Boletim dos Obreiros

Passando a peneira

Como nos causa tristeza percebermos atualmente o distanciamento progressivo daquela simplicidade na forma das reuniões do povo de Deus, quando nos ajuntamentos da igreja local os hinos eram citados livremente pelos irmãos, em sintonia com o ambiente sereno e espiritual em expectativa daquele momento em que a voz do Espírito seria ouvida por toda a congregação através da exposição franca, clara, convincente e estimulante da Palavra de Deus.

Um ambiente onde podia-se perceber a presença do Senhor dirigindo e aprovando tudo desde o primeiro minuto, onde irmãos movidos pela gratidão ao Senhor se levantavam em orações simples de louvor ao Senhor, e um outro, desejando ser edificado e fortalecido juntamente com os seus irmãos, também orava pedindo pelo pregador e pelos ouvintes.

Os hinos cantados de maneira tranqüila e suave, porém, com muito fervor e sinceridade, onde as vozes dos irmãos e das irmãs eram ouvidas claramente pronunciando as palavras e expressões de louvor sem serem suplantadas pelos sons estridentes dos equipamentos que são usados também pelos incrédulos para animar as suas festas. Um ajuntamento composto de jovens e velhos, homens e mulheres, “todos juntos”, num só sentimento, desejando a glória de Cristo, desejando aproximarem-se mais e mais da Sua vontade expressa na Sua Palavra. Um ambiente onde a Palavra do Senhor, suas instruções, suas doutrinas, seus ensinos eram considerados firmemente como prioridade.

Que tristeza, percebermos que o sucesso numérico do denominacionalismo está causando inveja a muitos de nós e, atraídos pela revolução evangélica carismática, muitas igrejas locais têm aberto as suas portas para despedir a simplicidade e pureza devidas a Cristo e receberem de bom grado as renovações evangélicas.

Por que adotamos práticas totalmente estranhas às práticas das igrejas do Novo Testamento? Por que rejeitamos os métodos simples usados pelos apóstolos e servos da época do Novo Testamento e adotamos métodos sem apoio bíblico? Jogamos fora o alimento sadio, sólido e puro do Novo Testamento e trazemos o feno estragado, contaminado para nossas pobres ovelhas se intoxicarem e perderem a característica das ovelhas do rebanho do Senhor.

A minha oração e de outros irmãos também tem sido no sentido de que o Senhor desperte os Seus fiéis em cada igreja local para insistir com a sã doutrina, especialmente aqueles que são chamados pelo Senhor para a obra do episcopado, ou seja, os anciãos, presbíteros da igreja local. E que sejamos corajosos para passar a peneira do Novo Testamento em todas as nossas práticas como igrejas locais.