• Português

Desenvolvendo a intimidade com Deus

Salmo 63

Intimidade é atitude essencial para o sucesso de qualquer empreendimento coletivo. Falta de intimidade resultará sempre em fracasso na obtenção dos alvos comuns. A intimidade coordena e amalgama as ideias e conduz aos resultados harmonizados e positivos. No contexto da família também é fundamental o exercício correto da intimidade entre os que a compõe para que ela cumpra o seu sublime papel estipulado por Deus. No contexto da igreja o exercício da intimidade com Deus pelos membros que a compõem e destes entre si, como membro do corpo de Cristo, realiza a sua finalidade eclesiástica primordial.

No belo salmo 63, Davi nos dá preciosa lição de como podemos desenvolver a intimidade com Deus. Experimentava uma fase de sua vida de grande solidão e angústia, no deserto de Judá, fugindo dos seus ferozes inimigos. É notável constatar que é exatamente em tais circunstâncias tão desfavoráveis e opressivas que ele nos dá, com o digno exemplo de sua atitude, a lição de como desenvolver a intimidade com Deus.

Logo no início do Salmo ele coloca dois pressupostos fundamentais para o exercício da intimidade com Deus. Afirma no introito, começo do v. 1, “Ó Deus, tu és o meu Deus forte“. O primeiro pressuposto é evidenciado pela convicção manifesta de que ele pertencia a Deus. Somos propriedade exclusiva de Deus, como Seus filhos (1 Pedro 2:9), comprados pelo precioso sangue de Cristo derramado no Calvário (1 Pedro 1:18). O segundo pressuposto é a sua fé ativa, claramente revelada por essa convicção expressamente anunciada. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6).

A. O PROCESSO DA INTIMIDADE COM DEUS

1. BUSCAR A DEUS – Afirma Davi: “eu te busco ansiosamente”. Aí começa o processo da intimidade com Deus. Não é uma atitude pontual, mas de caráter permanente. Ele confessa a sua tremenda carência de intimidade com Deus ao afirmar que a sua alma tinha sede, estando em terra seca e sem água. Quantas vezes nos sentimos assim, como num deserto. O cristão não pode manter-se assim carente e sedento. A solução para esse desesperador estado de alma é “buscar” o Senhor. São muitas as passagens bíblicas que nos levam a essa atitude essencial para vivermos em intimidade com Deus, tão necessária para o sucesso de nossa vida espiritual (Jeremias 29:13). Como afirma Davi essa busca permanente deve ser intensa (ansiosamente).

2. CONTEMPLAR A DEUS – Diz Davi nos vs. 2 e 3... “Assim eu te contemplo no santuário para ver a tua força e a tua gloria. Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam”. Que belo texto! Não há intimidade correta com o Senhor sem o exercício constante da Sua contemplação! Não se trata de nos valermos de imagens, representações ou figurações. A “contemplação” deve ser pessoal e direta. Davi transformou o deserto em santuário! No deserto em que muitas vezes nos encontramos, transformemos o quadro desalentador da sedente espiritual em privilégio abençoado de intimidade com Deus e comunhão alentadora. Há quatro experiências de indizível prazer espiritual nessa contemplação: a) A experiência do poder de Deus (“para ver a tua força”); b) A experiência da glória refulgente de Deus (“e a tua glória"), veja 2 Coríntios 3:18; c) A experiência da graça maravilhosa de Deus (“porque a tua graça é melhor do que a vida”); d) A experiência do autêntico louvor a Deus (“os meus lábios te louvam”).

3. MEDITAR EM DEUS – Diz mais Davi no v. 6... “no meu leito, quando de ti me recordo e em ti medito, durante a vigília da noite”. A “meditação” em Deus é fundamental para o exercício da intimidade com Ele. Interessante notar no texto, que Davi ao declarar a sua atitude de meditação em Deus, relaciona-a com a atitude de “recordação”. A meditação válida implica no nosso envolvimento com os feitos, as obras e a Palavra de Deus. Meditar é fazer-se presente, para profunda reflexão, a pessoa de Deus, a Palavra de Deus e os feitos de Deus. Esse exercício nos encoraja, nos estimula, nos fortalece e nos abençoa, pois nos faz conscientes de que temos um Deus real, sempre presente para reiterar as múltiplas bênçãos já conferidas em nossa experiência de vida.  

B. OS RESULTADOS DA INTIMIDADE COM DEUS

1. O SUPRIMENTO DO SENHOR – No v. 5 Davi faz uma declaração que põe em destaque um excelente resultado da intimidade com Deus: “como de banha e de gordura farta-se a minha alma”.  A expressão “farta-se” significa satisfação plena. As expressões “banha” e “gordura” falam do alimento que satisfaz plenamente. Em Cristo temos plena satisfação em todas as áreas de nossa vida, precipuamente na vida espiritual. Ele é pão da vida, a água viva, o bom Pastor, nEle temos vida abundante e sabemos que sem Ele nada podemos fazer (João 15:5). Paulo faz uma notável declaração a esse respeito em Filipenses 4:13... “Tudo posso naquele que fortalece”. O Senhor Jesus deu amplo ensino sobre a suficiência do Seu “suprimento”, quando procuramos viver em intimidade com Ele: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu  reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33). O próprio Davi ensina no Salmo 16:11... ”na tua destra há delicias (satisfação) perpetuamente”.

2. O AUXÍLIO DO SENHOR – No v. 7 Davi declara: “Porque tu me tens sido auxílio; a sombra das tuas asas eu canto jubiloso”. Davi canta em seu lindo hino afirmando a certeza do amplo “auxílio” ou ajuda do Senhor em qualquer circunstância da sua vida. A referência à “sombra das asas” leva-nos ao lindo cântico de Moisés, em Deuteronômio 32:11-13, ilustrando a sempre presente ajuda do Senhor com a figura singular da águia protegendo os seus filhotes. No v. 8 Davi enfatiza esse resultado positivo da intimidade com Deus, afirmando: “a tua destra me ampara”.

3. A VITÓRIA DO SENHOR – Os vs. 9 e 10 trazem a descrição da segurança de “vitória” que tem aquele que mantém intimidade com o Senhor. Como já afirmei, Davi foi um constante perseguido pelos inúmeros inimigos que teve pela frente. Mas veja o que ele afirma: “Os que me procuram a vida para a destruir abismar-se-ão nas profundezas da terra. Serão entregues ao poder da espada e virão a ser chacais”. O inimigo de nossas almas não dá tréguas. Anda ao derredor, pertinaz e constante, buscando nos derrotar (1 Pedro 5:8). Mas podemos ter a segurança da vitória completa, com as armas espirituais que o Senhor nos concede (Efésios 6:10-18). Essa notável experiência de vitória nos virá no exercício da intimidade com Deus. Afirma Paulo: “Em todas essas coisas, somos mais  que vencedores, por meio daquele que nos amou” (Romanos 8:37).

4. A ALEGRIA DO SENHOR – A nota marcante deste lindo hino de Davi é a menção que faz da experiência da verdadeira “alegria” que vivencia como resultado da intimidade com Deus, em que pesem as circunstâncias tão adversas. Ele proclama: “O rei, porém, se alegra em Deus”. Já no Salmo 16:11 afirmara: “Na tua presença há plenitude de alegria”. Essa alegria, fruto do Espírito, só é experimentada pelos que são cheios do Espírito. O Senhor Jesus afirmou que vai converter a nossa tristeza em alegria, que essa alegria, ninguém tirará, não importam as circunstâncias que ocorram, e que será alegria completa (João 16:20, 22 e 24).

Conclusão:

A expressão “a minha alma,” mencionada três vezes no hino de Davi, nos faz perceber de modo expressivo o processo da intimidade com Deus:

  1. A minha alma tem sede” (v. 1) – Fala da “carência” da intimidade com Deus;
  2. A minha alma farta-se” (v. 5) – Fala do “resultado” da intimidade com Deus;
  3. A minha alma se apega a ti” (v. 8) – Fala da “plenitude” da intimidade com Deus.
autor: Jayro Gonçalves.