Boletim dos Obreiros

Novo ano, novo rumo

Mais um ano se inicia – 2019! É o momento oportuno de sérias reflexões sobre erros e acertos, e de decisões que possam dar rumo correto à nossa vida espiritual. Estou certo de que hão de aflorar em nossa mente inúmeras situações ocorridas no ano passado que não gostaríamos que voltassem a acontecer. Mais importante do que tentar corrigir os erros com os nossos esforços pessoais (e é claro que devemos eliminá-los) é adotar os princípios que nos garantem uma correta relação com o Senhor, apropriando-nos dos Seus incomparáveis recursos, os quais, se fielmente aplicados à nossa vida espiritual, acertarão o seu rumo. É o meio eficaz de eliminarmos tais erros.

Um bom respaldo para pormos as coisas em ordem e acertarmos o rumo da vida espiritual, é o exemplo de homens de Deus. Davi é um dos mais dignos que se apresenta. Embora tenha experimentado fracassos, desponta no cenário bíblico como alguém que nunca se deixou naufragar nos erros cometidos, mas buscou sempre a sábia orientação do Senhor para acertar o rumo da sua vida espiritual, com humildade, sinceridade e firme propósito.

Revela-nos, em notáveis poemas e hinos que compôs, segredos maravilhosos que nos conduzem, com segurança, ao acerto do rumo da nossa vida espiritual. Um dos mais expressivos encontra-se no Salmo 16. É a exposição precisa de uma vida que vale a pena! Como seria bom se buscássemos acertar o rumo da nossa vida espiritual adotando os preciosos conceitos que aí são expostos.

O Salmo se divide em duas partes. A primeira, do v.1 ao v.10, nos apresenta as “condições essenciais da vida espiritual” e, no v. 11, encontramos as “características evidentes da vida espiritual”. É peculiar verificar como Davi relaciona o nome do “Senhor” com cada detalhe, tanto das “condições” como das “características” da vida espiritual. O “Senhor” é seguidamente mencionado nessa encantadora exposição poética! Vida espiritual correta e abundante só acontece quando o Senhor faz parte da nossa experiência de vida (João 15:5; 10:10).

Dado o curto espaço de que dispomos para esta crônica, vamos nos limitar a enunciação de cada item, sugerindo ao prezado leitor um “mergulho” mais profundo na meditação de cada um, para mais descobrir e melhor apreciar a incomparável beleza dos pensamentos desse hino e, assim, se estimular, através deles, a acertar o rumo da sua vida espiritual.

CONDIÇÕES ESSENCIAIS DA VIDA ESPIRITUAL (vs. 1-10)

1. O Senhor é prioritário e exclusivo – (v. 2)
“Tu és o meu Senhor; outro bem não possuo, senão a ti somente”.

É essa uma condição essencial para acertarmos o rumo da nossa vida espiritual. Esta será seriamente afetada, na medida em que colocamos outros interesses acima dos que são do Senhor (Êxodo 20:3). A alienação do Senhor no nosso viver, ou a Sua troca por “outros deuses” (v. 4, idolatria), nos priva da experiência correta da vida espiritual. Veja o ensino do Senhor Jesus em Mateus 6:33.

2. O Senhor é o Supridor suficiente – (v. 5)
“O Senhor é a porção da minha herança e o meu cálice; tu és o arrimo da minha sorte”.

A vida física carece de suprimento material. Sem este ela fenece. A vitalidade espiritual depende do suprimento espiritual. Sem este ela enfraquece e se esvai. O Senhor é a nossa porção suficiente e o arrimo indispensável à sustentação da própria vida espiritual. O Senhor amplamente dispõe sobre a Sua plena suficiência (João 15:5): como o pão da vida (João 6:35) e como a água viva (João 4:10,13,14). Diz-nos que veio para que tenhamos “vida abundante” (João 10:10). O Espírito Santo é o divino Supridor suficiente (João 14:16-19). Veja Efésios 3:20.

3. O Senhor é Conselheiro eficiente – (v. 7)
“Bendigo o Senhor, que me aconselha; pois até durante a noite o meu coração me ensina”.

O bom aconselhamento é fundamental para o sucesso em qualquer empreendimento da vida. Maus conselheiros inviabilizam realizações. O sucesso de nossa vida espiritual depende do aconselhamento do Senhor. A Palavra de Deus é o repertório eficiente, para que estejamos capacitados a vivermos espiritualmente bem, cumprindo, corretamente, os Seus Soberanos propósitos. Davi afirma que até durante a noite aprende com os ensinos do Senhor. Devemos manter perfeita e constante sintonia com o Senhor através da Sua Palavra, meio eficiente de aconselhamento para nortear a nossa vida espiritual (veja Josué 1:7-8; Salmo 119:105).

4. O Senhor é companheiro inseparável – (v. 8)
“O Senhor, tenho-o sempre à minha presença; estando ele à minha direita, não serei abalado”.

Maus companheiros desviam os nossos passos do rumo certo. Os inconstantes e falsos amigos não contribuem para o nosso sucesso. Davi proclama o valor inestimável de ter o Senhor sempre ao seu lado, como companheiro inseparável, para se manter firme (não abalado) nas realizações da sua vida espiritual. No Salmo 23:4 afirma que não tinha medo algum por onde passasse, pois o Senhor estava com ele. Veja em Lucas 24:15, a experiência dos discípulos do Senhor que voltavam frustrados para Emaús. O Senhor afirmou que estará conosco todos os dias (Mateus 28:20), mas a aceitação da Sua companhia é atitude essencial, para que aproveitemos o grande valor que ela representa na correção do rumo da nossa vida espiritual.

5. O Senhor é a esperança eterna – (vs. 9, 10)
“...até o meu corpo repousará seguro. Pois não permitirás (o Senhor) que o teu Santo veja a corrupção”.

O texto encerra preciosa declaração profética messiânica, referindo-se à ressurreição do Senhor Jesus. Mas encerra a convicção que Davi tinha quanto à expectativa da sua eternidade. A esperança eterna é fundamental para acertarmos o rumo da nossa vida espiritual. É gloriosa a promessa do Senhor Jesus aos filhos de Deus, em João 14:1-3... “para que, onde eu estou, estejais vós também”. Paulo ensina: “estaremos para sempre com o Senhor” (1 Tessalonicenses 4:17). O acerto do rumo de nossa vida espiritual passa pela certeza da nossa futura ressurreição, garantida pela gloriosa ressurreição do nosso Senhor.

AS CARACTERÍSTICAS EVIDENTES DA VIDA ESPIRITUAL (v. 11)

1. A direção do Senhor
“Tu me farás ver os caminhos da vida”.

O pecado nos desviou do caminho da vida espiritual (Isaías 53:6). A nossa vida somente manifestará “espiritualidade” se estiver no caminho certo. Só o Senhor nos fará ver os caminhos da vida. O Caminho é o Senhor Jesus Cristo (João 14:6). A “direção” correta que o Senhor nos oferece está na Sua Palavra (Salmo 119:105). Os nossos caminhos não são os caminhos do Senhor (Isaías 55:7-8). Se quisermos acertar o rumo da nossa vida espiritual, entreguemos os nossos caminhos ao Senhor, confiemos n’Ele e o mais Ele fará (Salmo 37:5). Não devemos nos estribar em nosso próprio entendimento, mas devemos reconhecer o Senhor em todos os nossos caminhos, Ele endireitará as nossas veredas (Provérbios 3:5-6). A “direção” do Senhor é uma evidente característica da nossa vida espiritual no rumo certo.

2. A plena alegria do Senhor
“Na tua presença há plenitude de alegria”.

A “alegria” do Senhor é notável característica da vida espiritual. Não a confundamos com a alegria da carne, aquela que resulta dos fatos e das participações pessoais que o mundo nos oferece e que estão no âmbito dos prazeres da carne. É a alegria do “exterior”, que é efêmera e acaba quando o espetáculo termina, ou quando o pano desce. O Senhor Jesus nos fala da “alegria” autêntica em João 16:20,22,24. Resultante da Sua presença em nós: “a vossa tristeza se converterá em alegria” (v. 20); permanece em nós apesar das circunstâncias adversas ou aflitivas: “o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar” (v. 22); é completa: “para que a vossa alegria seja completa” (v. 24). A plenitude da “alegria” do Senhor é uma característica evidente da vida espiritual no rumo certo.

3. As delícias perpétuas do Senhor
“Na tua destra, (há) delícias perpetuamente”.

A expressão “delícias” nos conduz à ideia de “satisfação”. A expressão “destra” nos conduz à ideia de “mão supridora”. A mão do Senhor está estendida, com todo o suprimento que se faz necessário à nossa vida espiritual. Ele jamais encolheu a Sua mão (Isaías 59:1). O Senhor Jesus afirmou que ninguém arrebatará as Suas ovelhas das Suas mãos (João 10:28). No Senhor, nossa vida espiritual estará suprida com “delícias” perpétuas e, por isso, ficará plenamente satisfeita. Como afirma Davi, o Senhor é o nosso Pastor e nada nos faltará (Salmo 23:1). Podemos confiar no Senhor porque Ele nos susterá (Salmo 55:22). As “delícias” perpétuas do Senhor são uma característica evidente da vida espiritual no rumo certo.

Conclusão

– O novo ano começa. A retrospectiva do que se foi poderá nos oferecer constatações não favoráveis. Não nos abatamos com isso. Podemos acertar o rumo da nossa vida espiritual. Que o hino de Davi, no Salmo 16, possa ser, no seu inspirado conteúdo, um precioso subsídio para nos ajudar a ter um ano ricamente abençoado, na “direção” do Senhor, no usufruto da plenitude da Sua “alegria” e suprido pelas “delícias” da Sua abundante destra.