• Português

Levar fardos

"Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo!
Deus é a nossa salvação
"

Salmo 68:19

“Fardo”, segundo o dicionarista Aulete, é um objeto ou a reunião de objetos mais ou menos pesados, mais ou menos volumosos, destinados a transporte. É uma carga, um peso, um volume. A expressão, usada metaforicamente, refere-se a algo que moralmente é pesado ou custa suportar.

Há situações sobremodo incomodas ou penosas na experiência da vida, como, por exemplo, o “fardo” da velhice, dos anos, da doença, da penúria, do desemprego etc., o que leva muitos a sempre dizer, em profundo e constante queixume: “o fardo está muito pesado, não o aguento carregar”.

Vivemos dias aflitivos e tenebrosos que ensejam, a cada passo da vida penosa, esse linguajar de lamento angustioso! Adversidades e contrariedades que ocorrem no contexto da nossa vida humana, põe-nos logo a proclamar: “o fardo está muito pesado, não o aguento carregar"!

Levar fardos não é agradável! Ninguém gosta de fazê-lo. Como trabalho natural é rude e sobremodo penoso. Reportando-se à sua vivência angustiante afirmou Jó (7:1): “Não é penosa a vida do homem sobre a terra?”.

Há três passagens na Bíblia a que me quero referir onde a expressão “fardo” aparece:

1. “Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo! Deus é a nossa Salvação” (Salmo 68:19) - Este salmo é um dos mais significativos hinos de vitória composto pelo mavioso em Salmos, Davi, para ser cantado na procissão organizada por ocasião do transporte da arca da casa de Obeded-Edon para Jerusalém (2 Samuel 6:2-18).

Nele proclama Davi o fato notável de que Deus é Quem leva o nosso fardo! Essa declaração poética e celebratória de Davi, resultava da verificação inquestionável desse fato na experiência histórica do povo de Israel. O que seria do povo se Deus mesmo não se dispusesse a levar o seu fardo!

Davi bendizia a Deus por isso, pois o fardo deveria pesar sobre os ombros do povo, mas Deus suportava esse peso em lugar do mesmo. A chave dessa linda estrofe do Salmo (v. 19) é a expressão “dia a dia”, que vincula a história da redenção firmemente com o presente e o futuro.

Constata-se aí o cuidado totalmente suficiente e permanente de Deus, que, dia a dia, leva o nosso fardo. Em antiga tradução (ARC) é adotada a expressão “dia a dia nos cumula de benefícios” no sentido de que Deus carrega por nós o nosso fardo, consoante o que se lê em Neemias 13:15 a respeito dos suprimentos carregados sobre os jumentos.

Que maravilhosa prova da fidelidade constante de Deus é aí definida a favor do Seu povo! Tanto na sua caminhada alegre em direção a Sião, levando a arca do Senhor, no seu suprimento cotidiano, como no confronto inevitável com os seus duros e implacáveis inimigos, dando-lhe a garantia de gloriosas vitórias! Mesmo constatando suas reiteradas manifestações de rebeldia e de ingratidão, Deus se dispunha dia a dia levar o fardo do povo! Davi define essa experiência da bondade de Deus como “a nossa Salvação”.

A nossa Salvação só tem sido possível porque o Senhor Jesus, consoante o eterno plano do Pai, levou para o Calvário, sobre Si mesmo, o pesado fardo dos nossos pecados. Isaías, em sua clara profecia (53:4-6), afirma: “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si... ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele e pelas suas pisaduras fomos sarados... o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos”. Por sua vez Pedro diz “carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas fostes sarados” (1 Pedro 2:24).

O que seria de nós se Cristo não tivesse levado o pesado fardo dos nossos pecados sobre Si, no Calvário! Foi por isso que o Senhor Jesus disse, compreendendo a impossibilidade de carregarmos esse fardo: “Vinde a mim vós que estais cansados e sobrecarregados... EU VOS ALIVIAREI” (Mateus 11:28). Portanto, como Davi, bendigamos a Deus porque Cristo levou o fardo dos nossos pecados sobre o Calvário, viabilizando a nossa Salvação.

2. “Porque cada um levará o seu próprio fardo” (Gálatas 6:5) - Se é verdade que Cristo levou o fardo dos nossos pecados para que pudéssemos usufruir da Salvação eterna, concessão da Sua maravilhosa Graça, não é menos verdade que o cristão, efetivamente salvo, deve ter a consciência da sua responsabilidade irrecusável de carregar o seu próprio fardo como nova criatura, pois, como disse Jesus Cristo esse fardo é leve, um jugo suave: “tomai sobre vós o meu jugo... porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mateus 11:29, 30).

Podemos identificar essa responsabilidade inevitável, na atitude do cristão autêntico, nas características do discípulo verdadeiro definidas pelo Senhor em Lucas 9:23... “se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me”. Levar o seu próprio fardo implica em renúncia das ideias próprias, vantagens e interesses pessoais, em rejeição do mundo e em rendição completa ao Senhor, para o cumprimento fiel da Sua soberana vontade.

Tomar o próprio fardo implica em aceitar o desafio de andar no estreito e apertado caminho no qual a Salvação nos colocou (Mateus 7:14). É viver o principio do Senhorio de Cristo em sua vivência cristã, exposto por Paulo em Romanos 12:1-2, apresentando o seu corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, não se conformando com o presente século, mas, transformado pela renovação da mente, ter a experiência da boa, perfeita e agradável vontade de Deus. É não amar o mundo nem as coisas que há no mundo (1 João 2:15).

Muitos que se dizem cristãos não querem aceitar o suave jugo e o leve fardo do inconformismo com o mundo, da submissão ao Senhorio de Cristo e do andar no caminho apertado que leva à vida. Será que estamos levando o nosso fardo como Deus deseja?

3. “Levai os fardos uns dos outros” (Gálatas 6:2) - Nem sempre é fácil seguir essa determinação das Escrituras, mas é necessário que a pratiquemos com espontaneidade e determinação para evidenciarmos uma dimensão correta do nosso cristianismo. Levar as cargas uns dos outros acontece através da prática do amor fraternal. Jesus Cristo enfatizou muito sobre a necessidade do cumprimento desse dever no comportamento do cristão.

Ele mesmo deixou o Seu digno exemplo: “se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés...” (João 13:14). Ele instou quanto à necessidade da prática pelos Seus discípulos do Seu próprio exemplo: “... também deveis lavar os pés uns dos outros” (João 13:14). Reiterou essa recomendação como ponto essencial: “porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu fiz, façais vós também” (João 13:15), e acrescentou mais: “Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes” (João 13:17). “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (João 13:34). Ele concluiu de forma categórica: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros (João 13:35).

Essa foi a prática vitoriosa dos primeiros cristãos! Outra não foi a preocupação evidenciada pelos apóstolos no ensino que transmitiram: “Porque a mensagem que ouviste desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros” (1 João 3:11). “Filhinhos, não amemos de palavras, nem de língua, mas de fato e de verdade” (1 João 3:18). Que cumpramos com eficiência o nosso dever de levar as cargas uns dos outros pela prática permanente do amor, como Paulo nos aconselha: “Todos os vossos atos sejam feitos com amor” (1 Coríntios 16:14).

CONCLUSÃO: Três maneiras diferentes de levar fardos:

  1. Deus os leva por nós dia a dia: Ele é a nossa Salvação. Temos aí o AMOR DE DEUS;
  2. Devemos levar o nosso fardo. Temos aí o nosso AMOR A DEUS;
  3. Devemos levar os fardos uns dos outros. Temos ai o AMOR PARA COM OS OUTROS.
autor: Jayro Gonçalves.