Boletim dos Obreiros

Acumular tesouros

Mateus 6.19-21, 24-34

Introdução: A forte tendência do ser humano é de nunca estar satisfeito com o que já possui, sempre quer mais, e acumular bens para o futuro faz parte do “status” e da autodependência.

O PADRÃO BÍBLICO

Nunca o cristão verdadeiro deve ter como meta principal o acumular tesouros (riquezas) na terra, este não é o padrão ensinado por Cristo e nem pelos apóstolos, pelo contrário, eles ensinaram a ajuntar tesouros nos céus porque desta vida não poderemos levar nada para a eternidade a não ser aquilo que fizemos para Deus em conformidade com a Sua Vontade. O apóstolo Paulo escreveu a Timóteo: “Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele.” (1 Timóteo 6:7).

O ENSINO DO SENHOR JESUS

Em Mateus 6:19-21-24, a ordem do Senhor Jesus Cristo para Seus discípulos é não acumular tesouros para si na terra e sim nos céus, e suas razões são convincentes:

1. Mateus 6:19... “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde os ladrões escavam e roubam”. – Os tesouros acumulados na terra são de risco e transitórios, mesmo que alguém goze, parcialmente, seus bens em vida, ao morrer nada mais valerá para ele o acúmulo das riquezas. Muitos dizem: “tudo o que estou fazendo hoje é para minha família”, evidentemente parece ser este um pensamento sábio, porém temos conhecimento de grandes desgraças na divisão de heranças e até temos um exemplo bíblico registrado em Lucas 12:13, do homem que procurou o Senhor Jesus rogando que Ele ordenasse a seu irmão que repartisse com ele a herança. Diante deste fato o Senhor advertiu a Seus discípulos para que evitassem toda e qualquer avareza e contou-lhes a notável parábola a respeito do homem rico cuja vida estava somente envolvida com as coisas terrenas e tudo quanto pensava sobre o futuro era no seu bem-estar pessoal: “Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te” (Lucas 12:19). Olhando para as atitudes deste cidadão, muitos podem pensar: “este sim sabe aplicar seu capital olhando para o futuro e garantindo-o”. Porém, esta não é aos olhos de Deus a verdadeira sabedoria e o chama de louco perguntando: ”Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lucas 12:20), e concluindo o Senhor diz: “Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus” (Lucas 12:21). O que significa ser ou não rico para com Deus? Ser rico para com Deus é, em primeiro lugar, ter adquirido a vida eterna, pela Sua graça, em Cristo, e, em segundo lugar, é quando abrimos os nossos bolsos ao recebermos os recursos financeiros que chegam às nossas mãos em forma de salário, aplicações financeiras, ganhos de capital etc., e ofertamos ao Senhor, Ele tudo vê e sabe e temos a garantida recompensa no Tribunal de Cristo (2 Coríntios 5:10). Não ser rico para com Deus é exatamente o contrário a isto que foi demonstrado.

2. Mateus 6:20... “ajuntai para vós outros tesouros no céu, onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam nem roubam”. – Em contraste com os tesouros acumulados na terra o Senhor fala de tesouros acumulados nos céus os quais são garantidos e jamais podem ser comidos por traças, corroídos pela ferrugem ou roubados por ladrões, tal como nossa herança descrita por Pedro: “uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros” (1 Pedro 1:4). O apóstolo Paulo ao escrever aos crentes em Filipos, fez menção de haver recebido deles dádivas. Desejo destacar aqui o versículo 10: “uma vez mais renovastes a meu favor o vosso cuidado” (Filipenses 4:10), pelo fato desta igreja já ter ofertado outras vezes conforme observamos nos versículos a seguir (vv. 15 e 16). Creio ser oportuna a lembrança de que Paulo e Silas foram os que pregaram o Evangelho em Filipos, mas Paulo não havia sido recomendado por esta igreja ao campo missionário e sim pela igreja em Antioquia, e nem mesmo estava morando em Filipos. Com isto aprendemos que todas as igrejas locais têm o mesmo privilégio e responsabilidade de ofertar aos servos (as) que trabalham integralmente na obra de Deus sem terem um serviço secular ou salário fixo de uma igreja ou de uma “organização missionária”. Convém destacar o ponto chave do que estamos tratando sobre o entesourar nos céus. Quando Paulo não está proferindo palavras de gratidão por interesses demagógicos a fim de receber mais ofertas, mas é porque ele tinha a plena certeza que no porvir aqueles irmãos receberiam a recompensa: “mas o que realmente me interessa é o fruto que aumente o vosso crédito” (Filipenses 4:17). Isto, irmãos, deve mover profundamente o nosso coração, pois é absolutamente certo que quando a igreja oferta do seu fundo geral para a obra do Senhor, sua participação, como membro, está ali inclusa e Deus jamais Se esquecerá do que você fez e sua recompensa é garantida no céu. Paulo deixa isso claro ao receber as dádivas que lhe foram enviadas “como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus”. Irmãos, suas ofertas são aprazíveis a Deus. Aleluia! Permita-me outro destaque que é a manifestação de gratidão de Paulo para com os irmãos que lhe ofertaram, porque há muitos irmãos em nosso meio que recebem ofertas e nem sequer escrevem umas linhas para a igreja ou para o irmão ofertante. Isto não é o que foi ensinado por Paulo.

3. Mateus 6:21... “porque onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração”– O Senhor Jesus adverte a seus ouvintes que os tesouros sempre trazem uma forte atração ao coração humano. O apóstolo Paulo escrevendo aos colossenses os exorta para que busquem e ocupem seus pensamentos com as coisas lá do alto não nas que são aqui da terra (Colossenses 3:1-2). A vida do cristão neste mundo caótico é como se estivesse numa prova de avaliação. Desde a nossa conversão temos a oportunidade de honrar ao Senhor com o que somos, incluindo nossa personalidade, pois cada um é diferente do outro; com os dons espirituais que nos foram concedidos quando nos convertemos que deveremos exercê-los para o engrandecimento da obra de Deus; e com os bens materiais que o Senhor tem nos confiado como Seus fieis mordomos.

4. Mateus 6:24... “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” – Neste verso o Senhor mostra que há o perigo das riquezas assenhorear-se do crente. Certa vez, um irmão e eu, visitamos no Mato Grosso um casal descrente, mas muito rico. Ao ler e explicar para eles sobre a necessidade da salvação, o homem nos disse mais ou menos estas palavras: “como você acabou de falar, eu não tenho tempo para mais nada nesta vida, vivo dia e noite preocupado em não perder o que já consegui e em como aumentar o meu patrimônio, estudar meus filhos e dar o melhor possível para minha família... minha vida é essa!”. Evidentemente que por se tratar de uma pessoa incrédula, achamos ser bem razoável seu raciocínio. Todavia, quando se trata de um cristão sue pensamento deve ser diferente, pois todos os salvos pertencem ao Senhor com tudo quanto possuem. Todos nós somos apenas mordomos dos bens materiais que o Senhor tem posto em nossas mãos para administrarmos, sabemos que para alguns irmãos, Deus tem concedido maior quantidade de bens materiais (riquezas) a fim de que eles os administrem. Seja qual for a nossa situação econômica permitida por Deus, nunca deveremos ser dominados pelos bens materiais conforme nos diz o salmista: “se as vossas riquezas prosperam, não ponhais nelas o coração” (Salmo 62.10b). Lamentavelmente há crentes pobres que são avarentos, tão apegados ao dinheiro e aos seus bens, que são atrapalhados de viver em plena paz e comunhão com Deus, e quando se dá algum estudo sobre ofertar eles sentem-se escandalizados e alguns chegam até a se afastar da igreja.


ÀS VEZES NOS FALTA A FÉ
Mateus 6:25-34

Por causa de nossa falta de fé em Deus, por vezes ficamos demasiadamente preocupados com o nosso futuro material e financeiro neste mundo. Às vezes, para nos sentirmos humanamente seguros, parece que temos de ter algo mais concreto que nos traga certa estabilidade, como por exemplo, um emprego numa multinacional renomada ou quem sabe trabalhando, concursado, na máquina governamental. Isto é o que quase todo mundo quer, porque são coisas que aparentemente dão à pessoa a sensação de segurança que ela precisa, mas nem sempre isto acontece, pois quando se tem um emprego muitas vezes se depara com o medo de perdê-lo e nessa angústia se pergunta: “o que será de nós?”. Não quero dizer que o crente não deve perseguir concursos públicos ou se preparar estudando na universidade ou fazendo o possível para ingressar numa boa empresa, não, pelo contrario, mas o crente nunca pode se esquecer de que “tudo” nesta vida é instável.

O Senhor Jesus conhece as nossas fraquezas, por isso Ele afirmou que não devemos ficar ansiosos quanto ao que havemos de comer ou beber, nem pelo que haveremos de vestir, para que possamos confiar mais no nosso Deus. Como exemplo Ele citou as aves do céu que não semeiam, não colhem nem ajuntam em celeiros, mas “o Pai celeste as sustenta”. Também Ele usa o exemplo dos lírios do campo que nem trabalham e nem fiam, e conclui dizendo: “Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé?" (Mateus 6:29-30). O Senhor quer que aprendamos a lição de que “dependemos unicamente de Deus”, basta que consideremos a afirmação do Senhor Jesus: “Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal” (Mateus 6:31-34). Os gentios confiam em si e no que produzem e se preocupam loucamente com o futuro, mas o cristão verdadeiro goza de segurança e de uma paz diferenciada no mundo que deve ser mostrada no dia-a-dia e, em conseqüência, Deus será glorificado nos Seus.

Davi, em seu memorável Salmo 37:25, fala da sua experiência: “Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão”. Podemos, portanto, confiar no Senhor, pois jamais Ele falhará conosco em coisa alguma que necessitarmos. Ele Sempre foi, é, e será fiel!

Três lições finais quanto a se acumular riquezas:

  1. Incapacidade: Em nossa ansiedade, lutamos para armazenar a fim de garantir o nosso futuro e o de nossa família, mas sequer temos condições de acrescentar um côvado à nossa estatura (Mateus 6:27). De que adianta tanta ansiedade nesta vida quanto às coisas terrenas se nem mesmo o mínimo podemos fazer?
  2. Prioridade: Conforme Mateus 6;33 o Senhor Jesus deixa claro que a prioridade na vida dos Seus servos é o Reino de Deus com a Sua justiça que procede do trono divino.
  3. Advertências: O que Deus quer de Seu povo no sentido do acúmulo de bens terrenos e a constante preocupação com o futuro terreno:

a) Quanto às coisas terrenas – Ele quer que nos desvinculemos delas a cada dia. Ser discípulo indica renunciar tudo o que temos (Lucas 14.33), não necessariamente abandonar as posses pessoais, mas considerá-las como propriedade de Deus e usá-las para Ele e não para nós mesmos (Comentário Ritchie, Mateus).

b) Quanto ao futuro terreno – Ele quer que nós não nos preocupemos demasiadamente com o dia de amanhã, pois em cada novo dia trará sua própria preocupação.