• Português

Aprendendo com Jesus Cristo no inverno

"Era inverno, e Jesus estava no templo ... Jesus respondeu: Eu já lhes disse e vocês não crêem. As obras que eu realizo em nome de meu Pai falam por mim

(João10:22-25-NVI).

Buscando algo que me levasse, na Bíblia, ao contexto do inverno, acabei encontrando o Senhor no templo, em pleno inverno, transmitindo uma das Suas lições mais preciosas, das tantas que o Evangelho de João registra.

Na frieza do ambiente daquela estação, rodeado de muitos judeus também espiritualmente gelados, pois estavam tomados de dúvidas e incrédulos a Seu respeito (v.24), aqueceu-lhes a alma frígida, com a Sua sábia instrução, para que pudessem se sentir espiritualmente bem.

Quanto puderam eles aprender naquele inverno, no templo, ouvindo-O! Oxalá, possamos nós, também, ser instruídos, abundante e proveitosamente, neste inverno, pela mesma lição!

Ao seu redor, a multidão manifestava uma profunda inquietação por não ter alcançado, ainda, uma compreensão correta sobre a Sua Pessoa e o Seu ministério. Perguntaram desafiadoramente: "Até quando nos deixarás a mente em suspenso?" (v.24). A resposta de Cristo foi contundente: "Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome do meu Pai testificam a meu respeito" (v.25).

Quantos hoje em dia, mesmo no chamado mundo cristão, se encontram na mesma frieza de alma e profundamente angustiados, perplexos e sem rumo quanto ao que Cristo possa representar para eles, embora muito saibam dEle e das Suas Obras! A razão dessa melancólica situação é a mesma apontada pelo Senhor aos religiosos que o rodeavam no templo, naquele dia de inverno. Destaco sete aspectos importantes dessa preciosa lição de inverno:

  • A ESSENCIALIDADE DA FÉ - "mas vós não credes" (v.26a). A Fé se manifesta como atitude essencial para a bênção do homem, desde que foi criado. No ministério de Jesus Cristo essa verdade se apresenta bem patente em inúmeras ilustrações das Suas variadas bênçãos graciosamente concedidas. Não basta "saber" tudo a respeito de Deus, do que Ele faz e nos ensina, se não estivermos dispostos a crer! Essa grande verdade está exemplarmente exposta em Hebreus 11, onde podemos verificar a força da Fé na construção dos verdadeiros servos de Deus, do seu caráter e das suas realizações. Aí lemos: "sem fé impossível agradar a Deus" (Hb.11:6).
  • A FÉ NOS TORNA OVELHAS SUAS - "porque não sois das minhas ovelhas" (v.26b). Que inaudito privilégio! No capítulo 10 de João temos a clara exposição dessa gloriosa verdade. Jesus Cristo aí Se declara o BOM PASTOR em contraste com o ladrão, que vem para roubar, matar e destruir. Como o BOM PASTOR, Ele deu a vida pelas suas ovelhas! (vv.10,11). Pela fé nos tornamos Suas ovelhas, pertencentes ao Seu precioso rebanho, alvo do Seu constante amor e permanente desvelo. É bom lembrar que no Novo Testamento encontramos, ainda, mais duas qualificações notáveis do Seu Pastoreio:
    1. O GRANDE PASTOR (Hb.13:20). Essa expressão está voltada para a Sua presente atuação como Pastor do Seu rebanho, para que sejamos aperfeiçoados em todo o bem, para fazermos a Sua vontade (v.21);
    2. O SUPREMO PASTOR (I Pd 5:4). Essa expressão está ligada à perspectiva do galardão já garantido pelo Senhor aos Seus servos fiéis. 
  • SENHOR ESTÁ SEMPRE ACESSÍVEL - "as minhas ovelhas ouvem a minha voz" (v.27). Essa linda expressão do Senhor nos garante a Sua proximidade permanente, pois só assim podemos estar ouvindo a Sua Voz! O Senhor quer conversar conosco! Ele tem sempre a Palavra certa para a hora certa. É essencial que estejamos continuamente sintonizados com Ele para que a Sua maviosa voz seja o bálsamo de nossa alma, em qualquer circunstância. Em João 6:33 Ele afirmou que as Palavras que Ele nos diz são espírito e vida! Porque somos dEle, tem Ele o maior interesse em estar em permanente comunicação conosco. A Sua Palavra é o canal de comunicação por excelência que Ele nos deixou, para nos manter em diálogo adequado e oportuno em todas as facetas da vida, atendendo a todas as circunstâncias que se oferecem, boas ou más. Ele tem interesse em que ouçamos a Sua voz, pois dela depende a nossa experiência de vida espiritual abundante e realizações proveitosas para a nossa bênção pessoal e à Sua glória. Muitas são as passagens bíblicas que nos conduzem à percepção dessa verdade. O Salmo 119 é riquíssimo manancial de orientação a respeito do valor da Voz de Deus para uma vida abençoada. Daí destaco os versículos 97 a 105, e, neste trecho, a expressão: "Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca".

 


 

No mês de junho começamos a meditar sobre a lição do Senhor Jesus dada no templo, por ocasião do inverno, aos judeus que celebravam a Festa da Dedicação.

Era grande a multidão! Sentiam-se muito confusos a respeito da pessoa do Senhor Jesus. Por isso rodearam-nO e O interrogaram: "Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente" (v.24). A resposta que o Senhor lhes deu configurou-se numa das mais lindas lições do Seu ministério.

Essa extraordinária lição de inverno do Senhor apresenta sete aspectos importantes. No nosso comentário anterior apresentamos três desses aspectos: 1. A essencialidade da Fé - "mas vós não credes" (v.26a); 2. A Fé nos torna ovelhas Suas - "porque não sois das minhas ovelhas" (v.26b); 3. O Senhor está sempre acessível - "as minhas ovelhas ouvem a minha voz" (v.27a). Vejamos, portanto, mais quatro aspectos da lição de inverno do Senhor:
■O SENHOR CONHECE AS SUAS OVELHAS - "eu as conheço" (v.27b). Que preciosa verdade! O nível do conhecimento que Ele tem de nós é inimaginável. Não é apenas superficial. É profundo! É total! Nada Lhe escapa ao conhecimento. Ele participou da nossa criação como Deus Filho, por isso nos conhece totalmente. Nada pode escapar à Sua percepção de cada detalhe do nosso ser integral. No Salmo 139 encontramos expressiva informação sobre o conhecimento que Ele tem de nós: "Senhor tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar, e conheces todos os meus caminhos. Ainda a palavra não me chegou à língua, e tu, Senhor, já a conheces toda. Tu me cercas por trás e por diante, e sobre mim pões a tua mão. Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim, é sobremodo elevado, não o posso atingir". Duas ilações importantes extraio desse fato:

1. Posso sempre contar com Ele nas mais diversas circunstâncias da minha experiência de vida, porque Ele sabe tudo sobre mim, mais do que ninguém e do que eu próprio, e, por isso, pode cuidar de mim melhor do que ninguém!

2. Nada posso ocultar dEle, porque Ele tudo sabe e tudo vê! Veja o versículo 7 do Salmo 139: "Para onde me ausentarei do Teu Espírito? para onde fugirei da tua face?"

■O SENHOR CONDUZ AS SUAS OVELHAS - "elas me seguem" (v 27c). Ele quer ir na nossa frente para que Lhe sigamos os passos (1Pd.2:21 … "porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos"). Não é uma questão de apenas ir por onde Ele nos diga que devemos ir. Seguindo-O não há como errar o caminho! Não há como não chegar ao alvo certo! Ele afirmou: "Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas; pelo contrário, terá a luz da vida" (Jo.8:12). Devemos dar-Lhe a condução dos nossos passos e, então, andaremos bem.
■O SENHOR DÁ A VIDA ETERNA ÀS SUAS OVELHAS - "Eu lhes dou a vida eterna" (v.28a). É essa uma das declarações mais singulares das muitas que o Senhor prolatou em Seu profícuo ministério. Ter a "vida eterna" é a maior necessidade do ser humano, morto em seus "delitos e pecados" (veja Ef.2:1-5). A "vida eterna" é o maior patrimônio que o Senhor nos oferece pela Sua Graça. Implica não somente na nova vida, alcançada pela fé (Jo.3:16; 1Jo.5:12; 2Co.5:17), biblicamente designada como "regeneração" ou "novo nascimento", como na vitalidade espiritual, na experiência de vida e na expectativa da eternidade com Deus, garantida pela ressurreição de Cristo (veja Jo.14:1-3; 1Ts.4:13-18; 1Co.15:50-58).
■O SENHOR DÁ SEGURANÇA ÀS SUAS OVELHAS - "jamais perecerão, e ninguém as arrebatará das minhas mãos" (v.28b). Que bendita segurança o nosso Deus nos dá! Aí estão definidas a perenidade e a eficácia da segurança. Nada nos pode segurar melhor do que as mãos fortes do Senhor!

Somente crendo no Senhor, seremos Suas ovelhas e usufruiremos dos privilégios concedidos a elas pela Graça de Deus!

autor: Jayro Gonçalves.