Boletim dos Obreiros

Encontro secreto de casais

"Graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus, e de Jesus nosso Senhor

2 Pedro 1:2

Amados Irmãos, a igreja em Rio Marinho, Vila Velha (ES), tem vivido dias difíceis. Como vem acontecendo em outros estados brasileiros, aqui no Espírito Santo tem chegado uma prática que nos causa grande preocupação, trata-se do que está sendo chamado de "Encontro Secreto de Casais".

O que relatamos aqui, não tem a intenção outra, se não a de alertar aos amados irmãos que labutam em defesa da sã doutrina. Muitos crentes, no anseio de ver a casa cheia, estão cedendo às artimanhas de homens inspirados pelo inimigo de nossas almas. Esquecem-se, amados, do discurso simples de um pescador cheio do Espírito Santo em Atos 2. Um discurso que na simplicidade da Palavra guardava os ensinamentos do Mestre, e por esta razão houve ali um acréscimo de quase três mil almas.

Na verdade o arcabouço doutrinário e teológico ministrados nos tais “encontros” contém aspectos bíblicos de origem estranha. A organização desses “encontros” iniciou-se em nossa localidade de forma duvidosa, que levantou suspeitas de alguns casais convidados, pois ao pedirem informações de como seria tal evento obtiveram como resposta a informação de que tudo seria surpresa e que o casal teria que participar para ficar sabendo. Como tal coisa entra em nosso meio? Aqui as coisas aconteceram da seguinte forma:

Um casal membro é levado a participar do “encontro” por uma vez, lá é orientado a nada falar sobre o que aconteceu. A justificativa de sempre é que tudo é uma surpresa. Ao término do “encontro”, acontece o convite para o casal participar de uma reunião de avaliação. Nessa mesma reunião vem o convite para fazer parte do grupo organizado, sendo este o fator multiplicador. Devidamente orientado pelos organizadores o casal procura levar outro casal, e assim sucessivamente. O método dos organizadores é de um compromisso de silêncio e multiplicação. Todo casal que participa é convencido, ou pelo menos eles tentam convencê-los a se tornarem multiplicadores. O método é eficaz, a média geralmente gira entre 50% a 80% de casais que caem no "canto da sereia." É possível que os mais fracos acreditem estar diante de um ministério onde possam servir à Causa do Mestre, afinal o “encontro” tem o propósito de incutir nos casais a idéia de que vivem uma vida mesquinha, sem uma relação conjugal intensa, nunca foram felizes de verdade, precisam se perdoar, tem muitas coisas do mal atrapalhando, e coisas do gênero.

Os argumentos de que a vida conjugal tem que ser sempre um mar de rosas, com a idéia de que um casal tem que viver a base de jantar a luz de velas, nunca ter problemas, filhos sempre obedientes, vida sexual intensa, independência financeira, etc, levam alguns casais a pensarem ser um bom argumento para aderirem e aceitarem como verdade. Mas, quando passam tal idéia, na verdade estão garantindo a clientela, pois os casais fracos passam a depender do grupo. Os casais passam a não ter o ministério na igreja local como prioridade, são ausentes e começam a achar que a liderança é fraca, que não estão aprendendo nada na igreja local.

O homem natural procura sempre uma novidade fácil. Muitos crentes também procuram esses novidadismos. Esquecem-se que o nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo, representa toda e qualquer novidade para aquele que nEle crê (Lc.2.10).

Em nossa localidade, com as desconfianças trazidas por alguns dos casais convidados, descobrimos que cinco casais já estavam freqüentando tal "encontro" por mais de uma vez. O "encontro" que pretendia realizar sob a tutela da igreja local, já tinha como coordenador um irmão que vinha exercendo diversos ministérios em nosso meio.

Não é regra geral, mas o “encontro” se cerca de profissionais tais como: sexólogos, psicólogos, psicanalistas, etc. Há participante que disse ter ouvido que, devido aos problemas que antecederam à realização do evento, os organizadores economizaram no “cardápio”, visto que temiam a presença de algum espião entre os participantes.

É bom deixar claro que esse modelo de “encontros secretos” tem sua origem nas igrejas neo-pentecostais. O grupo é bem organizado, tem estrutura montada, onde tudo que você precisa para um determinado grupo de casais: cozinha completa e material humano (são os próprios casais que aceitaram fazer parte de um grupo mais recentemente). Há grupos mais modestos, mas há grupos que já estão preferindo usar a estrutura de grandes hotéis para seus “encontros”. Os que já estão com uma boa estrutura já tiveram um bom faturamento e a tendência é de sempre aumentar esse ganho, pois esse é o principal objetivo.

Quando surgiram as preocupações acerca da forma secreta da realização do evento, o assunto foi parar em nossa reunião administrativa. Um dos irmãos que estava na organização procurou se desculpar pelos transtornos, dizendo que o ministério era sério, citando alguns nomes conhecidos em nosso meio, inclusive com ministério, alegando que os mesmos já tinham participado. Acontece que foi aí que ficamos sabendo que quem estava tutelando a realização de tal evento seria a própria igreja local, mas como?

É costume nosso tratarmos na reunião administrativa de todos os assuntos que envolvam a participação da igreja local. Os irmãos que levantaram dúvidas e trouxeram a preocupação à liderança, informaram que os convites e as fichas de inscrição foram enviados com papel timbrado em “nome” da igreja local. Enfim, estávamos realizando um evento que não tínhamos sequer notícias da sua existência.

Isso demostra como o inimigo das nossas almas é atrevido. Mas, a partir daí, a liderança solicitou a retirada do “nome” da igreja local como organizadora do evento ou que adiassem tal realização, para que pudesse pelo menos estudar o assunto. Adiar, não será possível! Esta foi a resposta.

Diante do pouco tempo e não querendo cometer injustiça, a liderança começou a trabalhar no caso. Depois de ouvir tanto aqueles que estavam se posicionando contra, como também os que estavam defendendo tais “encontros”, e depois de conversar com alguns irmãos que trabalham com casais em nosso meio, procurou-se ouvir e consultar inclusive aqueles irmãos citados pelos organizadores como quem já havia participado e aprovado tal “ministério”.

Como não encontramos em nosso meio nenhum ministério com casais com metodologia similar, com exceção de apenas um irmão que dando uma opinião muito pessoal, sem buscar bases bíblicas, asseverou que não havia tanto motivo para preocupação, sendo que todas as demais consultas que fizemos foram unânimes em afirmar que havia um distanciamento das doutrinas bíblicas em tais “encontros”.

No sentido de preservarmos os casais, tanto os que estavam na coordenação de tal evento como os que estavam com o propósito de participar, solicitamos aos casais organizadores que abortassem tal evento. Pasmem, irmãos! A resposta que obtivemos foi que com a permissão, ou sem a permissão da igreja local, o evento seria realizado. Realmente esses irmãos realizaram nos dias 26 e 27/6 o “encontro” que conseguiu de uma única vez tirar do seio da igreja local dezoito irmãos adultos, e membros, levando junto doze crianças.

Pedimos as orações dos amados irmãos por essas crianças, para que elas possam se adaptar na nova localidade onde foram se reunir com os seus pais. Essas crianças estavam acostumadas com as outras que ficaram conosco e há casos de irmãos que saíram do nosso convívio e não deixam seus filhos se comunicarem com as crianças que ficaram. Muitas são primos.


Quanto aos irmãos adultos, estamos orando ao Senhor da Seara para que lhes conceda Graça, e que eles possam cair em si e voltar para a Bíblia (todos foram se reunir em outras casas de oração próximas). Que o Senhor da razão lhes dê sabedoria e entendimento para que possam chegar ao pleno conhecimento da verdade. Todos os irmãos envolvidos e que se rebelaram contra a posição da igreja local nos são muito caros e cresceram em nosso meio. Nós, que ficamos ao lado da sã doutrina, estamos todos com muita tristeza em nossos corações, pois os irmãos que saíram deixaram aqui os seus familiares, são irmãos que em sua maioria cresceram conosco.

Os principais pontos do “Encontro Secreto de Casais” a nosso ver são heréticos à luz da Bíblia:

  • ELEMENTO SURPRESA: No “encontro” tudo que o coordenador anuncia não acontece. Se anuncia uma palestra, acontece outra, se anuncia que não terá almoço, acontece um banquete. O elemento surpresa não é para nós irmãos. O apóstolo Paulo, quando escreve aos Tessalonicenses, diz: "Mas vós, irmãos já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão" (1Ts.5.4). Sugerimos também Efésios 4.14 … "para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro, e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro".
  • USO DE PROFISSIONAIS (sexólogos, psicólogos e psicanalistas): A Bíblia está repleta de aconselhamento tanto para o marido quanto para a mulher, filhos e namorados, que por si só descaracteriza a necessidade do uso de profissionais para numa reunião expor, de forma coletiva, problemas conjugais que não são comuns a todos os casais presentes. Não existirá nunca melhor terapia que a Palavra de Deus. Vejam o que diz Efésios capítulos 5 e 6, destacamos o capítulo 5:6-8 "Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais participantes com eles. Pois outrora éreis trevas, porém agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz".
  • SEGREDO: O sábio Salomão diz: "Porque o perverso é abominação para o Senhor, mas com os sinceros está o seu segredo" (Pv.3.32). Esta Palavra afirma que, para nós salvos pelo Senhor Jesus Cristo, não há segredo. Em 1 Coríntios 14, o apóstolo Paulo falando da superioridade do dom de profecias sobre o dom de línguas, nos versículos 24-25, diz: "Mas, se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido e de todos é julgado. Os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, publicando que Deus está verdadeiramente entre vós". Onde está o segredo? Para nós não há segredo, muito menos de nós para o "indouto ou infiel". O Senhor Jesus fez questão de deixar claro: "e nada disse em oculto" (Jo.18.20).
  • A PRIVAÇÃO DOS SENTIDOS E DA LIBERDADE: Como se dá isto? Ao entrar no local do “encontro” todos são orientados a não falar uns com os outros, se necessitarem de algo devem levantar uma de suas mãos e uma pessoa imediatamente lhe atenderá. Não é permitido telefone celular. Se precisar ir ao toalete uma pessoa o acompanhará. Nos momentos de orações são orientados em como orar. Os participantes são induzidos a não pensar ou questionar, devem somente receber e guardar para si, não devem comentar o que aconteceu para outros não participantes para não prejudicar a surpresa. Veja o que a Palavra diz para nós sobre a liberdade do crente: "se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo.8.36). "Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais de novo a jugo de escravidão" (Gl.5:1). É importante frisar que a psicologia afirma que “se ficarmos privados de estimulação sensorial, a nossa percepção da realidade pode se desintegrar, apesar dos heróicos esforços para impedi-la”, e que “experiências provam que apenas duas horas de privação sensorial são suficientes para produzir alucinações… ficamos rapidamente desorganizados mentalmente, quando diminui o nosso alcance normal de recepção de estímulos sensoriais” (Psicologia Experimental, pp. 272 e 273). Tivemos testemunhos de participantes por uma única vez do “encontro” e pudemos observar que mesmo dispostos a falar por entenderem que realmente o “encontro” não adiciona edificação na vida dos participantes, tiveram dificuldades para falar sobre o assunto. Ora, irmãos, se em Atos 17:10-11 diz que os bereanos examinavam nas Escrituras se o que Paulo e Silas pregavam era como estava escrito e até lhes renderam o titulo de mais nobres do que os de Tessalônica. Devemos estar sempre lúcidos para termos condições de avaliar o ensino que recebemos e nunca privados de estimulação sensorial.
  • A FOGUEIRA: Não podemos aceitar que em uma "cerimonia da fogueira", vidas compradas a preço do sangue de Cristo possam "queimar" pecados, maldições, e coisas ruins que estão atrapalhando a vida conjugal plena de um casal. Isso tem nome! É substituir o sacrifício expiatório do Senhor Jesus Cristo na cruz (Hb.2.17-18). As Palavras contidas em 1João 1:8 a 2.1 nos dão absoluta garantia como salvos: "Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós. Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo". Se não cremos nestas Palavras, também não cremos naquEle que é o autor da nossa salvação. Nesse caso não será uma fogueira que nos poderá livrar.
  • A MENTIRA: Na tentativa de cooptar incautos para os “encontros”, as pessoas que se envolvem na organização usam de mentiras de toda sorte. Usando inclusive como referências nomes de irmãos com ministério sério, sem se importar em manchar o ministério dos mesmos.
  • A TRANSFORMAÇÃO: Impressionante a capacidade de transformar pessoas amáveis em pessoas ignorantes, sem limites, desrespeitosas, amarguradas, irresponsáveis, incorrigíveis, inflexíveis, sem temor diante do Senhor. Se não fosse o conhecimento da Palavra de Deus que nos alerta sobre os "falsos profetas" (Mt.7:15; 24:11); "falsos cristos" (Mt.24:24); "enganadores" (Mc.13:22); "falsos irmãos" (1Co.11:26; Gl.2:4); "falsos doutores" (2Pe.2:1), hoje estaríamos abalados com o potencial de destruição desse “Encontro Secreto de Casais”, mas graças ao nosso Deus e Pai, ao nosso Salvador e Senhor Jesus Cristo e ao Espírito Santo, somos supridos em todas as nossas deficiências, e nos têm dado sabedoria do alto e entendimento para nos mantermos firmes.
  • OS BANQUETES: Nós salvos não precisamos de uma organização para nos apresentar os deleites do mundo. Em Eclesiastes 7:2, o sábio Salomão, por divina inspiração, escreve: "Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque ali se vê o fim de todos os homens; e os vivos o aplicam ao seu coração". Paulo em 1 Coríntios 6:12 escreveu: "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas". E ainda em 1 Coríntios 10:23 "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam".
  • USO DE PALHAÇO: Por definição, palhaço significa pessoa ridícula que por atos ou palavras provoca risos; merecedor de escárnio. O Senhor não colocaria algo no meio do Seu povo que faça o papel de "bobo da corte" e que mereça ser escarnecido. O Salmo 1.1 é explícito a esse respeito: "Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores".
  • O ÁLBUM DE SURPRESA: Os organizadores realizam uma pesquisa secreta entre os familiares dos cônjuges em busca de informações sobre acontecimentos marcantes na vida dos mesmos, desde o seu nascimento até o namoro, noivado e casamento, incluindo fotos. De posse desse material eles preparam um álbum para o casal. Trata-se de mais uma arma para manipular a emoção dos participantes.
  • A MUSICOTERAPIA: Recurso usado para levar os casais participantes à relaxação, à diminuição de toda tensão, e assim condicioná-los psicologicamente para que passivamente absorvam as propostas lançadas, que como vimos são, no geral, absurdas. Tal prática é usada em momentos reservados à reflexão coordenada.

Há relatos de casais que participaram de tais “encontros” que hoje vivem com dificuldades emocionais graves. Há vários que ficaram doentes, e antes do “encontro” gozavam de plena saúde. E há aqueles que relataram ter sentido um peso espiritual durante semanas.

Tais práticas somente transformam esses “encontros” em um "festim licencioso”. Todas estas coisas, amados, não se coadunam com as coisas de Deus. Tudo isso só pode nos levar a crer que há crentes que estão com fastio do Pão e o acham vil, ou então estão precisando ler mais a Palavra de Deus. Preferimos acreditar na segunda hipótese. Nossa oração ao Senhor é que Ele nos dê sabedoria para discernirmos, sempre, qual seja a Sua vontade e que não esqueçamos das Palavras contidas em Romanos 12:1-8.

Estamos tristes? Sim, não tenham dúvida. Mas o Senhor da Seara tem nos consolado com um avivamento maravilhoso: O quarteto Proclamação que perdeu dois membros já se recompôs; o coral da igreja local, que também perdeu um de seus regentes, segue animado; o quarteto feminino Estrela da Manhã que também ficou sem uma de suas participantes, não parou, está levando adiante o seu trabalho na Obra do Senhor; o conjunto coral da sociedade feminina segue animado; a sociedade feminina mantém suas atividades de visitação, evangelização e assistência social de forma intensa; a união de treinamento que vinha tendo dificuldades para iniciar as suas reuniões no horário, vive hoje dias empolgantes, com os irmãos animados, se apresentando para o treinamento e cumprindo suas escalas. Perdemos um irmão que tocava o seu violão esporadicamente nos cultos, agora a igreja local comprou um violão e descobrimos que o Senhor nos deu três irmãos que se revezam, um dos quais bem dotado para o ensino. Temos outros quatro irmãos adultos e um pré-adolescente aprendendo.

A igreja local estava se reunindo às quartas-feiras para Oração e aos domingos às 8h00 para a Ceia do Senhor; das 9h00 às 10h30 a Escola Bíblica Dominical; às 18h00 a união de treinamento; e às 19h00 Evangelização; na última semana do mês para Oração. Agora iniciamos um ciclo de visitas com reuniões nas residências dos irmãos que se encontram em casa desanimados e sem estímulos, e já temos obtido vitória, aos poucos estamos vendo os nossos amados irmãos voltando. Inicialmente era nossa intenção realizar todas as sextas-feiras, não foi o suficiente, estamos mantendo as sextas-feiras, mas devido as necessidades estamos indo em qualquer dia.

O melhor de tudo, amados, é que quando iniciamos as reuniões tínhamos a intenção de visitar primeiro os irmãos que se encontravam em desânimo, mas o Senhor nos corrigiu apresentando pessoas descrentes. Estamos com problemas de agenda, sem contar que os irmãos que estão caminhando juntos nas visitas também têm reivindicado reuniões em suas casas. Já estamos organizando um curso de discipulado para “afiar a espada e irmos para a batalha”. Aos domingos costumava-se editar um informativo semanal, passamos agora a editar um Boletim Semanal mais completo com todas as ações na área de atuação da igreja local.

Declaramos Paz aos que forem da Paz em Nome do Senhor Jesus. Mas, ao inimigo das nossas almas, a batalha continua, com a certeza que o Senhor sempre nos dá a vitória. Orem por nós amados irmãos! Subscrevem pela igreja local os irmãos Samuel Barbosa, presbítero, Pedro José de Amorim e Adaias Dias de Carvalho, diáconos.