• Português

A Responsabilidade do Cristão Perante o Mundo - 4

E, assim, se alguém está em Cristo é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas
2 Coríntios 5:17

Conferência proferida pelo irmão Jayro Gonçalves no Congresso das Igrejas dos Irmãos de Portugal em 17/04/2010

I - O MUNDO COMO ESPAÇO TERRESTRE: DEVEMOS TESTEMUNHAR DO EVANGELHO

4. O QUE NOS FAZ EFICIENTES TESTEMUNHAS:

• O viver cristão

A terceira atitude que nos faz “eficientes testemunhas” é a maneira como vivemos no mundo. Já vimos que ser cristão é ser uma nova criatura, isto é, ser diferente da velha criatura; que as coisas velhas devem passar e devem se fazer novas. Isso é fundamental para que o nosso testemunho se torne eficiente.

A eficiência do nosso testemunho não acontece só porque dissertamos bem sobre o conteúdo do Evangelho, mas pelo que mostramos desse conteúdo em nosso procedimento diário. A nossa vida é a melhor ferramenta para partilharmos o amor de Deus. O viver fala mais alto do que as palavras! A contradição entre o falar e o viver anula totalmente a eficácia de nosso testemunho. Existe alguma verdade bíblica que não estou obedecendo? A minha vida particular é condizente com o que prego e ensino? É fundamental refletirmos sobre isso!

É nossa responsabilidade evidenciar, pela nossa vida, tudo o que falamos aos outros sobre as verdades evangélicas. Só assim os que nos ouvem podem ser afetados profundamente por elas, impressionados muito mais por verem-nas expostas praticamente em nosso procedimento cristão. O impacto das palavras é tênue e agita a mente. O impacto das verdades evangélicas constatadas no nosso viver diário afeta positiva e profundamente a alma, estimula a emoção e leva à necessária convicção daqueles que queremos alcançar para Cristo. Nesta hipótese, o Espírito Santo atua fortemente através da constatação que o evangelizado faz, inequivocamente, da atuação efetiva do poder do Evangelho, transformando radicalmente o nosso viver.

A expressiva metáfora que o Senhor Jesus usou em Mateus 5:14-16 torna-se pertinente e preciosa lição: “Vós sois a luz do mundo”... “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”. Esta é uma das mais importantes declarações do Senhor a respeito da manifestação da vida cristã, pois define a vontade de Deus quanto ao porte cristão no cenário do mundo.

No contexto em Lucas 14:25-35, verifica-se que esta declaração do Senhor segue, imediatamente, à definição do verdadeiro discípulo. Esse ensino dado pelo Senhor sintetiza tudo o que Ele espera do verdadeiro cristão, para que o seu testemunho tenha valor e eficácia. O homem natural está em trevas (João 3:19). A luz que o Senhor menciona que devemos manifestar não é “luz própria”, mas “luz refletida”. Paulo ensina: “todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito”.

Em João 8:12, afirmou o Senhor: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas, pelo contrário terá a luz da vida”. Ao afirmar “quem me segue” refere-se ao verdadeiro discípulo. A luz advém do Senhor Jesus, porque Ele é “luz e vida”, e só o verdadeiro discípulo poderá ter dEle “a luz da vida”. A mesma ideia vemos em João 1:4: “A vida estava nele e a vida era a luz dos homens”. Essa luz só é alcançada mediante o Evangelho que aceitamos (2 Timóteo 1:10; 1 Pedro 2:9). Só os que têm a nova vida em Cristo podem manifestar a luz. Para refletirmos essa luz através de nosso viver diário, precisamos estar ligados à fonte de energia, que é Ele, para, por Ele, sermos continuamente alimentados da mesma. Sujeira na lâmpada diminui seu brilho e prejudica a luminosidade necessária! Curto-circuito na ligação anula o brilho da lâmpada! A sujeira ou o curto-circuito do pecado prejudicam a manifestação da luz que o Senhor quer ver em “nosso viver”, para afetar, favoravelmente, o mundo. Este jaz no maligno (1 João 5:19). Ama mais as trevas do que a luz, porque as suas obras são más (João 3:19).

O que o Senhor pretende de nós, como “filhos da luz”, é que afetemos positivamente o mundo, com o brilho da nossa luz, que emana dEle, para mudar a nossa atitude para com Ele (“brilhe também a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”). O resultado há de ser a glória dada a Deus pelos homens, que devem ver as nossas boas obras, ou seja, o brilho da nossa luz, que é o nosso viver, na plena vontade do Senhor. Importa muito mais, como testemunho nosso, o que o mundo vê do que o que o mundo ouve! O que se expõe não se pode esconder (v.14b); o que se esconde não se pode ver (v.15)!

Neste passo, vale lembrar o que nos ensina a Palavra de Deus sobre o “viver cristão”, adotando o verbo “andar” no sentido simbólico de “manifestação de caráter”:

  • Romanos 6:4 - andar em novidade de vida;
  • Romanos 13:13 – andar dignamente;
  • Gálatas 5:16 – andar no Espírito;
  • Efésios 5:2 – andar em amor;
  • Efésios 4:1 – andar de modo digno da vocação a que fostes chamado;
  • Efésios 5:8 – andar como filhos da Luz;
  • Colossenses 2:6 - andar em Cristo Jesus, o Senhor;
  • 1 João 2:6 – andar assim como Ele andou;
  • 2 João 6 – andar segundo os seus mandamentos.

Busquemos cumprir, eficientemente, a nossa responsabilidade de “fiéis testemunhas” do Evangelho, perante o mundo, pelo nosso viver, na vontade soberana do Senhor. Vejamos, prudentemente, como andamos, não como néscios, e sim como sábios, remindo o tempo, porque os dias são maus (Efésios 5:15).

autor: Jayro Gonçalves.