Boletim dos Obreiros
Terça, 04 Dezembro 2018 16:14

J. C. Jacintho, Boletim dos Obreiros, Rio de Janeiro-RJ

"Agora, pois, Senhor, que espero eu? A minha esperança está em ti" (Sl. 39:4). Amados irmãos, agradeço imensamente a todos pelas manifestações de consolo e pelas intercessões que fizeram ao Senhor em prol da minha saúde. Muito obrigado por tão grande solidariedade! Já agradeci ao Senhor pela vida de cada um de vocês. O procedimento endoscópico nessa primeira intervenção foi bem-sucedido, apesar das dores no primeiro dia terem sido extremamente desconfortáveis. A ingestão de alimentos é dificultosa e bastante dolorosa ainda que líquida. Há que se ter muita paciência em todo esse processo, esta foi somente a primeira sessão e haverá no mínimo mais duas com as mesmas complicações e riscos. Não adianta disfarçar, se não fosse pelas misericórdias do Senhor o meu sentimento seria de chegar ao desânimo, mas, como Davi, em seu salmo acima, o Senhor é a nossa esperança ao não permitir que fraquejemos diante dos infortúnios desta vida. Desanimar jamais! Em meio às dores em nenhum momento me senti desassistido por Ele. Já passei por situações bastante difíceis em minha vida, e delas o Senhor me livrou, portanto não será esta que me fará recuar dos Seus propósitos para a minha vida e ministério. Desde sempre agradeço ao nosso Deus, porque quando me sinto fragilizado mais dependente da Sua graça me torno. Segundo Paulo, "porque quando estou fraco, então é que eu sou forte" (2Co. 12:10). Continuemos, amados irmãos, juntos nessa jornada rumo à casa paternal, pois nada nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. O nosso momentâneo padecimento gera em nós um peso de glória superior às agruras desta vida. Amém! Outras estapas virão, continuo a contar com as suas peciosas ORAÇÕES, J.C.Jacintho. (04/12/2018).

"... sejam agradecidos a Deus em todas as ocasiões" (1Ts. 5:18). Amados irmãos, tenho muitos motivos para agradecimentos. O primeiro, sem dúvida, é pela minha preservação por parte do nosso Deus diante da gravidade da moléstia que contraí: esteatose hepática, já em nível de cirrose, provocada por gordura no fígado cuja cura é somente através de um transplante do órgão. Tendo em vista que não há remédio para tratamento desse mal, ainda assim o Senhor não permitiu que esse tempo fosse chegado e com isso prossigo na minha jornada aqui dependendo exclusivamente da Sua providência a meu favor. Os outros motivos de gratidão são muitos, mas o principal deles é por vocês, irmãos amados, que me acompanham ao longo do tempo, que não consigo quantificar, mas o Senhor sabe quem são, que oram diariamente em prol da minha saúde, cujos clamores têm chegado ao Trono da Graça e o Senhor tem respondido por tanta dedicação. Mas, sempre há um mas, apesar da lenta evolução da doença as sequelas surgem rápidas. A pressão provocada pelo fígado enfermo na veia porta localizada no abdômen pressiona, dentre outras, as artérias periféricas, principalmente a do esôfago que faz com que surjam nesse canal digestivo varizes de grosso calibre que a qualquer tempo podem romper e com isso provocar uma hemorragia interna sem precedentes que pela sufocação poderá me levar ao óbito. Desta forma, nesta segunda-feira, dia 3/12, às 9 horas, estarei sendo submetido a uma endoscopia digestiva alta com ligadura elástica dessas varizes, cujo maior risco é o da perfuração de uma delas durante o procedimento. Mas, desde já, agradeço ao nosso Deus por acreditar que isto não ocorrerá porque Ele estará conduzindo as mãos do profissional responsável por essa intervenção. Sei que os irmãos estarão juntos a mim, em intercessão, em mais essa jornada. Desde já lhes fico grato pelas suas ORAÇÕES, amados irmãos. No amor do Senhor, J.C.Jacintho. (02/12/2018).