Boletim dos Obreiros

Mentes corrompidas

"Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam corrompidas as vossas mentes, e se apartem da simplicidade e pureza devidas a Cristo".

2 Coríntios 11:3

 

O princípio denominacional

Lamentavelmente, vivemos dias de grande afastamento dos princípios bíblicos e da simplicidade que há em Cristo, parecendo até que estamos tendo um pesadelo. Muitos dos princípios bíblicos que a bem pouco tempo eram cridos como a pura verdade “entre nós”, agora, devido as fortes influências das grandes denominações, estamos perdendo de vista o que é puro e verdadeiro, e o pior, deixando que falsas doutrinas e certos costumes absurdos entrem nas igrejas locais como coisa normal. Contudo, desejo destacar neste artigo, algumas coisas elementares.

Nenhum princípio denominacional faz parte da vontade de Deus. Não julgamos, com isto, a questão da salvação das pessoas que fazem parte delas, pois muitas lá permanecem por completa ignorância quanto à verdade, todavia não podemos admitir um sistema que está fora do propósito de Deus.

Quando em seu início, a igreja de Corinto teve completa desaprovação do apóstolo Paulo, chegando a chamar de carnais aqueles crentes (1Co.1:10-13; 3:1-4) que, pelas suas atitudes, estavam se dividindo em grupos e dando nomes a estes, dividindo assim a igreja em facções conforme a preferência de cada um.

Havendo a raiz, logo alguém tinha interesse em torná-la pública e oficial. Foi o que aconteceu por volta do ano 306 da era cristã, a “igreja” se uniu ao Estado por meio da suposta conversão do imperador Constantino ao cristianismo, dando assim origem a denominação que hoje conhecemos como “Católica Romana”. Deixando os princípios bíblicos, passou a seguir as tradições meramente humanas, desviando-se do verdadeiro Caminho, não deixando dúvida que a referida denominação se tornou a mãe das denominações da cristandade, pois, direta ou indiretamente, todas saíram dela trazendo explicitamente a sua marca, como o exemplo a seguir:

A organização romana tem sua sede universal, bem como, nacional, estadual e regional, que exige que cada uma tenha um sistema “hierárquico” onde o homem rege como cabeça dando as diretrizes para o funcionamento da organização. Logo, a sede é terrena, o governo é humano e Cristo está posto do lado de fora, o que se enquadra muito bem com a igreja de Laodicéia (Ap. 3:20).

O mesmo acontece nas diversas denominações da cristandade, pois, cada qual, com pequenas diferenças, segue o mesmo sistema da “mãe”. Neste aspecto, é muito sugestivo Apocalipse 17:5, tendo em vista que nestes últimos dias a Grande Babilônia está em franco desenvolvimento buscando, através do ecumenismo, a unificação de todas as denominações. Creio que não será possível isto se consolidar enquanto a verdadeira Igreja de Cristo não for arrebatada, mas tão logo seja tirada deste mundo, aqui ficará uma igreja apóstata, a qual satanás, através de seu agente humano, manipulará e preencherá os anseios da humanidade que aspira uma unificação religiosa universal.

É muito importante sabermos que a formação dos partidos surgidos em Corinto não veio pela vontade de Deus, mas pela manifestação carnal, egocêntrica, para satisfação pessoal de cada um. Não é diferente nestes dias, pois os homens hoje buscam seus interesses pessoais, na ganância pelo poder, status e pelo dinheiro as denominações vão se dividindo e subdividindo entre si. Enquanto estou preparando esse artigo, no início do mês de outubro de 2004, um irmão me informou que a denominação a que sua mãe pertence em Paranavaí, se dividiu e já estão formalizando a documentação para a formação de uma nova denominação.

A igreja que Cristo comprou com Seu sangue é comparada a um corpo que tem somente Ele como Cabeça (Ef.1:20-23; 4:15-16; 5:23,29-30; Cl.1:18), cuja sede é o Céu, onde Ele está. Certamente que todos vão concordar que um corpo não pode ter duas cabeças, se tiver, algo estará muito errado. Assim é com a igreja, ela não pode ter duas cabeças, uma no céu e outra na terra.

Tendo conhecimento destas verdades, tínhamos que sentir aversão e muita tristeza pelo princípio anti-Deus criado pelo homem e que impera no mundo todo. Quanto aos irmãos em Cristo que estão nas denominações, devemos ter por eles verdadeiro sentimento de amor profundo, pois foram também comprados pelo precioso sangue de Cristo na Cruz, e muitos lá estão porque não conhecem a Verdade, mesmo porque talvez não tenhamos falado a eles a esse respeito.

Parece que ao invés de repudiarmos esse sistema existente e esclarecermos os que lá estão, a fim de que saiam desse arraial (Hb.13:13), há muitos que estão estendendo as mãos às denominações, trocando púlpitos e participando em seus seminários e institutos teológicos como professores, ministrando ao lado de homens com títulos eclesiásticos, fazendo trabalhos juntos, participando até de seus cultos ecumênicos, como se tudo fosse normal.

Isto tem se tornado um apresamento para irmãos mais simples, que têm verdadeiro anseio espiritual e até um chamado para servir ao Senhor em tempo exclusivo, e logo querem ir para um instituto ou seminário, para, como dizem, “se prepararem melhor”. Não há preparo mais eficaz do que o seio da própria igreja local, quando moços e moças dispõem-se a trabalhar ao lado de irmãos e irmãs envolvidos na igreja local, vão adquirindo maturidade espiritual e recebendo diretamente do Senhor o preparo devido para servi-Lo.