Boletim dos Obreiros

Depressão

 

PARTE 1

Transcrito do livro “Depressão”, mediante autorização do editor William J. Watterson, da Editora Sã Doutrina (www.lojasadoutrina.com.br), e do autor – Samuel R. Davidson – que aborda este assunto de forma cuidadosa e equilibrada, apresentando passagens das Escrituras que nos ajudam a entender mais sobre esta questão. Conforme descrito pela editora, este tema se destaca cada vez mais por causa da frequência da sua ocorrência em nossos dias, inclusive entre os cristãos. Devido ao estresse da vida moderna, este número continuará a aumentar. Muitas pessoas, inclusive os jovens, estão atualmente em tratamento por causa desta enfermidade, há muitos pensamentos equivocados sobre esta doença, mesmo entre o povo de Deus.

O assunto da depressão se destaca cada vez mais por causa da frequência com que está surgindo na sociedade hoje em dia, inclusive entre nossos amados irmãos e irmãs das igrejas locais. Os médicos afirmam que em cada cinco pessoas uma sofre de depressão pelo menos uma vez na sua vida, e que, devido à pressão da vida moderna, este número vai continuar a aumentar. Muitos homens, mulheres e até jovens estão atualmente em tratamento por causa deste problema, que antigamente era raro. Contudo, há muitos pensamentos errados sobre este distúrbio, mesmo entre o povo de Deus. Por estas razões temos sentido a necessidade de escrever algumas coisas básicas que temos aprendido pela experiência própria, e de outras pessoas, algumas na Bíblia, e algumas que conhecemos com este problema. Assim, vamos pensar em algumas perguntas e respostas relacionadas a este assunto.

O que é a Depressão?

Antigamente esta palavra não existia no vocabulário normal do povo e o problema era considerado como uma “crise de melancolia”, ou “uma crise dos nervos”, e foi acreditado que algumas pessoas tinham esta tendência e, portanto, era natural que passassem por crises piores. Mas, hoje a ciência reconhece que a depressão é uma doença do cérebro que afeta os processos normais de raciocinar produzindo sentimentos de angústia, pânico, medo, inferioridade, solidão e profunda tristeza.

Neste artigo a palavra “depressão” significa mais do que somente algumas horas ou dias de tristeza por causa de algum acontecimento ou circunstância negativa passageira, como é causado por uma morte na família; estamos considerando a depressão que leva meses, ou até anos, para passar. Aqueles que conhecem o problema, a comparam como estar num longo e escuro túnel, sem qualquer raio de luz no final para prometer tempos melhores para frente. Outros a comparam com estar perdido sozinho num deserto árido, sem nada para encorajar, sem esperança alguma, somente com sinais de morte por todo lado, quando parece que até Deus os abandonou. Outros dizem que é como estar num poço de lama, e quanto mais se esforçam para sair, mais atolados ficam na lama.

Algumas pessoas deprimidas chegam ao extremo de desejar dar fim à sua vida triste e inútil. O salvo geralmente consegue vencer este pensamento extremo, porque ainda crê em Deus e sabe que esta 'saída' não é a Sua vontade, mas seria um grande pecado contra Deus e deixaria um terrível testemunho. Contudo, o salvo pode chegar a pedir a Deus a morte, e vários servos de Deus na Bíblia expressaram o seu desejo de que Deus lhes tirasse a vida.

A depressão do salvo se torna especialmente dolorosa porque sabe que quem tem depressão muitas vezes é criticado pela maioria dos salvos. A atitude destes é o sofrimento que deve ser por causa de pecado, ou que a pessoa é preguiçosa, ou lhe falta fé em Deus. Isto provoca um sentimento de vergonha e culpa que aumenta ainda mais o seu sofrimento e impossibilita a aberta comunicação sobre o problema.

Como a Depressão começa?

Pode ser causada por um grande desapontamento ou ‘choque’ emocional, religioso ou familiar. Pode ser o resultado de muito estresse no trabalho, problemas no casamento, problemas na igreja etc. Também pode aparecer depois duma doença física ou acidente, ou, no caso de mulheres, ter um filho que talvez não fosse planejado.

Frequentemente a morte, ou uma série de mortes, na família causa a depressão um pouco mais tarde. Pode ser o resultado de ter uma consciência perturbada pelo pecado, como no caso de Davi que adulterou e matou o fiel Urias (2 Samuel 12; Salmos 32 e 51), e no caso do rei Saul que desobedecia a Deus, tinha inveja de Davi e também praticava espiritismo (1 Samuel, capítulos 18 e 28). Também a depressão pode aparecer depois de fazer uma mudança desagradável. Uma ou mais destas coisas servem como o “gatilho” que dá início à depressão, que pode aparecer de repente de um dia para outro. Entretanto, o problema muitas vezes aparece sem nenhum destes “gatilhos” e pode ser simplesmente o resultado duma fraqueza genética herdada de pais que também sofreram desta maneira, como acontece com outras doenças como diabetes etc. Há muito ainda a ser descoberto nesta área, mas uma coisa é clara – é uma doença terrível da mente.

Sendo uma doença mental, afeta a parte principal que controla o resto do nosso corpo. Outras doenças são mais facilmente suportadas e tratadas porque o cérebro sadio ajuda a pessoa a raciocinar e agir numa maneira positiva que ajudará na cura o mais rápido possível. “O espírito firme sustém o homem na sua doença, mas o espírito abatido, quem o pode suportar?” (Provérbios 18:14). Por exemplo, é comum para as pessoas com depressão recusarem aceitar conselhos dos outros, consultar um médico ou tomar os remédios receitados. A sua mente os engana a pensar que não precisam destas coisas, ou até a suspeitar que isto vá fazer o seu problema pior, ou que o médico somente está atrás do seu dinheiro ou talvez até querendo acabar com a sua vida. Há desconfiança e suspeitas e outros pensamentos negativos.

Junto com isto há a incapacidade de lembrar, comunicar, concentrar, estudar, orar etc. As coisas que antes traziam prazer – a Bíblia, a comunhão da igreja, a companhia da família, os cânticos espirituais, a comida etc., se tornam indesejáveis e aparentemente sem valor. O cérebro fica trancado e introvertido, só pensando nos problemas, e esta ‘autocompaixão’ impede que a pessoa procure aliviar os problemas dos outros e assim se torna inútil. Dificuldades pequenas se tornam grandes obstáculos. Muitas pessoas com depressão nem conseguem se levantar da cama, tomar banho e enfrentar o dia.  O sono, silêncio e a escuridão do quarto parecem a melhor opção para eles. Alguns têm medo de ficar sozinhos em casa, outros querem estar sozinhos. Alguns perdem apetite, outros comem de mais. Esta situação ruim precisa ser enfrentada e vencida começando pela própria pessoa, com a ajuda de Deus e de outras pessoas.

Por dormir mais de dia, normalmente é difícil pegar no sono à noite e muitas vezes é preciso usar medicamentos controlados. Esta necessidade traz mais sentimentos de vergonha. Sabem que devem fazer algo útil de dia, mas geralmente não têm a disposição ou a coordenação para realizar o que querem fazer. E quando fazem alguma coisa, ficam insatisfeitos com os resultados do seu esforço. Pior ainda, se sentem culpados porque estão dando mais trabalho e preocupação para as suas famílias. Tudo isto os leva à conclusão de que não vale a pena continuar, e naturalmente surgem perguntas: "Por que Deus permite esta terrível existência por tanto tempo?"; "O que fiz para merecer isto?".

Satanás é envolvido nesta doença?

Satanás é o acusador (“Diabo”) dos salvos e ele aproveita de qualquer fraqueza física ou mental para acusar a pessoa e procurar destruir a sua confiança em Deus. O caso de Jó nos ensina muito neste respeito mostrando como que Satanás pode causar todo tipo de doença na vida do povo de Deus, para que a pessoa duvide do cuidado de Deus. Mas ele não pode ir além da permissão de Deus que marca os limites e “não vos deixará tentar acima do que podeis...” (1 Coríntios 10:13). A depressão é muito usada por ele para fazer com que a pessoa salva desconfie do amor e poder de Deus.

A Depressão é sempre resultado do pecado?

Muitas pessoas com depressão procuram descobrir um pecado na sua vida, imaginando que devem ter feito algo que desagradou a Deus e trouxe assim o Seu castigo. Muitas vezes, como fizeram os “amigos” de Jó, nossos “amigos” fazem sugestões porque estamos sofrendo assim. Mas geralmente a pessoa não está doente por causa de ter pecado.

Muitos parentes dos afligidos pensam que um salvo em boas condições espirituais nunca sofrerá com este problema. Mas isto é o mesmo erro em pensar que todo acidente ou doença física, como diabetes, sinusite, pressão alta, câncer, problema de coração, fratura etc., é o resultado de pecado na vida. É verdade que qualquer uma destas doenças pode ser o resultado do mau uso do corpo. Também em Tiago 5:14-16 indica que uma doença pode ser relacionada ao pecado do salvo. Entretanto, a depressão dos servos de Deus na Bíblia geralmente não era o resultado de pecado. Este ponto é muito importante e é necessário que os parentes e irmãos do deprimido saibam disto e que mostrem compaixão e não críticas e condenação.

A influência do cônjuge, ou outros parentes, é importante?

Geralmente, somente o marido ou a esposa é afligido pela depressão e isto é uma grande bênção de Deus, pois quem está bem pode pensar pelos dois. Mas nem sempre parece uma bênção para a pessoa doente, porque muitas vezes o cônjuge não consegue entender bem o problema e pode até tornar a sua aflição maior pelo que fala e faz. Os parentes devem ter muito cuidado acerca do que falam fora de casa sobre o doente, pois a “fofoca” criada causa mais dificuldades para a pessoa enferma. Os deprimidos passam quase todo seu tempo pensando nestas coisas negativas.

As Escrituras falam sobre a Depressão?

Embora a Bíblia nunca use diretamente a palavra "depressão", ela nos apresenta várias pessoas que claramente sofreram deste problema e eram, geralmente, pessoas piedosas e fiéis a Deus. Nestes casos, a depressão foi permitida por Deus no Seu soberano plano, como em outros casos de problemas físicos como “o cego de nascença” em João 9, e o “espinho na carne” de Paulo em 2 Coríntios 12. É grande consolação saber que todas estas aflições foram usadas por Deus para o bem da pessoa afligida e para o bem de outros. Assim também é o caso do salvo com depressão hoje.

O que é Depressão Espiritual?

Na Bíblia, uma causa comum de depressão entre os servos de Deus era por causa da sua sensibilidade contra o pecado da carnalidade entre o povo de Deus. Vamos lembrar alguns exemplos disto.

  • MOISÉS – Sofreu crises de profunda tristeza e depressão, como quando Faraó em vez de deixar sair o povo de Israel, aumentou seu sofrimento e escravidão produzindo a atitude de desconfiar que Deus tivesse realmente chamado Moisés (Êxodo 5:20-23). Também, mais tarde, várias vezes no deserto a murmuração e reclamação do povo contra ele e contra Deus o fez sentir impossibilitado a continuar, e até pedir a morte (Números 11:11-15). Foi numa destas crises de tristeza que ele reagiu fora do seu caráter de ser “mui manso” e feriu a rocha quando era para falar a ela, conforme a Palavra de Deus. Sabemos que este ato precipitado trouxe graves consequências em que Deus não o permitiu a entrar na terra prometida (Números 20:7-12).
  • ELIAS – Os pecados da idolatria e da rebeldia de Israel causaram profunda depressão neste grande servo de Deus (2 Reis 19). Apesar da grande prova realizada por ele no monte Carmelo, pouco antes disso, a liderança do povo recusou crer em Deus e não quis se arrepender da sua idolatria e até procurou matar o pregador. Sem dúvida, a sua condição de cansaço físico e mental, depois daquela experiência tão intensa (2 Reis 18) contribuiu para a sua queda na depressão, que o levou a fugir de Jezabel e até desejar a morte. (É bom lembrar que ele nunca morreu – ele foi arrebatado vivo para o céu!).

    Muitos servos de Deus, hoje, sofrem deste tipo de depressão porque não há o “fruto” tanto desejado no seu trabalho; não há conversões e crescimento espiritual entre os irmãos na igreja, ou igrejas, onde eles têm trabalhado, pregado, ensinado e se esforçado com muito sacrifício. Alguns são mais resistentes que outros nestas circunstâncias difíceis. Não lemos de Noé caindo em depressão, como Elias, por causa da falta de resultados depois de seu grande trabalho e pregação.
  • HABACUQUE – Este profeta também caiu em depressão ao considerar o pecado da nação de Israel. A sua pergunta chave foi: Por que Deus permite isto? A sua depressão aumentou quando Deus revelou o Seu plano de usar os caldeus – que eram pecadores ainda piores – para castigar Israel. Nada disto fazia sentido para Habacuque, até que ele conseguiu entender que os pensamentos e planos de Deus são muito superiores aos nossos. Deus iria usar os caldeus como “martelo” contra Israel e depois castigar os caldeus pela sua crueldade contra Israel. Habacuque chegou ao ponto de parar de procurar entender, e deixar tudo com Deus que é muito mais sábio. Então a sua fé e alegria no Senhor começaram a voltar e seu livro termina com lindas palavras de alegria, louvor e confiança no Senhor (veja Habacuque 3:16-19). Habacuque voltou a achar prazer no Senhor, e não somente nas Suas bênçãos materiais.

    A experiência de Habacuque traz muito consolo ao coração confundido, desorientado e deprimido por causa da situação pecaminosa do mundo em que vivemos e da desobediência do cristianismo e até entre as igrejas separadas das denominações. Os que ensinam que o salvo nunca deve sentir tristeza, evidentemente não sentem muita compaixão pelas almas caminhando para o sofrimento eterno, e pelos irmãos que têm sido levados presos por Satanás.
  • JOÃO BATISTA – Este servo de Deus, “o maior nascido entre os homens” é bem conhecido pela sua coragem em defender a verdade. Foi por este motivo que ficou preso depois de denunciar a vida imoral do rei Herodes (Mateus 14:1-4). Na prisão João esperava que o Senhor Jesus o soltasse, mas não aconteceu e depois de muito tempo sofrendo ali ele caiu na depressão e dúvidas sobre Cristo. Ele enviou alguém para questionar Cristo sobre Sua missão (Mateus 11:1-3). Neste caso foi o profundo desapontamento que causou depressão. João não aceitou a sua prisão e sofrimento. Sabemos que era a vontade de Deus que sofresse ali e que morresse ainda jovem porque “completou a sua carreira”. É bom notar como o Senhor não criticou Seu servo, mas o elogiou neste tempo.
  • PAULO – Muitos pensam que o grande e corajoso apóstolo Paulo nunca sentiu medo ou tristeza, mas ele passou por estas coisas (Atos 18:9-10) e provavelmente por tempos de depressão, por causa dos problemas na Obra de Deus, especialmente nas igrejas em Corinto e na Galácia. Ele podia afirmar que a sua “preocupação com as igrejas” era o seu maior sofrimento – maior que qualquer outro sofrimento físico que tinha passado – e estes foram muitos! (2 Coríntios 11:24-29).

Em tempos mais recentes vários grandes servos de Deus, como Carlos Spurgeon, que Deus usou na salvação de milhares de almas na Inglaterra, no século passado, lutaram constantemente com crises de depressão espiritual e escreveram muito sobre este assunto, para a consolação dos seus irmãos deprimidos. Spurgeon escreveu: “É fácil para aqueles que têm uma boa saúde criticarem aqueles cuja saúde está debilitada e envolta em melancolia, mas esta doença é tão real quanto uma ferida aberta, e muito mais difícil de suportar, porque afeta até a alma, que para os inexperientes parece ser um mero caso de fantasia e imaginação doentia. Leitor, nunca ridicularize aquele que é nervoso e hipocondríaco, a dor dele é real; embora grande parte da doença esteja na imaginação, ela não é imaginária”. Nem toda a depressão é por motivos espirituais; também pode ser causada por problemas físicos e emocionais insuportáveis que trazem grande preocupação, até que o cérebro não aguenta mais e a pessoa se afunda na depressão.

 


Na próxima edição (260) daremos continuidade a este importante assunto demonstrando os exemplos e as atitudes tomadas pelos servos de Deus que sofreram dessa angústia ao longo de suas vidas, bem como acerca do uso de medicamento para o tratamento dessa doença mental tão grave e perturbadora.