Boletim dos Obreiros

O uso do véu (1)

1 Coríntios 11:2-16

Em sua primeira carta aos crentes de Corinto, no capítulo 11, encontramos Paulo argumentando sobre o motivo pelo qual a mulher cristã deve cobrir a sua cabeça durante o culto público da igreja local. É bastante provável que, ao expor o porquê de as irmãs cobrirem a cabeça, o apóstolo esteja respondendo a uma pergunta desta igreja em relação a este assunto, pois nesta epístola ele responde a outras perguntas (cf. 12:1). O que levou Paulo tratar sobre este assunto, muito provavelmente se deveu ao fato de algumas irmãs não estarem cobrindo a cabeça durante o culto da igreja em Corinto.

Existe um quase consenso de que, na época do Novo Testamento, todas as mulheres do vasto Império Romano usavam uma cobertura sobre a cabeça, principalmente fora de casa. Essa visão vem mais de filmes e figuras do que de uma pesquisa histórica séria. Naquela época havia três culturas que se destacavam mais, as duas primeiras romana e grega e, para nós cristãos, a cultura judaica que era minoritária. Nas culturas romana e grega não havia a exigência das mulheres cobrirem a cabeça em público.

É bom lembrar que nos dias de Paulo, Corinto era uma cidade romana. Aquela cidade teve dois momentos históricos. A primeira cidade foi destruída em 146 A.C. Um Século depois, ela foi reconstruída pelo Imperador Júlio Cesar como uma cidade romana, com costumes romanos, arquitetura romana, moeda romana, leis romanas etc. Foi nessa nova Corinto que Paulo pregou.

A pergunta que pretendo responder neste estudo é: Quais seriam as razões para uma mulher cristã cobrir a cabeça nas reuniões da igreja? Porventura há um motivo que justifique que, ainda hoje, em pleno século XXI isto seja observado? É necessário o uso de cobertura por parte das irmãs nos cultos públicos da igreja? 

Essas e outras perguntas têm sido feitas por muitas pessoas e merecem uma resposta clara e com base no que a Bíblia diz.

Para que possamos entender melhor este assunto é bom que tenhamos em mente que 1 Coríntios fala de símbolos importantes na igreja de Jesus Cristo, os quais são: a cabeça, o pão e o vinho. Todo cristão bíblico sabe que o pão simboliza o corpo de Cristo que foi morto em nosso lugar, bem como o vinho simboliza o Seu sangue derramado em nosso favor para lavar nosso pecado e que a cabeça simboliza uma hierarquia divinamente estabelecida.

Vou iniciar, esclarecendo um ponto que tem sido usado para dizer ser desnecessário o uso do véu ainda hoje. Trata-se da palavra tradições. No versículo 2 lemos: “De fato, eu vos louvo porque, em tudo, vos lembrais de mim e retende as tradições assim como vo-las entreguei”. Será que o apóstolo Paulo que é conhecido por pregar contra o legalismo e tradições humanas (cf. Romanos 14:1-10 e Colossenses 2:20-23) viria agora implantar uma tradição humana na igreja em Corinto? 

Na carta de Paulo aos Tessalonicenses ele os exortou: “irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa” (2 Tessalonicenses 2:15). Então Paulo não está falando de regras humanas, antes, a palavra “tradições”, deve ser entendida como “instruções” ou “ordenanças”. Ademais, sabemos que as epístolas do Novo Testamento são tidas como a tradição apostólica normativa para a Igreja de Cristo.

Quase tudo o que sabemos e praticamos na fé cristã nos foi transmitida pelos apóstolos do Senhor Jesus Cristo. Ou seja, nós vivemos, ou pelo menos deveríamos viver, seguindo a tradição apostólica! Isso porque a Bíblia nos diz que os da família de Deus (Igreja) são “edificados sobre o fundamento dos apóstolos...” Esse é o tipo de “tradição” que Paulo entregou aos crentes em Corinto e é essa tradição epistolar que a Igreja de Cristo deve obedecer até o dia que Ele vier arrebatá-la.

Com isso em mente tentemos entender os motivos expostos por Paulo para justificar o uso de cobertura na cabeça por parte da mulher cristã nos cultos da igreja local.

I. HÁ UMA HIERARQUIA DIVINAMENTE INSTITUÍDA

Esta hierarquia é posta na seguinte ordem: Deus Cristo homem mulher; onde cada um dos três primeiros é cabeça do seguinte. Nesta passagem cabeça não deve ser entendida como um sinal de superioridade e sim como a autoridade advinda da fonte de origem (cf. vv. 8, 9). Por exemplo, a Bíblia é clara em dizer que Deus e Jesus Cristo são iguais (na verdade são um cf. João 518; Filipenses 2:6), mas como o Homem, como o segundo Adão, Jesus proveio de Deus. Como homem Jesus derivou-Se de Deus. É nesse sentido que Deus é cabeça de Cristo. É também nesse sentido que o homem é cabeça da mulher. Em Gênesis 2 temos a narrativa da criação onde certa prioridade é atribuída ao homem (cf. Efésios 5:22 ss.; Colossenses 3:18, 19; 1 Timóteo 2:11ss.). Lemos que a mulher derivou-se do homem quando, da costela deste, Deus a formou.

O motivo apresentado por Paulo está claramente enraizado na Criação e naquilo que Deus estabeleceu desde o princípio ainda no Jardim do Éden, ou seja, que o homem foi colocado como o cabeça, o líder, da mulher. Deixa-me exemplificar isso com o seguinte exemplo: Qual dos dois habitantes do Éden desobedeceu a Deus primeiro e comeu o fruto proibido? Foi Eva, não é mesmo? Agora atentem para o seguinte: Quando Deus veio cobrar a rebeldia do casal, a quem Ele Se dirigiu? A Eva? Não! Ele Se dirigiu a Adão, pois ele era o responsável, o líder.

Uma acusação recorrente a quem defende o uso do véu e suas implicações é a de ser machista. Alguns desses dizem que Paulo não gostava das mulheres, que era machista etc. Portanto, preciso deixar claro que não tenho nada contra as mulheres. Sou neto de duas mulheres, filho de uma mulher, casei com uma mulher e sou pai de duas filhas. Portanto, acho o universo feminino uma maravilha! Então, não se trata de machismo e nem de feminismo, mas de atentar para a Palavra de Deus.

Essa hierarquia foi dada por Deus para estabelecer a distinção de papéis entre os sexos opostos. Tanto na igreja como no lar Deus estabeleceu papéis distintos para o homem e para a mulher. De novo, é preciso deixar bem claro que isso não tem nada a ver com superioridade e inferioridade, como se um fosse melhor do que o outro. Deus valoriza igualmente as pessoas de ambos os sexos. Tanto é que o Filho d’Ele morreu para salvar a ambos.

É com a argumentação da distinção de funções entre os sexos e da autoridade dada por Deus ao homem para liderar que Paulo inicia o assunto do uso de cobertura na cabeça das mulheres nas reuniões da igreja local. A seguir, ele continua a explicar qual deve ser a postura do homem e da mulher nas reuniões da igreja. A partir do versículo quatro (4-10) ele faz isso de forma mais direta. Vejamos, então, o segundo motivo dado pelo Espírito Santo, através do apóstolo Paulo, para que a mulher cubra a cabeça no culto.

II. HÁ UMA QUESTÃO DE GLÓRIA E HONRA (vv. 4-10)

Paulo deixa claro que a distinção das funções entre os sexos opostos, que foi determinada na criação, não foi abolida pela salvação em Cristo Jesus. Ele afirma que todo homem que ora ou profetiza com a cabeça coberta desonra (envergonha) a sua cabeça espiritual que é Cristo. No versículo 7 ele mostra que a razão pela qual o homem não deve cobrir a cabeça é por ser ele “a imagem e a glória de Deus”.

Como o ponto culminante da criação, o homem mostra a glória de Deus. Sendo assim, ao cobrir a sua cabeça, ele estaria desprezando o lugar que lhe foi dado por Deus na ordem da criação. Por este motivo não é apropriado que a glória de Deus (o homem) se apresente com a cabeça coberta perante Ele nas reuniões da igreja local.

Por outro lado, a Palavra de Deus afirma que a mulher que ora ou profetiza sem usar cobertura desonra a sua própria cabeça (o homem e, por extensão, a Cristo). É então empregada uma linguagem bastante forte afirmando que é tão vergonhoso a mulher orar com a cabeça descoberta quanto seria ter a cabeleira rapada. Dizem alguns historiadores que em Corinto, ter o cabelo tosquiado era identificar-se como uma das prostitutas cultuais daquela cidade. Se isso é verdade, o apóstolo queria que as irmãs entendessem que era tão vergonhoso orar com a cabeça descoberta quanto seria ser identificada como uma prostituta de um culto pagão. Outros historiadores afirmam que Corinto era extremamente licenciosa, tinha sido aquela cidade destruída em 146 A.C., e que a cidade com o mesmo nome, também era moralmente licenciosa, mas não tanto quanto a anterior.

Todavia, mesmo que a segunda opção seja verdadeira, não há como negar a importância que as mulheres dão ao seu cabelo, inclusive as mulheres cristãs. Quando, por motivo de saúde ou outro qualquer (numa quimioterapia, por exemplo), uma mulher perde seus cabelos, ela se sente muito mal e até mesmo envergonhada. A reação comum é colocar uma peruca ou, no mínimo, um lenço para ocultar a calvície. Então, independente da situação histórica, a afirmação do apóstolo sobre a vergonha da mulher em ter a cabeça rapada, em especial uma mulher cristã, perdura até hoje. E isso pelo fato que Deus deu a elas o cabelo como glória e colocou no coração delas a inclinação em ter um especial zelo e cuidado para com o cabelo. O que a palavra glória (doxa) significa? Significa "louvor e honra", o resultado de uma boa opinião ou decisão. A palavra também é usada para se referir à glória de Deus, e pode ser interpretada como "o que pertence a Deus” (Elohim).

O motivo pelo qual a mulher deve cobrir a cabeça é por ser ela a glória do homem (pois ela foi feita para o homem – cf. v. 9). A argumentação que se segue então é: Se a glória de Deus (o homem) não deve apresentar-se perante Ele, na igreja, com a cabeça coberta, a glória do homem (a mulher) não deve apresentar-se diante d’Ele, na igreja, com a cabeça descoberta (cf. v. 10).

O Uso do Véu

Já foi dito que na ordem da criação de Deus a mulher é subordinada ao homem. Pois bem, Deus está nos mostrando que assim como na criação há uma ordem, também na igreja esta ordem deve ser reconhecida e manifestada através da cobertura que a mulher usa na cabeça.

O uso de cobertura na cabeça indica submissão por parte da mulher à ordem estabelecida por Deus na criação. Portanto, o homem que foi criado primeiro e não está subordinado a nenhuma outra criatura, não deve trazer sinal de subordinação sobre a cabeça. Já a mulher, que foi feita do homem e por causa dele, deve trazer sobre sua cabeça um sinal de subordinação. Com isso ela está sinalizando que aceita de bom grado a ordem hierárquica estabelecida pelo Senhor Deus.

A Glória de Deus é o homem, a glória do homem é a mulher e a glória da mulher é seu cabelo. Entendemos com isso que assim como a glória do homem (a mulher) deve apresentar-se na igreja coberta, assim também, a glória da mulher (o seu cabelo) deve, por sua vez, apresentar-se coberta.

Na próxima edição veremos o terceiro, e talvez mais profundo, motivo exposto pela Bíblia para a mulher cobrir sua cabeça nas reuniões da igreja local.