Boletim dos Obreiros

A administração do Fundo Geral da Igreja

Atos 4:32, 34-35; 6:1-7

Introdução: Ser tesoureiro de uma igreja local para administrar os seus recursos financeiros se trata de uma tarefa de muita importância e responsabilidade, pelo menos por estas três razões:

1. Os recursos que vão administrar são do Senhor – Por isso há o peso da responsabilidade em administrar da melhor maneira possível aquilo que é de Deus e que deverá ser aplicado em Sua obra.

2. Os valores são dádivas da igreja local – Quando um irmão oferta para o fundo geral da igreja, ele o faz para o Senhor, não visando benefícios humanos como glórias e elogios. Cada ofertante ficará mais satisfeito, e até se animará mais em contribuir, quando os administradores trabalham de forma séria e transparente e a igreja toda sabe que esses recursos estão sendo bem aplicados.

3. Incentivadores da igreja para o esvaziamento do caixa – Como são os tesoureiros que administram o fundo financeiro da igreja, eles sabem quanto ele é necessário para a manutenção mensal das despesas da igreja. O que passar disso eles têm a obrigação de incentivar a igreja, através da sua liderança, a destinarem todos os recursos do caixa porque o dinheiro que foi ofertado para o Senhor é para ser repassado, de imediato, à Sua obra.

A ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO FINANCEIRO DA IGREJA

De acordo com os exemplos bíblicos, para administrar o fundo financeiro de uma igreja local é necessário a participação de mais de um irmão e que eles sejam de caráter irrepreensível, como podemos ver em alguns exemplos:

  • O exemplo da igreja em seus primeiros dias – (Atos 4:32-35; 6:1-2). No começo da igreja os primeiros cristãos demonstravam ser generosos e abriam mão de muitos de seus bens materiais e vendendo as suas propriedades traziam os valores aos pés dos apóstolos e então “se repartia a qualquer um que tivesse necessidade”. Na medida em que a igreja foi crescendo, aumentou também o serviço dessa administração a ponto de alguns membros da igreja se sentirem prejudicados na distribuição e como houve reclamações foi necessária uma tomada de posição por parte dos apóstolos.
  • A sugestão dada pelos apóstolos – (Atos 6:3-7). Os apóstolos ouviram as reclamações, mas não podiam assumir a responsabilidade desse serviço. Eles sugeriram que houvesse a escolha de sete homens para administrar os recursos financeiros da igreja enquanto eles se dedicavam à oração e ao ministério da Palavra (v. 4). Todavia, a escolha desses homens para esse serviço tinha que ser segundo as qualificações dadas pelos apóstolos: “Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço” (v. 3). Era, portanto, indispensável que:

1 – Os escolhidos deveriam ter “boa reputação”. Apesar de alguém estar bastante disposto para fazer essa tarefa isso não é o bastante, é preciso que tenha um bom nome e seu caráter seja intocável.

2 – Os escolhidos deveriam ser ”cheios do Espírito”. Quando a pessoa se converte ao Senhor ela “nasce de novo” e no mesmo instante é selada com o Espírito Santo (Efésios 1:13). Isto independe do que tenha feito ou deixado de fazer. Em seguida cabe ao convertido a responsabilidade de encher-se do Espírito Santo (Efésios 5:18). Isto quer dizer que ele deve estar, ou permanecer, sob o controle do Espírito Santo, ou que o Espírito Santo tenha total controle sobre ele. Se o crente não tiver esta qualificação não estará apto para este serviço.

3 – Os escolhidos deveriam ser “cheios... de sabedoria”. Não se trata de sabedoria humana ou capacidade intelectual, mas a qualidade que inclui o bom senso, atitudes e ações corretas cuja fonte emana lá do alto conforme escreveu Tiago: “A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento” (Tiago 3:17). Sem a verdadeira sabedoria é impossível um bom cuidado dos fundos financeiros de uma igreja local.

Estas exigências dadas por Deus através dos Seus apóstolos precisam ser incontestavelmente seguidas, hoje e sempre, porque a igreja precisa ter total confiança nos seus tesoureiros e eles precisam gozar dessa confiança por parte da igreja para que façam um bom trabalho.

Os administradores das ofertas de uma igreja precisam para o desempenho do serviço:

  • Trabalhar junto com a liderança da igreja – Os tesoureiros da igreja devem sempre estar informando aos irmãos que fazem parte da liderança da igreja como está o montante dos recursos em caixa, para que juntos planejem a distribuição.
  • Trabalhar com transparência – Muitos políticos em campanha prometem, caso eleitos, fazer uma administração transparente à população, mas isto posteriormente não acontece. No caso dos servos que são os tesoureiros de uma igreja local devem ter postura de transparência plena e, portanto, precisam de:

1. Prestar contas – Os responsáveis pelas finanças devem prestar contas da movimentação dos recursos do caixa para que toda a igreja saiba onde e em que estão sendo aplicadas as ofertas e o saldo existente em caixa.

2. Discernimento para distribuir o dinheiro das ofertas – Os irmãos responsáveis pela contagem das ofertas, e de depositá-las em alguma conta bancária, deverão, juntamente com os anciãos da igreja, ter o discernimento para uma boa distribuição desses recursos. O dinheiro do Senhor não é para ficar engordando contas bancárias, mas para ser aplicado na Sua obra, e nem para gastar em coisas fúteis (bens que a igreja não necessita), mas naquilo que seja útil para a Sua obra. Eis algumas sugestões:

(a) Necessidades do trabalho local: Atendimento social aos crentes menos favorecidos inclusive as viúvas, ou descrentes; compra de móveis e imóveis; construção e reformas do templo; pagamento das contas de consumo de água, luz, telefone, material de limpeza e, se for o caso, aluguel do imóvel, salário dos empregados, manutenção de veículos etc.

(b) Cada igreja local deve ter visão missionária: Contribuindo para creches e abrigos para idosos; ofertar para edição de literaturas, aquisição e distribuição de folhetos e Bíblias; manutenção de programas de rádio; ofertar aos servos do Senhor em tempo exclusivo, que não trabalham como assalariados. Quem tem responsabilidade de sustentar os trabalhadores na Seara, em regime de tempo integral, é o povo de Deus, Em 1 Coríntios 9:11-14 somos ensinados que quem trabalha no Evangelho tem direito de viver do Evangelho.

Com profundo voto de bênçãos, vosso conservo em Cristo, Severo Miguel de Oliveira, Caixa Postal 605, Paranavaí-PR, 87701-970, telefone (44) 3422-1398, e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.