senhor em primeiro lugar na sua vida, um homem segundo o coração de Deus (Atos 13:22 e 1 Samuel 13:14). Davi era realmente um homem que pôs Deus acima de tudo, no entanto, como todo homem, é fraco e pecador, ele como todos os outros que lemos falharam em uma ou mais atitudes e fraquezas. Como Adão ele pecou, porque todos pecaram e erraram o alvo.

Então, que esperança está deixada para nós? Somos meros humanos, pecadores, mas salvos pela graça e bondade do nosso Deus. Se formos de Cristo Jesus temos que viver por meio d’Ele. Seguindo o que Ele nos diz, no amor, na paz, e acima de tudo no Espírito do Senhor, porque temos que viver produzindo o fruto do Espírito (Gálatas 5:22-23), não desejando nos elevar, nem nos orgulhar, mas vivendo na humildade como lemos em Filipenses 2:5-11.   

Nosso Salvador nos ensina em João 21:15-17 uma lição maravilhosa sobre como devemos andar e pensar. Por três vezes Jesus perguntou a Pedro: “Tu me amas”? E a resposta foi: “Sim Senhor”. Após insistir o Senhor na mesma pergunta, Pedro respondeu: “Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que te amo”. Então Jesus lhe disse: “Apascenta minhas ovelhas”. Isto irmãos, é a nossa responsabilidade hoje. Como os novos convertidos vão aprender a andar no caminho do Senhor, se nós que somos mais maduros na fé não ensinarmos ou apascentarmos o rebanho? É muito fácil mandar, mas andar da maneira correta mostrando pelo exemplo, como as Escrituras ensinam sabemos que é realmente mais difícil. Uma das nossas grandes falhas é estar sempre olhando os erros dos outros e criticar sem amor no coração. Devemos ter sabedoria para agir de acordo com o Espírito do Senhor e com a sã doutrina. Pedro percebendo que aquele discípulo que Jesus amava estava por ali (vs. 20 e 21), com certeza era a apóstolo João, perguntou sobre a vida dele, mas Jesus respondeu: “que te importa? Quanto a ti segue-me” (v. 22). Nosso Deus tem planos para cada um de nós, é isto que devemos buscar.

Paulo nos ensina muitas maravilhas, de como devemos andar, e também como deve ser a liderança nas nossas igrejas. Em 1 Timóteo 3 e Tito 1, ele fala com clareza de como deve ser um líder ou presbítero das igrejas locais. Lembrando que cada igreja é autônoma, não temos um sistema de uma igreja clerical, mandando uns aos outros ou tendo um presidente na cabeça. Nossa cabeça é Cristo Jesus (Colossenses 1:9-18), temos que mostrar claramente esta realidade, Jesus como o Pastor das ovelhas (Salmo 23). Ele quer suprir cada uma das nossas necessidades e é desta mesma forma que lemos em João 10 sobre o Pastor que cuida dos seus rebanhos. Encontramos também em 1 Pedro 5:1-4, o retrato do nosso Sumo Pastor. Nota-se que, enquanto líderes, o dever de pastorear não deve ser com a visão de se obter dinheiro, mas na posição de mordomos de Cristo.

Hoje em dia as igrejas estão querendo um pastor humano para liderá-las e fazer a obra. Na verdade isto não se encontra nas Escrituras, é o ensino dos seminários, livros e pensamentos humanos. Temos de perguntar, por quê? E iremos descobrir que o povo que se diz cristão quer uma vida mansa e prefere pagar para receber seu alimento espiritual, eles estão deixando de ler a Palavra e estudá-la, não tem seu tempo devocional de comunhão em oração com o Pai e não quer trabalhar para o Senhor na igreja local, por “entender” que essa função é do pastor ou pastores, afinal para isto são pagos. É fácil pagar alguém para fazer o que eu devo fazer, mas cumpriremos assim a comissão do Senhor Jesus? Estaremos cumprindo com a Sua vontade?

Por favor, amados irmãos, vamos voltar para os princípios da Palavra da verdade, seguindo e mostrando nosso Salvador aos jovens e alegrando em vê-los desejosos em andar com Jesus. Sempre me lembro de quando sentava aos pés daqueles irmãos fiéis, aprendendo, vivendo e sendo corrigido com amor. Todos eram homens trabalhadores, não recebendo dinheiro da igreja, mas dedicando muitas horas para Glória de Deus.

Qual é a razão de ter um pastor assalariado? Será que é porque as denominações têm? Devemos segui-las? Elas têm erros em suas doutrinas e princípios, como aqueles em Atos 15, que vieram dizer que os cristãos deviam ser circuncidados como os judeus. Os apóstolos responderam que isto não estava certo. Onde encontramos um pastor pago nas Escrituras? Tudo foi feito voluntariamente por amor. O Senhor não prometeu um salário a cada apóstolo.

Os líderes das igrejas locais também não devem ser novatos, não somente de idade, mas principalmente na experiência cristã. Isso não se transfere por hereditariedade como os levitas; porque meu pai ou meu avô eram, eu sou também. Nosso Salvador, o Pastor sobre todos, tinha 30 anos quando começou Seu ministério. Moisés, Davi, Josué e todos que lideraram o povo de Deus também eram acima de trinta anos de idade. Falando de Moisés lembremo-nos de que ele não era pregador ou ministro da Palavra, ao contrário, chegou a dizer que não era eloquente ao falar (Êxodo 4:10-11), mas Deus lhe respondeu: “quem fez a boca do homem?” Nosso Deus tem capacidade para tudo, nós temos que confiar n’Ele. Moisés era um bom líder, mas quem falava com Faraó era Arão, seu irmão.

Ao terminar, desejo lembrar que Aquele que dirigiu o Seu povo durante todo tempo pelo deserto, é o mesmo que está pronto para nos dirigir até ao lar celestial (Hebreus 13:8), porque Ele é o Bom Pastor e Ele é o responsável pelo Seu rebanho, que é a Sua Igreja (Salmo 23; João 10 e 1 Pedro 5:1-4). Por que então precisamos comprar o serviço de outro pastor daqui? Que o Senhor nos abençoe como Seu rebanho obediente, nos alimentando, saciando nossa sede espiritual, confortando quando somos machucados, dirigindo-nos em Seu caminho dando-nos ao final o Seu descanso. Que assim seja!