Boletim dos Obreiros

Igreja: missões, sustento e o chamado (2)

Deus usa homens para a realização de Seus propósitos.

Em Ezequiel 22:30, Ele diz: “Busquei entre eles um homem...”. O método de Deus é esse.

Deus criou o homem para usá-lo em Seus propósitos. O pecado do homem criou embaraços a esse propósito divino. Mas Deus tem realizado o Seu plano de redenção do homem, através de Jesus Cristo, para restaurá-lo e capacitá-lo a essa finalidade suprema (Efésios 4:11-12 e Atos 1:8).

Como posso saber o trabalho a que Deus me chama?

I – MOTIVAÇÃO CERTA

1. Não se chega à convicção correta da vontade do Senhor para o nosso envolvimento na obra do Senhor através de atitudes românticas ou de mero idealismo: simples entusiasmo sentimental não basta para definir a nossa decisão.

2. A motivação certa provém do seguinte:

  1. Conhecimento profundo do que temos em Cristo e a respeito do qual muitos ainda não ouviram (1 Coríntios 2:1-2).
  2. Consciência da responsabilidade evangelística. Paulo demonstra este aspecto na sua própria atitude (1 Coríntios 9:16 e Romanos 1:14). Essa consciência decorre do valor da alma alheia (Marcos 8:36-38).
  3. Um propósito firme (Daniel 1:8). O propósito firme precede o sucesso. Temos isso no exemplo paulino (Romanos 15:20 e 2 Coríntios 10:15-16).
  4. Paixão pelas almas perdidas. Temos o claro exemplo do Senhor Jesus Cristo (Mateus 9:35).

3. Muitos crentes acham que devem “sentir” um “toque especial” que defina a chamada do Senhor.

Um pouco de reflexão nos mostra que a decisão é algo que acontece naturalmente como decorrência de termos as condições acima enumeradas. Disse Mitchell: Não posso levar as almas para mais perto de Cristo “do que estou”.

O cristão se torna missionário como resultado natural da sua relação pessoal com Cristo.

O chamado do Senhor a todo o cristão já foi claramente feito pelo Senhor quando nos comissionou antes da Sua ascensão (Mateus 28:18-20, Marcos 16:15 e Atos 1:18).

Um missionário que passou cinquenta anos trabalhando no Congo e cujo serviço missionário fora rico e frutífero, em vibrante testemunho, afirmou que nunca estivera cônscio de qualquer chamamento missionário íntimo especial. Simplesmente lera a ordem clara de Cristo: “Ide”. Sabia que ao crente cumpre obedecer. Entregou-se a Cristo, preparou-se e foi à África. Seguiu-se uma longa e útil carreira missionária. Ele obedeceu a Deus!

II – O EXEMPLO DE PAULO

Desde a conversão Paulo sabia:

  1. Que fora escolhido para saber a vontade de Deus (Atos 22:14).
  2. Que sua missão era entre os gentios (Atos 22:21, Gálatas 2:8 e Atos 26:17-19).
  3. No fim da sua vida testemunhou a respeito (2 Timóteo 4:7).

III – A PROMESSA DO SENHOR

“Instruir-te-ei, te ensinarei o caminho que deves seguir e sob as minhas vistas te darei conselho” (Salmo 32:8).

É uma promessa clara do Senhor na qual devemos descansar para a orientação do Senhor. O telefone nos dá uma boa ilustração a respeito. A voz pode estar clara, mas se a pessoa é surda ou está preocupada ou distraída com alguma coisa, não ouvirá a mensagem. Temos que ter o coração preparado para sermos sensíveis à orientação do Senhor.

O Dr. George Peters sugere os seguintes pontos de preparação:

  1. Seu corpo é sacrifício vivo e santo a Deus? (Romanos 12:1-2).
  2. Há pecado conhecido a toldar a sua visão espiritual? (Efésios 1:18 e Colossenses 1:9).
  3. Há planos seus e preferenciais pessoais a impedir? (Salmo 25:9).
  4. Está obedecendo a Deus com boa vontade nas coisas menores da vida cotidiana, obediente a Deus e às autoridades humanas? (Lucas 19:17 e 1 Samuel 15:22).
  5. Está pronto a ir a qualquer lugar e fazer o que Deus mandar? (João 15:14).
  6. Fixe o costume de estudo bíblico e meditação e oração diárias (Josué 1:8).
  7. Fixe o costume de esperar que o Senhor dirija cada passo de sua vida (Provérbios 3:6).
  8. Sature-se com a Palavra de Deus, especialmente no que diz respeito a Seu propósito para a sua vida e para a igreja (Salmos 119:104-105).
  9. Estude as necessidades espirituais do mundo de hoje (João 4:35).
  10. Trabalhe em intercessão pelo trabalho de Deus em toda parte (Mateus 9:37-38)
  11. Ore com regularidade e com fervor para que Deus lhe torne clara a Sua vontade (Salmo 143:8).
  12. Confie no Senhor, que lhe mostrará a Sua vontade com certeza (Salmo 37:5).

IV – PARA NOS MOSTRAR A SUA VONTADE, DEUS PODE SE SERVIR DE:

  1. Instrumentalidade humana (Atos 11:25-26; 13:1-3).
  2. Relatórios missionários e estudos do campo mundial (Atos 14:27).
  3. Uma crise espiritual (Isaías 6:1-9).
  4. Razão e preconceito lógico. Certo servo de Deus muito experiente disse: “Mesmo na simples base do bom senso, eu me via chamado a ser missionário. Porque se o reino de Deus é uma seara, então achei razoável ir trabalhar onde havia mais serviço e menos trabalhadores”.

V – A CHAMADA DE PAULO À MACEDÔNIA

Atos 16:6-12 não nos ensina a esperar uma visão específica dos céus, no que respeita à chamada para o serviço de Deus, mas é exemplo interessante da vocação particular, direcionada, no seu pleno desenvolvimento, pelo Senhor, a uma atitude determinada.

  1. Paulo já está em obediência ao mandato de Cristo (estava na primeira viagem missionária).
  2. Portas foram fechadas diante dele (o Espírito Santo impediu que fosse a Bitínia).
  3. Indicação de Deus de uma região necessária.
  4. Conclusão baseada no “raciocínio controlado por Deus” e não apenas no sentimento.
  5. Obediência imediata.
  6. Resposta ativa.

VI – INDICAÇÕES QUE PROVAM SE O CHAMAMENTO É DE DEUS

Sugestões do Dr. George Peters:

  1. A chamada de Deus de acordo com o plano geral de Deus delineado na Bíblia?
  2. Suas circunstâncias poderão se adaptar a isso que parece ser a direção de Deus?
  3. O Espírito Santo continua a testemunhar-lhe que esta é a vontade de Deus?
  4. Você ainda se sente chamado quando não existe mais desafio de aventura?
  5. Se for chamado a um campo insignificante; estará pronto para ir? Se nenhum outro atender ao apelo, ainda assim estará pronto a atendê-lo?
  6. Está pronto a pagar qualquer preço?
  7. Tem simplesmente a “impressão” de que você deve ir a certo campo ou já tem a “convicção” profunda a respeito?
  8. A chamada já teve tempo de ficar amadurecida em sua vida?

VII – A CHAMADA E A IGREJA

O ensino neotestamentário é claro no sentido de que a chamada será sempre sensível também à igreja com a qual nos reunimos (Atos 11:22; 14:26-27; 13:1-3).

CONCLUSÃO

“Como o vaso que o oleiro fazia de barro se lhe estragou na mão, tornou a fazer dele outro vaso, seguro bem lhe pareceu” (Jeremias 18:4).